As relações China-América Latina pelo prisma da cooperação Sul-Sul para o desenvolvimento

Gustavo Erler Pedrozo

Resumo


Parte-se do pressuposto que a necessidade chinesa por commodities, mercados consumidores e novos destinos para investimento choca-se, por vezes, com o discurso da diplomacia chinesa da busca por benefícios mútuos nas Relações Internacionais. Contra a acusação de que estariam criando novos laços de dependência os chineses resgatam o discurso histórico da solidariedade entre os países do Terceiro Mundo, do qual a Cooperação Sul-Sul (CSS) é elemento fundamental. Este trabalho, portanto, busca identificar as características da CSS entre China e os países latino-americanos. Para tanto, buscou-se definir o conceito de CSS, suas limitações para o caso chinês e as características da CSS chinesa na relação com América Latina. Apontam-se, assim, alguns resultados: 1) a definição de CSS chinesa é mais ampla que a tradicional, embora a conceptualização ainda não esteja clara; 2) a ajuda chinesa está concentrada no Ministério de Finanças e Comércio, via bancos públicos; 3) por estes motivos não existe clara distinção entre IED e ajuda; 4) existem padrões distintos de CSS entre China e as diferentes regiões do mundo; 5) o padrão da CSS China-América Latina é bilateral pois, apesar da institucionalização do Fórum China-CELAC, não é possível afirmar que exista uma resposta em conjunto para os anseios chineses na região; 6) a CSS chinesa na região latino-americana concentra-se em projetos voltados para infraestrutura e energia, na esteira de outros projetos classificados como IED.

Palavras-chave


China. América Latina. Cooperação Sul-Sul.

Texto completo:

PDF


Monções: Revista de Relações Internacionais da UFGD - ISSN 2316-8323 - Dourados - MS, Brasil.

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.