A insustentabilidade da visão tradicional sobre Direitos Humanos nas questões de gênero: a Corte Interamericana de Direitos Humanos no caso Rosendo Cantú y Otra versus México

Felipe Da Veiga Dias, Tamiris A. Gervasoni

Resumo


O presente estudo objetiva investigar a insustentabilidade da visão tradicional sobre os direitos humanos nas questões de gênero a partir da atuação da Corte Interamericana de Direito Humanos, analisando uma decisão que trata sobre violência de gênero contra mulher, pautando-se pela teoria crítica dos direitos humanos e se respectiva Corte atua neste sentido. Para tanto, utiliza-se o método de abordagem fenomenológico-hermenêutico aliado ao método de procedimento monográfico; contando ainda com a técnica de pesquisa da documentação indireta e pesquisa jurisprudencial. Inicialmente desenvolve-se o tema da cultura de violência de gênero enquanto violação de direitos humanos para, no segundo momento, aliá-lo à teoria crítica dos direitos humanos. Ao final, analisa-se a decisão da Corte Interamericana, verificando uma atuação jurisdicional crítica sobre direitos humanos e violência de gênero, de forma a seguir uma visão sustentável em relação às questões de gênero, para além dos formalismos jurídicos e de uma visão tradicional sobre o tema.

Palavras-chave


Gênero. Cultura de violência de gênero. Direitos humanos. Teoria crítica dos direitos humanos. Corte Interamericana de Direitos Humanos.

Texto completo:

PDF

Referências


ABSP. Anuário Brasileiro de Segurança Pública. São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2016. Disponível em:. Acesso em: 13 de jan. 2018.

ALFARO, Norman José Solórzano. Derecho moderno e inversión ideológica: una mirada desde los derechos humanos. In: RUBIO, David Sánchez; FLORES, Joaquín Herrera; CARVALHO, Salo de. Direitos humanos e globalização: fundamentos e possibilidades desde a teoria crítica. 2 ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010.

ARAÚJO, Maria de Fátima. Gênero e violência contra a mulher: o perigoso jogo de poder e dominação. Revista Electrónica Internacional de la Unión Latinoamericana de Entidades de Psícologia, México, n. 14, out. 2008. Disponível em: < http://psicolatina.org/14/genero.html>. Acesso em: 10 out. 2017.

BAIRROS, Luiza. Nossos feminismos revisitados. In: MIÑOSO, Yuderkys Espinosa; CORREAL, Diana Gómez; MUÑOZ, Karina Ochoa. Tejiendo de otro modo: Feminismo, epistemología y apuestas descoloniales en Abya Yala. Popayán: Editorial Universidad del Cauca, 2014, p. 181-187.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília. Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2013.

BOBBIO, Norberto. Da estrutura à função: novos estudos de teoria do direito. Manole, 2007.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Tradução de Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

BUTLER. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CARVALHO, Lisandra Arantes. O movimento feminista no Brasil, suas conquistas e desafios. O empoderamento da mulher como instrumento de intervenção social. In: SLAKMON, Maíra Rocha; MACHADO Catherin; BOTTINI Pierpaolo Cruz (Orgs.). Novas Direções na Governança da Justiça e da Segurança. Brasília: Ministério da Justiça do Brasil, 2006, p. 203-213.

CORREAL, Diana Marcela Gómez. Feminismo y modernidad/colonialidad: entre retos de mundos posibles y otras palabras. In: MIÑOSO, Yuderkys Espinosa; CORREAL, Diana Marcela Gómez; MUÑOZ, Karina Ochoa. Tejiendo de otro modo: Feminismo, epistemología y apuestas descoloniales en Abya Yala. Popayán: Editorial Universidad del Cauca, 2014, p. 353-370.

CORTE IDH. Corte Interamericana de Direitos Humanos. Caso Rosendo Cantú y otra Vs. México. 2010a. Disponívelem:

articulos/seriec_216_esp.pdf>. Acesso em: 19 out. 2017.

______. Corte Interamericana de Direitos Humanos. Resumen oficial emitido por la Corte Interamericana. Caso Rosendo Cantú y otra Vs. México. 2010b. Disponível em:. Acesso em:

out. 2017.

COSTA, Marli Marlene Moraes da. Transversalidade das políticas públicas na perspectiva de gênero. In: COSTA, Marli Marlene Moraes da; LEAL, Mônia Clarissa Hennig (Orgs.) Direitos sociais e políticas públicas, tomo 13, Santa Cruz do Sul: Edunisc, p. 193-216, 2013.

