A retomada da "hegemonia norte-americana" e seus impactos sob a América Latina

Tatiana A. F. R. Cardoso Squeff, Jessika Tessaro Rucks, Renata Motter de Souza

Resumo


O presente texto tem como objetivo analisar as relações entre hegemonia e crise, a partir do exemplo Norte-Americano no pós-Segunda Guerra. A justificativa para a realização do estudo está na tentativa de compreender a importância norte-americana no sistema internacional, bem como a sua tentativa de manter-se no “topo” das relações internacionais contemporâneas. Afinal, a ascensão norte-americana ao cargo de Potência Mundial no período do pós-guerra foi vista como um estabilizador econômico. Entretanto, com a profunda crise econômico-política ocorrida na década de 1970 nos Estados Unidos, não foi apenas o seu papel contestado internacionalmente, como também se atestou a própria falha do sistema financeiro internacional arquitetado em Bretton Woods. Com isso, o presente texto pretende não só demonstrar tal situação, assim como almeja elucidar as novas políticas adotadas pelos americanos frente a tal situação, na tentativa de retomar o seu posto enquanto potência hegemônica. Além disso, ao cabo, o estudo ressalta os efeitos gerados por essa nova prática sobre as economias latino-americanas, particularmente sobre Argentina, Brasil e México, haja vista elas terem impactado negativamente na saúde econômica destes países. Por isso, o presente texto é dividido em quatro partes, traçando-se um resgate teórico-qualitativo acerca do tema, revisando-se bibliografia existente sobre o tema, porém, sem o condão de querer esgotá-la.

Palavras-chave


Política Externa Americana. Hegemonia. Crise Financeira. Sistema Financeiro Mundial. América-Latina.

Texto completo:

PDF




 
 
 
Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.