Gênero, etnia e acesso ao ensino superior: redimensionado a noção de projeto

Célia Maria Foster Silvestre, Ana Janet Villafán Viera

Resumo


No Brasil, as políticas públicas para o acesso ao ensino superior, especialmente o sistema de cotas, tem incluído um percentual cada vez maior de jovens das classes subalternas e coletivos étnicos diferenciados. Neste sentido, analisamos em uma perspectiva étnica e de gênero, quais são os desafios que devem ser superados para que as e os jovens tenham garantido o acesso ao ensino superior, quais os valores presentes em suas escolhas e quais as estratégias colocadas em ação para poder entrar na universidade, para se manter nela e para concluir os cursos. A pesquisa foi realizada na Universidade Estadual de Mato grosso do Sul – UEMS, Brasil, com jovens Kaiowa e Guarani. A análise se vale da noção de projeto e do conceito nativo de “ko’erõ” – que significa “se amanhecer”, para dimensionar o campo de possibilidades que a universidade representa e oferece a estes coletivos étnicos (FUNDECT/UEMS/PIBIC).

Texto completo:

PDF


ISSN Eletrônico: 2358-9205

 

Indexadores:

                 

 

 

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.