Interfaces entre a Antropologia e o Direito: uma discussão sobre o anti anti-relativismo de Clifford Geertz

Luana Renostro Heinen, Marcel Mangili Laurindo

Resumo


A antropologia pode contribuir para que os juristas visualizem o fenômeno jurídico como produto da cultura e, por isso, marcado por grande diversidade. A proposta do trabalho é analisar como o relativismo e o anti anti-relativismo de Clifford Geertz podem lançar luzes sobre o direito. Apresenta-se o etnocentrismo e o evolucionismo cultural para depois explorar sua presença no direito e a contribuição da antropologia, com o relativismo, para se questionar essas visões. Em seguida, faz-se uma análise do anti anti-relativismo de Clifford Geertz para compreender as críticas que recebeu o relativismo e como Geertz as rebate, para se discutir, no segundo momento, como os juristas podem aprender a lançar um olhar através do espelho que possibilite criticar também os próprios pressupostos.

Palavras-chave


Relativismo. Anti anti-relativismo. Cultura. Direito.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.30612/videre.v10i20.7528

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/

 
 
 
Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.