A escola como espaço de mediação do conhecimento e humanização

Everton Carlos Crema

Resumo


O debate proposto busca discutir o papel e a importância da escola como um espaço de mediação e transmissão cultural, a partir da síntese dos conhecimentos científicos escolares e os saberes e experiências sociais, ou pelo menos assim deveria ser. A cultura escolar, resultado dos processos de escolarização e a cultura social produzida na vida prática, devem necessariamente se relacionar integrando campos, estruturas e formas de concepção e compreensão do mundo. Poucos lugares sociais possuem a diversidade e a representatividade da escola, essa condição também se apresenta como uma possibilidade e um imperativo categórico, na construção de uma sociedade mais justa, tolerante, equitativa e democrática. Para isso, nossos professores precisam aprender melhor, como podem ensinar com mais eficiência e eficácia e precisam de formação contínua, ante os desafios e dilemas da educação. Nossas alunas e alunos precisam ‘reaprender’ a aprender, valorizando seus conhecimentos sociais e histórias de vida, também formas de saber, orientando as carências na vida prática. A escola em sua diversidade e pluralidade se tornou um lugar onde se pode ‘existir’ e a educação é o conteúdo dessa ‘resistência’ contra o abuso, preconceito, racismo e toda a violência, a escola tem que ser melhor, porque nossos alunos e alunas precisam ser melhores. O conhecimento aprendido/construído sobre a vida e a diversidade, cria uma qualidade explicativa /compreensiva superior, transformando a própria realidade, ou no mínimo parâmetros compreensivos mais coerentes. Como resultado construiremos uma sociedade que refletirá a escola e não o contrário.

Palavras-chave


Metodologias de ensino. Ensino da diversidade. Cultura escolar e cultura social. Humanismo diverso.

Texto completo:

PDF HTML ePUB

Referências


APPLE, Michael Whitman. A educação pode mudar a sociedade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Básica. DF: MEC, 1996.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB – Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília, DF: MEC, 1996.

BRASIL. Plano Nacional de Educação. Brasília: Senado Federal, UNESCO, 2001.

BUENO, André da Silva; ESTACHESKY, Dulceli Tonet; CREMA, Everton Carlos. Gênero educação e sexualidades: reconhecendo diferenças para superar [pré] conceitos. Uberlândia: Ed dos Autores, 2016.

CANCLINI, Néstor Garcia. Culturas híbridas. São Paulo: Edusp, 2015.

CREMA, Everton Carlos. Currículo, cultura histórica e cultura escolar na construção estética da aula. 2019. 220f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Paraná. Curitiba. 2019.

CREMA, Everton Carlos. Rüsen e o “novo humanismo” reflexões para a educação e a diferença. In: BUENO, André da Silva; ESTACHESKY, Dulceli Tonet; CREMA, Everton Carlos. Gênero educação e sexualidades: reconhecendo diferenças para superar [pré] conceitos. Uberlândia: Ed dos Autores, 2016.

ESTACHESKY, Dulceli Tonet. Gênero na escola sim, mas como fazer? In: BUENO, André da Silva; ESTACHESKY, Dulceli Tonet; CREMA, Everton Carlos. Gênero educação e sexualidades: reconhecendo diferenças para superar [pré] conceitos. Uberlândia: Ed dos Autores, 2016.

FORQUIN, Jean Claude. Escola e cultura: as bases epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

GOODSON, Ivor Frederick. As políticas de currículo e de escolarização. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

RÜSEN, Jörn. Teoria da História: uma teoria da história como ciência. Curitiba: Editra UFPR, 2015.

SAVIANI, Demerval. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SAVIANI, Demerval. Desafios da construção de um sistema nacional articulado de educação. Revista Trabalho, Educação e Saúde. v.6, n.2, p. 213-232, 2008.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora; MARTINS, Estevão de Rezende. (Orgs.) Jörn Rüsen: contribuições para uma teoria da didática da história. Curitiba: W. A. Editores, 2016.




DOI: https://doi.org/10.30612/frh.v22i39.12570

Fronteiras: Revista de História - PPGH/FCH/UFGD
 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.