União econômica e monetária a lá africana: o caso da UEMOA

Lito Nunes Fernandes

Resumo


Nas últimas décadas, os policymakers africanos estão mais conscientes sobre a importância da integração como instrumento para impulsionar o desenvolvimento econômico. Como prova, no dia 10 de janeiro de 1994, foi criada a União Econômica e Monetária do Oeste Africano (UEMOA) cujos integrantes são Benim, Burkina Faso, Costa do Marfim, Guiné-Bissau, Mali, Níger, Senegal e Togo. Estes oito países contam com um Banco Central (BCEAO), uma moeda única (Franco CFA) e suas políticas macroeconômicas estão convergidas. Trata-se da primeira região do mundo a implantar uma união econômica e monetária, mesmo não seguindo estritamente as diretrizes convencionais. O objetivo do artigo é descrever como foi planejada a UEMOA, os obstáculos enfrentados assim como os logros obtidos. Conclui-se que a criação de uma união econômica e monetária numa região sem condições prévias, mesmo em condições inadequadas que a teoria convencional sugere ideal, por si só, é um avanço, dadas as dificuldades internas, ainda que isso não substitua a necessidade das estratégias do desenvolvimento nacionais mais sólidas e o fortalecimento das instituições.

Palavras-chave


Integração monetária. África Ocidental. UEMOA. Desenvolvimento.

Texto completo:

PDF




 
 
 
Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.