As reformas neoliberais no contexto latino-americano: condicionantes externas, influência dos organismos econômicos internacionais e agravamento dos índices sociais

Jan Marcel de Almeida Freitas Lacerda, Anderson Matias Cardozo

Resumo


O objetivo do presente artigo é relevar a importância da economia política internacional como temática central na reflexão sobre a necessidade de obtermos uma convivência entre a democracia e o desenvolvimento econômico. Desta feita, atentamos para diversos problemas econômicos presentes na América Latina, no período Pós-Guerra Fria e em meio à globalização, que problematizaram uma possível relação “desejável” entre a democracia e o desenvolvimento. Coube aos teóricos neoclássicos a tarefa de celebrar as núpcias entre a teoria econômica e a visão democrática. Desse modo, é importante analisarmos as condicionantes externas – contextos nacionais, regional e internacional – da implementação das políticas neoliberais e, dentro desse contexto, é importante refletirmos sobre o agravamento das problemáticas econômicas e sociais dos países da América Latina em decorrência das reformas estruturais (neoliberais). Conseqüentemente, atentamos para a influência e autoridade, de início, de forma negativa, das agências financeiras internacionais na implementação dessas políticas e suas subseqüentes reformulações. Por fim, refletiremos sobre o quadro dos índices sociais na América Latina, cujo agravamento teve resultado com as reformas neoliberais.

Palavras-chave


Reformas Neoliberais. Organizações Internacionais. Desenvolvimento Econômico. Índices Sociais. América Latina.

Texto completo:

PDF




 
 
 
Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.