Algumas considerações sobre a esquemática de poder em Nye e o pensamento de Antonio Gramsci

Friedrich Maier

Resumo


O poder brando (soft power) e o poder duro (hard power) possuem ampla ressonância dentro do campo de estudo das Relações Internacionais, figurando enquanto conceitos cristalizados na mídia, declarações oficiais e análises de política exterior. O seguinte trabalho se propõe a analisar esses conceitos apontando relação com a categoria de hegemonia de Antonio Gramsci e, a partir de tal relação, infere algumas críticas metodológicas. A tentativa de Nye, de separar o centauro maquiavélico recuperado por Gramsci, revela falhas dentro da esquemática de poder desse importante autor da corrente liberal das Relações Internacionais.

Palavras-chave


Poder brando. Poder duro. Hegemonia.

Texto completo:

PDF

Referências


BIANCHI, Alvaro. O laboratório de Gramsci: filosofia, história, política. São Paulo: Alameda, 2008.

CALLEGARI, André Rossi. Brasil e "Soft power" :capacidades e evolução do poder brando brasileiro de FHC à Lula. 2011. 43 f. Monografia (Graduação Relações Internacionais). Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, UNESP, Franca.

DIAS, Edmundo Fernandes et al. O Outro Gramsci. São Paulo: Editora Xamã, 1996.

EUSTÁQUIO, Victor. Notas sobre a problemática do poder: O paradigma gramsciano como fonte da teoria do soft power. [201-?]. Disponível em: . Acesso em: 15 de abr de 2016.

FERREIRA, Marcos A. F. S. Definições conceituais para o entendimento de Política Externa: o poder duro e o poder brando, por Marcos Alan Ferreira. Mundorama - Revista de Divulgação Científica em Relações Internacionais. Disponível em: . Acesso em 18 de mai de 2016

GILL, Bates; HUANG, Yanzhong. Sources and limits of Chinese ‘soft power’. Survival, v. 48, n. 2, pp. 17-36.

GOUVEIA, Grazielle Roberta Desiderio. A indústria cervejeira como instrumento de soft power. 2015. 39 f. Monografia (Graduação Relações Internacionais). Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, UNESP, Franca.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere, volume 3. Trad: Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

______. Quaderni del carcere, Torino: Einaudi, 1975.

HAYNES, Jefrey. Religious Transnational Actors and Soft Power. Nova Iorque: Routledge, 2016.

KEOHANE, Robert O & Joseph S. Nye Jr. Power and Interdependence in the information age. Foreign Affairs, v. 77, n. 5, pp. 81-94, 1998.

KEOHANE, Robert O.; NYE, Joseph S. Jr. Power and interdependence. 4a. ed. Nova Iorque: Longman, 2012.

KURLANTZICK, Joshua. Charm Offensive: How China's Soft Power is Transforming the World. Yale: Yale University Press, 2007.

LI, Lin & HONG, Xiaonan. The Application and Revelation of Joseph Nye’s Soft Power Theory. Studies in Sociology of Science, vol 3, nº 2, 2012, pp. 48-52.

LIGUORI, Guido. Roteiros para Gramsci. Trad: Luiz Sérgio Henriques. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2007.

LO PRETE, Mariana Navas. Disney e soft power: uma análise da atuação da empresa no sistema internacional através da cultura de massa. 2016. 63 f. Monografia (Graduação Relações Internacionais). Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília, UNESP, Marília.

MANZENREITER, Wolfram. The Beijing Games in the Western Imagination of China: The Weak Power of Soft Power. Journal of Sport and Social Issues, v. 34, n. 1, pp. 29-48.

MARTEL, Frédéric. Mainstream: a guerra global das mídias e das culturas. Editora José Olympio, 2013.

MARTINS, Rafael Vieira. O jazz como instrumento de soft power norte-americano no Brasil no segundo terço do século XX. 2016. 49 f. Monografia (Graduação Relações Internacionais). Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, UNESP, Franca.

MELISSEN, Jan (org.). The New Public Diplomacy: Soft Power in International Relations. Houdmills (UK): Palgrave Mcmillan, 2005.

MERCER, Collin. Antonio Gramsci and 'soft power': e-laborare or the work and government of culture. 2013. Disponível em: . Acesso em 22 de abr de 2016.

MIRANDA, Marina Pimentel. O K-Pop como mecanismo de soft power sul-coreano no Ocidente. 2016. 37 f. Monografia (Graduação Relações Internacionais). Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, UNESP, Franca.

MORGENTHAU. Hans. A Política entre as Nações. São Paulo: Editora UnB, 2003.

MORTON, Adam David. Revolution and state in modern Mexico: the political economy of uneven development. Plymouth: Rowman & Littlefield Publishers, 2011.

______. Unravelling Gramsci: Hegemony and Passive Revolution in the Global Political Economy. Londres: Pluto Press, 2007.

NYE Jr, Joseph S Jr. Bound to Lead: the Changing Nature of American Power. New York: Basic Books, 1990.

______. Cyber Power. Cambridge: Harvard Kennedy School, 2010.

______. Is the American Century Over? Malden: Polity, 2015.

______. O futuro do poder. São Paulo: Benvirá, 2012.

______. Softpower: the means to success in World Politics. New York: PublicAffairs, 2004.

______. The future of power. New York: Public Affairs, 2011.

______. The Paradox of American Power: why the world’s only superpower can’t go it alone. New York: Oxford University Press, 2002.

______. Think Again: Soft Power. Foreign Policy, 2006. Disponível em: . Acesso em: 30 mar 2015.

PASSOS, Rodrigo Duarte Fernandes dos. Cox e a teoria crítica das relações internacionais: ecletismo ou coerência? Relatório Final de Pesquisa apresentado ao CNPq, mimeo, 2015.

______. Marxismo, Estado e Relações Internacionais: Gramsci e Frankfurtianos marxistas versus sua apropriação hegemônica liberal por Robert W. Cox. In: Jornada Internacional de Estudos e Pesquisas em Antonio Gramsci, 1, 2016, Fortaleza/CE. Anais... Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2016. [ISSN: 2526-6950]

THOMAS, Peter D. Hegemony, passive revolution and the modern Prince. Thesis Eleven, v. 117, n. 1, pp. 20-39, 2013.

THUSSU, Daya Kishan. Communicating India’s Soft Power: Buddha to Bollywood. Nova Iorque: Palgrave Macmillan, 2013.

ZAHRAN, Geraldo & RAMOS, Leonardo. Da hegemonia ao Poder Brando: implicações de uma mudança conceitual. Trabalho apresentado no 30º Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, Caxambu, 2006.

ZAHRAN, Geraldo & RAMOS, Leonardo. From hegemony to soft power: implication of a conceptual change In: PARMAR, Inderjeet & COX, Michael (Eds.) Soft Power and US Foreign Policy: theoretical, historical and contemporary perspectives. Abingdon: Routledge, 2010, p. 12-31.




DOI: https://doi.org/10.30612/rmufgd.v7i13.8731

Monções: Revista de Relações Internacionais da UFGD - ISSN 2316-8323 - Dourados - MS, Brasil.

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.