Ditadura, Gênero e Racismo no Tempo Presente: diário de um encontro docente

Nashla Dahás Gomozias, Adriana Silva Teles Boudoux

Resumo


Este artigo é resultado do minicurso de título semelhante ministrado por ocasião do II Seminário de Ensino de História das Escolas Públicas da Grande Florianópolis cujo tema geral foi “Os desafios do ensino de história em tempos de conservadorismo e neoconservadorismo”. O evento ocorreu em meados do mês de agosto de 2019, no Instituto Estadual de Educação, no Centro de Florianópolis, e teve como alvo principal os professores da rede pública da educação básica da capital catarinense e de cidades circunvizinhas. O intuito é fazermos uma apresentação da dinâmica de nossa experiência de contato com o grupo de docentes inscritas(os), destacando os objetivos de nossa proposta para o curso, nossa percepção da reação e respostas do grupo; a incorporação das demandas das professoras(es) presentes e os impasses que surgiram na interação entre o projeto de minicurso e o processo de sua realização. Esperamos, com isso, contribuir para levantar questões sobre os usos, impasses e abordagens, no cotidiano docente, de temas-trauma e categorias de análise mais evidentemente emergentes desde os anos 2000, quais sejam, ditadura civil-militar, gênero, racismo e interseccionalidade.

Palavras-chave


Ditadura. Gênero. Racismo. História do Tempo Presente. Ensino de História.

Texto completo:

PDF HTML ePUB

Referências


AKOTIRENE, Carla. O que é interseccionalidade. Belo Horizonte: Letramento, 2018.

BAUER, Caroline S. “Um estudo comparativo das práticas de desaparecimento nas ditaduras civil-militares argentina e brasileira e a elaboração de políticas de memória em ambos os países”. Tese de doutorado defendida na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em História, 2011.

BRAGA, Sabrina. C. Testemunho, catástrofe e historiografia: entrevista com Márcio Selgmann-Silva”. Revista De Teoria Da História - Journal of Theory of History, 19(1), 297- 304, 2018.

BRUM, Eliane. “Aos que defendem a volta da ditadura. Eles eram 400 nas ruas de São Paulo, no primeiro sábado de dezembro, pedindo intervenção militar. Quatrocentos não é pouco. Um é muito”. El País, 8 de dezembro de 2014.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. In: HOLANDA, Heloísa Buarque de. Pensamento Feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019.

DELACROIX, Christian. A história do tempo presente, uma história (realmente) como as outras? Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 10, n. 23, p. 39 ‐ 79, jan./mar. 2018.

DUARTE, Ana Rita F. (Org.). As mobilizações do gênero pela ditadura militar brasileira. Fortaleza: Expressão Gráfica, 2014.

FRANCO, Marina. La última dictadura argentina en el centro de los debates y las tensiones historiográficas recientes. Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 10, n. 23, p. 138-166, jan./mar. 2018.

GIL, Carmem Zeli de Vargas; EUGÊNIO, Jonas Camargo. Ensino de História e temas sensíveis: abordagens teórico-metodológicas. In: História Hoje, v. 7, n. 13, p. 1-21, 2018. Disponível em: http://www.rhh.anpuh.org. Acesso em 01/09/2019.

GÓES, Juliana. Ciência sucessora e a(s) epistemologia(s): saberes localizados. Rev. Estud. Fem. vol. 27 no. 1, Florianópolis, 2019.

GREEN, James; QUINALHA, Renan (Orgs.). Ditadura e homossexualidades. Repressão, resistência e a busca da verdade. São Carlos: Edufscar, 2014.

GUZZO, Morgani. Corpos e campos plurais: os feminismos das marchas das vadias no Brasil. Tese de doutorado defendida no PPGH-UFSC, 2019.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos pagu (5) 1995: p. 07-41.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. São Paulo: N-1 edições, 2018.

JOFFILY, Mariana. Aniversários do golpe de 1964: debates historiográficos, implicações políticas. Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 10, n. 23, p. 204 - 251, jan./mar. 2018.

KEHL, Maria Rita. “Tortura e sintoma social”. In: TELES, Edson; SAFATLE, Vladimir (Orgs.). O que resta da ditadura: a exceção brasileira. São Paulo: Boitempo, 2010. p. 123- 133.

KILOMBA, Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogò, 2019.

PEREIRA, Nilton Mullet; MEINERZ, Carla Beatriz; PACIEITCH, Caroline. Viver e pensar a docência diante da demandas sociais e identitárias do século XXI. História & Ensino, Londrina, v. 21, n. 2, p. 31-53, jul./dez. 2015. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/histensino/article/view/23850. Acesso em 27/11/2018.

PIRES, Thula Rafaela de Oliveira. Comissão da Verdade do Rio de Janeiro. Relatório de pesquisa. Colorindo memórias e redefinindo olhares: ditadura militar e racismo no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 10 de agosto de 2015.

RATTS, Alex; RIOS, Flavia M. Lélia Gonzalez: Retratos do Brasil Negro. São Paulo: Summus/Selo Negro, 2010, 173 p.

ROUSSO, Henry. A última catástrofe: a história, o presente, o contemporâneo. Trad. Fernando Coelho e Fabrício Coelho. Rio de Janeiro: FGV, 2016.

SCOTT, Joan. “Gênero: uma categoria útil de análise histórica”. Educação e Realidade. 20(2): 78-99; 1995.

TIBURI, Marcia; BORGES, Maria de Lourdes (Orgs). Filosofia: machismos e feminismos. Florianópolis, Ed. da UFSC, 2014.

VILLA, Marco Antônio. Ditadura à brasileira, Folha de S. Paulo, 5 mar. 2009.




DOI: https://doi.org/10.30612/frh.v22i39.12567

Fronteiras: Revista de História - PPGH/FCH/UFGD
 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.