DIAS, Felipe da Veiga. COSTA, Marli Marlene Moraes da. Sistema punitivo e gênero: uma abordagem alternativa a partir dos direitos humanos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2013.

GALLARDO, Helio. Teoría crítica: matriz y posibilidad de derechos humanos. Murcia: s.e., 2008.

GGB (Grupo Gay da Bahia). Assassinato de homossexuais (LGBT) no Brasil. 2012. Disponível em: . Acesso em: 01 out. 2017.

GORCZEVSKI, Clovis; DIAS, Felipe da Veiga. A imprescindível contribuição dos tratados e cortes internacionais para os direitos humanos e fundamentais. Revista Seqüência, Florianopólis, n. 65, dez. 2012, p. 241-272.

HERNÁNDEZ, Laura Rangel. Sentencias condenatorias al Estado mexicano dictadas por la Corte Interamericana de Derechos Humanos y sus implicaciones en el orden jurídico nacional. Revista del Instituto de Ciencias Jurídicas de Puebla, México, ano V, n. 28, jul/dec, 2011, p. 160-186.

HERRERA FLORES, Joaquín. La reinvención de los derechos humanos. Sevilla: Atrapasueños, 2008.

______. Teoria crítica dos direitos humanos. Os direitos humanos como produtos culturais. Versão ebook. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009.

IPEA. Estupro no Brasil: uma radiografia segundo os dados da Saúde. 2014a. Disponível em:

_notatecnicadiest11.pdf>. Acesso em: 17 jun. 2017.

______. SIPS - Tolerância social à violência contra as mulheres. 2014b. Disponível em:. Acesso em: 17 jun. 2017.

______. Violência contra a mulher: feminicídios no Brasil. 2013. Disponível em:. Acesso em: 17 jun. 2017.

MOURA; MARTINS. Os Direitos Humanos nas encruzilhadas da emancipação: as lutas sociais e as escalas da contra-hegemonia. Revista Videre. Dourados, MS, v. 8, n. 15, jan./jun., 2016.

MPSP (Ministério Público do Estado de São Paulo). Em 30 anos, assassinatos de mulheres aumentam 239%. Revista da Escola Superior do Ministério Público, n. 56, out-dez. 2013, p. 4-8.

ONU-BR (Organização das Nações Unidas-Brasil). No dia internacional da mulher ONU pede o fim de todos os tipos de violência de gênero. 2014. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2017.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. Tradução Angela M. S. Côrrea. São Paulo: Contexto, 2008.

PUELO, Alicia H. Patriarcado. In: AMORÓS, Celia (Dir.). 10 palabras clave sobre Mujer. Pamplona: Verbo Divino, 1995, p. 21-54.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Cadernos Pagu, n. 16, 2001, pp.115-136.

SÁNCHEZ RUBIO, David. Derechos humanos, no colonialidad y otras luchas por la dignidad: una mirada parcial y situada. Campo Jurídico, Barreiras, vol. 3, n. 1, maio, 2015, p. 181-213.

______. Fazendo e desfazendo direitos humanos. Tradução de Clovis Gorczevski. 1. ed. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2010.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Tradução Christine Rufino Dabat e Maria Betânia Ávila. New York: Columbia University Press, 1989. Disponível em:

SDH (Secretaria de Direito Humanos). LGBT. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2017.

SOIBET, Rachel. Mulheres Pobres e violência no Brasil urbano. In: PRIORE, Mary Del. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 1997.

SPERANDIO, Marilin Soares; AQUINO, Sérgio Ricardo Fernandes de; CAMARGO, Carolina. Em defesa de uma sustentabilidade social com fundamento na ética da alteridade: uma reflexão literária da obra “portas abertas” de Leonardo Sciascia. Revista Jurídica Cesumar – Mestrado. v. 17, n. 2, maio/agosto, 2017.

ZILLI, Marcos; MONTECONRADO, Fabíola Girão; MOURA, Maria Thereza Rocha de Assis. O Brasil e a execução das decisões proferidas no contexto do sistema interamericano de direitos humanos, p. 83-134. In: AMBOS, Kai; MALARINO, Ezequiel; STEINER, Christian. Sistema interamericano de protección de los derechos humanos y derecho penal internacional. Tomo III. Bogotá: Unión Gráfica ltda, 2013.




DOI: https://doi.org/10.30612/videre.v10i20.8357

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/

 
 
 
Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.