Atores internacionais e poder cibernético: o papel das transnacionais de tecnologia na era digital

Marcelo Passini Mariano, Jaqueline Trevisan Pigatto, Rafael Augusto Ribeiro de Almeida

Resumo


Este artigo analisa as relações de poder em um mundo onde as novas tecnologias digitais modificam as capacidades dos atores internacionais, tendo consequências diretas sobre os Estados nacionais e as instituições internacionais. As Relações Internacionais são abordadas a partir da discussão sobre a expansão do ciberespaço, procurando compreender como as sociedades reagem às mudanças no padrão de interação social e como os recursos de poder cibernético são utilizados pelas transnacionais das tecnologias de informação e comunicação. Destaca-se o papel crescente dos algoritmos na vida social e também como instrumento de poder, a fim de refletir sobre as transformações nos processos de socialização internacional e a crescente dificuldade para estabelecer consensos e convergir expectativas dos diferentes atores em torno de objetivos coletivos. Por fim, a maior pluralidade de atores com capacidades de influência no Sistema Internacional e a disputa para ter acesso, concentrar e manter recursos de poder cibernéticos são apresentados como um dos principais motivos das mudanças que vêm ocorrendo no cenário atual.

Palavras-chave


Ciberespaço. Instituições. Poder.

Texto completo:

PDF

Referências


ÁVILA Rafael. Oliveira de.; PINHEIRO Marta Kerr. Poder Informacional nas Relações Internacionais Contemporâneas. Monções: Revista de Relações Internacionais da UFGD, Dourados, v.3. n.5, jan./jun., 2014.

BALDWIN, David. Power and International Relations: A Conceptual Approach. Princeton/Oxford: Princeton University Press, 2016.

BARNETT Michael; DUVALL, Raymont. Power in Global Governance. New York: Cambridge University Press, 2005.

BERENSKOETTER Felix.; WILLIAMS, Michael. Power in World Politics. New York: Routledge, 2007.

BENEDIKT, Michael. Cyberspace: Some Proposals, IN: BENEDIKT, Michael (org.) Cyberspace: First Steps. Cambridge MA: The MIT Press. 1994.

BENKLER, Yochai. Open-source economics. TED Talks, 2008. Disponível em: . Acesso em 30 nov 2017.

BENKLER, Yochai. The Wealth of Networks: How Social Production Transforms Markets and Freedom. Yale University Press, New Haven and London, 2006.

CANABARRO, Diego Rafael. Governança global da Internet: tecnologia, poder e desenvolvimento. Tese de Doutorado em Ciência Política, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2014.

CASTELLS, Manuel. A Network Theory of Power. International Journal of Communication, 2011. Disponível em: . Acesso em 5 mar 2018.

CAVELTY, Myriam. Europe's cyber-power. European Politics and Society, 2018. Disponível em: . Acesso em 5 mar 2018.

CHOUCRI, Nazli. Cyberpolitics in International Relations. MIT Press, 2012.

CHOUCRI, Nazli. Co-Evolution of Cyberspace and International Relations: New Challenges for the Social Sciences. Massachusetts Institute of Technology Political Science Department, Research Paper No. 2014-29. 2014. Disponível em: . Acesso em 26 fev 2018.

DODGE, Martin.; KITCHIN, Rob. Mapping Cyberspace. Taylor & Francis e-Library. 2001.

DOURISH Paul. Algorithms and their others: Algorithmic culture in context. Big Data & Society, 2016. Disponível em: . Acesso em 28 fev 2018.

FINNEMORE, Martha; GOLDSTEIN, Judith. Back to Basics: State Power in a Contemporary World. New York: Oxford University Press, 2013.

GUZZINI, Stefano. Power, realism and constructivism. New York/London: Routledge, 2013.

INTRONA, Lucas. Algorithms, Governance and Governmentality: On governing academic writing. Science, Technology, & Human Values, Vol 41, Issue 1, pp. 17 - 49. 2015. Disponível em: . Acesso em 28 fev 2018.

KRASNER, Stephen. Causas Estruturais e Consequências dos Regimes Internacionais: regimes como variáveis intervenientes. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 20, n. 42, p. 93-110, jun. 2012. p. 94.

KUEHL, Daniel. From Cyberspace to Cyberpower: Defining the Problem. In: KRAMER Franklin; STARR, Stuart; WENTZ, Larry (Org.). Cyberpower and National Security. Potomac Books, University of Nebraska Press. 2009. Disponível em: . Acesso em 7 mar 2018.

KURBALIJA, Jovan. An Introduction to Internet Governance. DiploFoundation, 2014. 6a ed.

LEMOS, Ronaldo. Democracia está sob a mira de ciberataques. Folha de São Paulo, 8 maio 2017.

LOPES, Gills. Relações Internacionais Cibernéticas (CiberRI): Uma Defesa Acadêmica a Partir dos Estudos de Segurança Internacional. Tese de Doutorado em Ciência Política, Universidade Federal de Pernambuco, 2016.

NYE, Joseph. The future of power. New York: PublicAffairs, 2011 (versão não paginada, obra em formato .mobi ).

NYE, Joseph. How Sharp Power Threatens Soft Power. Foreign Affairs, 24 jan 2018. Disponível em:. Acesso em 27 fev 2018.

NYE, Joseph. Power in the Global Information Age: From Realism to Globalization. Taylor & Francis e-Library, 2004.

PORTELA, Lucas. Agenda de Pesquisa sobre o Espaço Cibernético nas Relações Internacionais. Revista Brasileira de Estudos de Defesa. v. 3, nº 1, jan./jun. 2016, p. 91-113. Disponível em: . Acesso em 26 fev 2018.

SEAVER, Nick. Algorithms as culture: Some tactics for the ethnography of algorithmic systems. Big Data and Society, 2017. Disponível em: . Acesso em 28 fev 2018.

STRIPHAS Ted. What is an Algorithm? Culture Digitally. 2012. Disponível em: . Acesso em 28 fev 2018.

VENTRE, Daniel. Ciberguerra. In: XIX Curso Internacional de Defensa Jaca - Seguridad global y potencias emergentes en un mundo multipolar. 2011. Disponível em: . Acesso em 26 fev 2018.




DOI: https://doi.org/10.30612/rmufgd.v7i13.8723

Monções: Revista de Relações Internacionais da UFGD - ISSN 2316-8323 - Dourados - MS, Brasil.

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.