Jornalismo e Direitos Humanos: o agendamento do tema estupro no portal Campo Grande News (MS)

Katarini Giroldo Miguel, Lynara Ojeda Souza

Resumo


Nosso trabalho discute o papel dos meios de comunicação na abordagem dos Direitos Humanos, especificamente na cobertura do tema estupro, e a influência da mobilização social nesse processo, sinalizando para as possíveis alterações que ocorrem no agendamento dos temas quando no ciberespaço. Em um segundo momento, analisamos como o portal de notícias sul-mato-grossense Campo Grande News agendou o tema violência sexual de gênero, a partir da repercussão nacional do caso de estupro coletivo de uma jovem no Rio de Janeiro em maio de 2016. Levantamos as matérias veiculadas nos 15 dias antes e depois do caso, no período de 10 de maio a 10 de junho de 2016, para entender a composição da pauta e indicar características, fluxos de agendamentos e a relevância dada a um assunto tão urgente no Estado. Mato Grosso do Sul ocupa o segundo lugar na lista de estados brasileiros com maior número de denúncias de estupro (SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES, 2015).


Palavras-chave


Agendamento. Jornalismo. Estupro. Direitos Humanos.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDI. Concurso Tim Lopes: um estudo de caso sobre a atuação da imprensa no enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes. Brasília, 2006.

ANDI. Direitos Humanos na imprensa brasileira: uma radiografia. [s/d]. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/educar/1congresso/008_021_congresso_veet_vivarta.pdf. Acesso em 20 de junho de 2016.

BARROS FILHO, Clóvis de. Ética na Comunicação - da informação ao receptor. São Paulo: Moderna, 2001.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei Federal nº 8.069. Brasília: Congresso Nacional, 1990.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário brasileiro de segurança pública. São Paulo: 2017, ano 11, 107p. Relatório. Disponível em: . Acesso: 2 abr. 2018.

LIPPMANN, Walter. Opinião pública. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

MELO, José Marques. A opinião do jornalismo brasileiro.2.ed. Petrópolis: Vozes, 1994.

MORA, Gabriela Goulart. O concurso Tim Lopes de Investigação Jornalística como estratégia de agendamento da violência sexual contra crianças e adolescentes na imprensa brasileira. Brasília: UnB/ Faculdade de Comunicação, 2008.

PADILHA, Sônia. Os valores-notícia no webjornalismo. In: Jornalismo convergente: reflexões, apropriações, experiências. LONGHI, Raquel; D’ ANDRÉIA, Carlos (Orgs). Florianópolis: Insular, 2012.

PIOVESAN, Flávia. Direitos Humanos e o Direito Constitucional internacional. 8ª ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

SILVA, Gislene. Para pensar critérios de noticiabilidade. Revista Estudos em Jornalismo e Mídia. Universidade Federal de Santa Catarina, v. 2, n. 1, 2005.

SILVA, Luiz Martins da. Sociedade, esfera pública e agendamento. In Metodologia de pesquisa em jornalismo. BENETTI, Marcia; LAGO, Cláudia (Orgs.). 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

SODRÉ, Muniz. A narração do fato: notas para uma teoria do acontecimento. Petrópolis: Vozes, 2009.

TRAQUINA, Nelson. O Poder do Jornalismo: análise e textos da teoria do agendamento. Coimbra: Minerva, 2000.

VIDIGAL, Edson. O papel do jornalismo investigativo. 2002. Disponível em: http://bdjur.stj.jus.br/jspui/bitstream/2011/16855/Imprensa_Investigativa.pdf. Data de acesso: 13 abril de 2016.




DOI: https://doi.org/10.30612/videre.v10i20.8467

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/

 
 
 
Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.