Rotulagem nutricional de biscoitos elaborados por empreendimentos da incubadora social da Universidade Federal da Grande Dourados

Thales Henrique Barreto Ferreira, Thales Henrique Barreto Ferreira, Aline Janaina Giunco, Cláudia Leite Munhoz, Elina Janet Sanjinez-Argandoña

Resumo


A Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), engajada com questões sociais da região, criou em 2006 uma Incubadora Social, que desenvolve ações para um público beneficiário, com atuação nos âmbitos socioeconômicos e políticos. Dentro dessas comunidades são elaborados diversos produtos alimentícios, como bolos, salgados e biscoitos; sendo esses produtos produzidos por mulheres e comercializados na própria UFGD. A rotulagem de alimentos embalados e comercializados é obrigatória, sendo que geralmente pequenos produtores não possuem. Este estudo teve como objetivo o desenvolvimento da rotulagem com as informações nutricionais de biscoitos produzidos pela incubadora social e comercializados na UFGD, adequando os produtos às normativas vigentes. Com os rótulos contendo a informação nutricional as produtoras de biscoitos passaram a atender a legislação vigente. Os biscoitos de coco, nata e maracujá foram adquiridos no Campus II da UFGD, sendo inicialmente investigado o interesse das elaboradoras em obter a rotulagem dos biscoitos. Foram realizadas determinações de umidade, lipídeos, resíduo mineral fixo, proteínas, fibra alimentar e carboidratos. O valor energético total (VET) foi calculado utilizando-se os seguintes fatores de conversão de Atwater: proteínas 4 kcal/g, lipídeos 9 kcal/g e carboidratos 4 kcal/g. Os resultados obtidos mostraram grande interesse por parte das elaboradoras em obter a rotulagem dos biscoitos, conseguiu-se calcular a quantidade de cada constituinte e também o valor diária recomendado de cada biscoito. Os três biscoitos apresentaram pequenas oscilações entre os nutrientes. A elaboração rotulagem foi de extrema importância na qualidade de biscoitos, agregando maior valor nutricional e econômico a esses produtos.

Palavras-chave


Qualidade. Geração de renda. Incubadora social.

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA – ANVISA; UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA – UnB. Rotulagem Nutricional Obrigatória: Manual de Orientação às Indústrias de Alimentos. 2. versão. Brasília: ANVISA, UnB, 2005. 44 p.

AOAC. 1984. Official methods of analysis of the Association of Official Analytical Chemists. 14 ed. Arlington, VA, USA

AOAC. 1997. Official methods of analysis of the Association of Official Analytical Chemists. 16 ed. Washington: Horwitz, W.

BLIGH, E.G; DYER, W.J. 1959. A rapid method of total lipid and purification. Canadian Journal of Biochemistry and Physiology, 7: 911-917.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução - RDC nº 40, de 8 de fevereiro de 2002. Regulamento técnico para rotulagem de alimentos e bebidas embalados que contenham glúten. Diário Oficial União, Brasília, 2002.

BRASIL. Resolução RDC nº 259, de 20 de setembro de 2002. Aprova o regulamento técnico para rotulagem de alimentos embalados. A Diretoria Colegiada da ANVISA/MS. Diário Oficial União, Brasília, 2002.

BRASIL. Resolução RDC nº 263 de 22 de setembro de 2005. Aprova o Regulamento Técnico para produtos de cereais, amidos, farinhas e farelos, constantes do anexo desta Portaria. Diário Oficial União, Brasília, 2005.

BRASIL. Resolução RDC nº 360, de 23 de dezembro de 2003c. Aprova o regulamento técnico sobre rotulagem nutricional de alimentos embalados. A Diretoria Colegiada da ANVISA/MS. Diário Oficial União, Brasília, 2003.

CÂMARA, M. C. C.; MARINHO, C. L. C.; GUILAM, M. C.; BRAGA, A. M. C. B. A produção acadêmica sobre a rotulagem de alimentos no Brasil. Revista Panamericana de Salud Pública, Washington, v. 23, n. 1, p. 52-58, 2008.

DIAS, B. F. et al. Caracterização fisíco-química e análise microbiológica de cookie de farinha de aveia. Revista de Agricultura Neotropical, v. 3, n. 3, p. 10-14, 2016.

DORNELAS, J. C. A. Planejando incubadoras de empresas: como desenvolver um plano de negócios para incubadoras. José Carlos Assis Dornelas. Rio de Janeiro: Campus,2002.

JORNAL Informativo da Universidade Federal da Grande Dourados - ano 8, número 24 UFGD. Trabalhar pensando no outro: entenda como a Incubadora da UFGD fomenta a Economia Solidária e estimula a produção coletiva. Disponível em: http://files.ufgd.edu.br//arquivos/portal/ufgd/arquivos/nossasmidias/jornal/janeiro_2015.pdf. Acesso em: 03 ago. 2017.

MERRIL, A. L.; WATT, B. K. Energy value of foods: basis and derivation. Washington: United States Department of Agriculture; 1973.

NATIONAL BUSINESS INCUBATION ASSOCIATION. Review. Disponível em: http://www.nbia.org/. Acesso em: 09 ago. 2017.

NÚCLEO DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA. NESOL-USP, Economia Solidária em Várzea Paulista: construindo uma política pública. São Paulo. São Paulo: NESOL-USP, 2013.

SOUZA, S. M. F. C.; LIMA, K. C.; MIRANDA, H. F.; CAVALCANTI, F. I. D. Utilização da informação nutricional de rótulos por consumidores de Natal, Brasil. Revista Panamericana de Salud Pública, Washington, v. 29, n. 5, p. 337-343, 2011.




DOI: https://doi.org/10.30612/re-ufgd.v4i8.6946

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.