Feminismo decolonial e Teoria Queer: limites e possibilidades de diálogo nas Relações Internacionais

Júlia Machado Dias, Élton de Mello Arcângelo

Resumo


As Relações Internacionais (RIs) se organizam enquanto disciplina pautada na dominância de concepções modernas de ciência, as quais acabam por limitar sua capacidade interpretativa. Este artigo tem o objetivo de estabelecer um diálogo entre o Feminismo Decolonial e a Teoria Queer no esforço coletivo de questionar os limites e possibilidades interpretativos das Relações Internacionais e dos feminismos. Defende-se que as teorias analisadas ampliam o entendimento das RIs, incorporando novas possibilidades epistemológicas, ontológicas e metodológicas que possibilitam a inserção dos temas das mulheres na área. Para isso, abordaremos na primeira seção como as RIs disciplinadoras se constroem e a forma que elas deslegitimam os conhecimentos que não partem das concepções da ciência moderna. Posteriormente, o Feminismo Decolonial será tratado com vistas a evidenciar o sistema moderno/colonial de gênero na construção da opressão de gênero na América Latina bem como no conhecimento moderno. Por fim, a última seção apresenta a Teoria Queer como uma opção de diálogo para com o Feminismo Decolonial, com o intuito de ampliar o debate feminista nas RIs em direção às questões de diversidade sexual, assim como de tensionar as estruturas hegemônicas da produção científica do campo.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.30612/rmufgd.v6i11.6913

Monções: Revista de Relações Internacionais da UFGD - ISSN 2316-8323 - Dourados - MS, Brasil.

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.