Reaproximação, revolução e desenvolvimento: um balanço das relações Brasil-Cuba

Marcos Antonio da Silva, Guillermo Alfredo Johnson, Anatólio Medeiros Arce

Resumo


Este trabalho procura realizar um balanço das relações entre Brasil e Cuba no século passado e compreender a dinâmica das relações Brasil-Cuba no século XXI, considerando as percepções e ações de ambos os países. Para tanto, discute a dinâmica de aproximação e distanciamento no século XX, analisando as causas de sua baixa intensidade. Em seguida, procura assinalar que está em curso em processo de reaproximação, minado em outros momentos pelo contexto internacional e doméstico, que revela certa convergência de interesses e impulsionado pelo incremento das relações comerciais e parcerias técnicas em diversas áreas. Desta forma, pode-se considerar que, para a liderança política brasileira, as relações com Cuba fazem parte do processo de inserção na América Latina e a tentativa do exercício de uma liderança regional, como forma de impulsionar seu papel de potência emergente. No caso cubano, desde a queda do bloco soviético tal relação inscreve-se na necessidade de reconfiguração de suas Relações Internacionais (em múltiplas dimensões) e no desenvolvimento de novas parcerias.

Palavras-chave


Política Externa. Revolução. Desenvolvimento. Parceria.

Texto completo:

Sem título () PDF


Monções: Revista de Relações Internacionais da UFGD - ISSN 2316-8323 - Dourados - MS, Brasil.

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.