Os percalços ao diálogo estratégico: as relações entre o Brasil e os Estados Unidos desde 2003

André Luiz Reis da Silva, Alexandre Piffero Spohr

Resumo


Esta pesquisa tem como objetivo analisar as relações do Brasil com os Estados Unidos durante os governos de Luis Inácio Lula da Silva (2003-2010) e Dilma Rousseff (2011-2015), em especial as possibilidades de cooperação e conflito no contexto regional e global. Discute a ideia de parceria estratégica e sua variação para as relações entre os dois países – “diálogo estratégico”. O governo Lula realizou uma inflexão, amparada nas mudanças paradigmáticas ocorridas na política externa brasileira na ultima década. Os Estados Unidos passaram, diante da ascensão do Brasil, a considerar o País como um importante interlocutor na política externa para a América do Sul, realizando uma “acomodação estratégica”, embora matizada. Já no âmbito global, fortificou-se o “diálogo estratégico” entre as duas nações. No entanto, essas relações não afastam a perspectiva de dificuldades nas relações entre os dois países, mesmo após as mudanças de governo de ambos em 2009 (Obama) e 2011 (Dilma) em amplas agendas que passam por temas variados, como os conflitos no Oriente Médio, a integração regional, os contenciosos na OMC, temas de segurança e o recente escândalo de espionagem.

Palavras-chave


Política Externa Brasileira. Estados Unidos. Relações Brasil-Estados Unidos.

Texto completo:

PDF


Monções: Revista de Relações Internacionais da UFGD - ISSN 2316-8323 - Dourados - MS, Brasil.

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.