Variações termohígricas no complexo habitacional Deoclécio Artuzzi (I e II) e Harrison de Figueiredo (III), Dourados (MS): uma análise do outono de 2016

Deives Gabriel Bortolanza e Santos, Charlei Aparecido da Silva, Vladimir Aparecido dos Santos

Resumo


As mudanças climáticas, os padrões arquitetônicos impostos, a rotina da vida das pessoas, as atividades antrópicas e os impactos ambientais decorrentes do acelerado e desordenado crescimento urbano são apenas alguns dos temas iniciais quando se trata de estudos de clima urbano e do conforto térmico. Assim o presente texto tem o objetivo de discutir  as variações termohígricas do complexo habitacional Deoclécio Artuzzi (I e II) e Harrison de Figueiredo (III), localizados na cidade de Dourados (MS). Durante a pesquisa primou-se por registrar a temperatura e a humidade relativa na escala horária por meio  termohigrômetros. Os dados registrados no interior das residências foram comparados com os oficiais da estação meteorológica da Embrapa Centro-Oeste. Nesse ensaio foram analisados as temperaturas (mínima, máxima e média) e umidade relativa de decorrer de dez dias do outono de 2016.


Palavras-chave


Conforto térmico. Temperatura. Umidade.

Texto completo:

PDF

Referências


FROTA, A. B., SCHIFFER, S. R. Manual de Conforto Térmico. São Paulo: Studio Nobel, 2007.

NIMER, Edmond. Climatologia do Brasil. 2ª edição Rio de Janeiro: IBGE, 1989.

SANTOS, V. A.; SILVA, C. A.; SCHNEIDER, H. As características do clima de Dourados (MS) e suas conexões com os sistemas atmosféricos regionais. Revista Brasileira de Climatologia, v. 9, p. 80-93, 2012.

ZAVATTINI, J. A. e BOIN, M. N. Climatologia Geográfica: Teoria e Prática de Pesquisa. 1 Ed. Campinas – SP: Alínea Editora, 2013. v. 1. 150p.




DOI: https://doi.org/10.30612/re-ufgd.v5i10.8609

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.