Tomando posse da história: o legado de resistência da cacique Kawany Lourdes Tupinambá

Cacique Kawany Lourdes Tupinambá, Daniella Santos Alves, Gabriela Gonçalves Junqueira

Resumo


O presente artigo é resultado de uma experiência etnográfica e reflexões a partir das discussões pós-coloniais e decoloniais. Tendo como base esse diálogo, construímos tal produção textual em conjunto com cacique Kawany Lourdes Tupinamba, liderança do movimento dos indígenas não aldeados do triângulo mineiro e Alto Paranaíba - Mina, situado na cidade de Uberlândia – MG. A partir dessa parceria foi pensada a estrutura do artigo. Optamos por revisitar a história do contato, o processo de marginalização e emudecimento do protagonismo indígena, a partir da história de vida, memória e o legado de resistência da cacique tupinambá. Nosso objetivo foi, portanto, o de criar espaços institucionais para que as vozes subalternas sejam ouvidas de forma efetiva. Além disso, o intuito de registrar outras vozes, divulgar outras histórias, publicizar os anseios e desejos dos indígenas integrantes do movimento por intermédio da biografia da cacique Kawany Lourdes Tupinambá caminha em direção das recentes discussões de uma antropologia por demanda.

Palavras-chave


História indígena. Antropologia por demanda. Memória.

Texto completo:

PDF

Referências


ADICHIE, Chimamanda. 2010. O Perigo da História Única. Palestra conferida no Tecnology, Entertainment and Design (TED).

AMANTINO, Márcia. 2001. O mundo das feras: Os moradores do Sertão Oeste de Minas Gerais – século XVIII. 2001. 426 f. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

ARRUTI, José Maurício Andion Paiva. 1997. A emergência dos ‘remanescentes’: notas para o diálogo entre indígenas e quilombolas. Mana [online], Rio de Janeiro, v.3, n.2, p. 7-38, Oct.

ARRUTI, José Maurício Andion Paiva. 2001.Agenciamentos Políticos da “Mistura”: Identificação Étnica e Segmentação Negro-Indígena entre os Pankararú e os Xocó. In. Estudos Afro-Asiáticos, Ano 23, nº 2, p. 215-254.

ARRUTI, José Maurício Andion Paiva. 2006. Etnogêneses indígenas. In: BETO; FANY. Povos Indígenas no Brasil: 2001-2005. São Paulo: Instituto Socioambiental.

ARRUTI, José Maurício Andion Paiva. 2006. Mocambo: Antropologia e História no processo de formação quilombola. São Paulo: EDUSC.

BENJAMIN, W. 1985. As Teses sobre o Conceito de História. In: Obras Escolhidas, Vol. 1, p. 222-232. São Paulo, Brasiliense.

BUTLER, Judith. 2003. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução Renato Aguiar. Rio de janeiro: Civilização Brasileira.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. Aculturação e “fricção interétnica”. América Latina, v. 6, n. 3, p. 33-46, 1963.

CORRÊA, Carlos Humberto P. 1996. História Oral: considerações sobre suas raízes e objetivos. In. (Re)introduzindo história oral no Brasil. São Paulo: Xamã.

CUNHA, Manuela Carneiro da. 2014. Etnicidade: da cultura residual mas irredutível. In: Cultura com aspas e outros ensaios. São Paulo: Cosaic & Naif, (p. 235 – 244).

FANON, Frantz. (1952) 2008. Pele Negra, Máscaras Brancas. Salvador: EDUFBA.

FILHO, Aurelino José Ferreira; PEDROSO, Leonardo Batista. 2010. Famílias Indígenas Não Aldeadas Urbanas no Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba. Em extensão, Uberlândia, v.9, n.2, p. 36-41, jul./dez.

FREITAS, Sônia Maria. 2002. História Oral: Procedimentos e possibilidades. São Paulo: Humanitas USP.

GALVÃO, Eduardo. (1957) 1979. Estudos sobre aculturação dos povos indígenas no Brasil. Revista de Antropologia. v.5, n. 1. (8p) (on-line).

GODOI, Emilia Pietrafesa. 1999. O trabalho da memória: cotidiano e trabalho no sertão do Piauí. Campinas: Unicamp.

INGOLD, Tim. 2012. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizonte antropológico, vol.18, n.37, pp.25-44.

LUTZ, Catherine. 1995. The gender of theory. Women Writing Culture. Ed. Ruth Behar and Deborah Gordon. Berkeley: University of California Press, 249-66.

MONTEIRO, John. 2001. Tupis, Tapuias e os Historiadores: estudos de história indígena e do indigenismo. Tese de Livre Docência. IFCH – Unicamp.

OLIVEIRA FILHO, Joao Pacheco. 1998. Uma Etnologia dos ‘Índios Misturados’? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais, Mana, vol.4, n.1, pp. 47-77.

QUIJANO, Aníbal. 2005. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires, Colección Sur Sur, pp.118-142.

RIBEIRO, Darcy. 1970. Os Índios e a Civilização. São Paulo: Círculo do Livro, s.d., 1ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

SEGATO, Rita Laura. 2012. Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial. Epistemologias feministas: ao encontro da crítica radical.

SENA, Custódia Selma. 2011 Uma narrativa mítica do sertão. In: Sena, C. S.; Suárez, M. Sentidos do Sertão. Goiânia: Cânone Editorial.

SILVA, Vagner Gonçalves et. al. 1994. Antropologia e Seus Espelhos – A etnografia vista pelos observados. São Paulo: USP.

SPIVAK, Gaiatry. 2010. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora da UFMG.

STRATHERN, Marilyn. 2014. Fora de Contexto: as ficções persuasivas da Antropologia. In: O efeito etnográfico e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify.




DOI: https://doi.org/10.30612/nty.v6i9.9527

________________________________________________________________________

ISSN 2317-8590 (O código ISSN é único para todas as edições)
Todos os direitos reservados ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia - PPGAnt/UFGD
UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados
FCH - Faculdade de Ciências Humanas
Rodovia Dourados-Itahum, Km 12 - Caixa Postal 533 - Cidade Universitária
Dourados-MS (Brasil) - CEP 79804-970

  

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.