Uma reconstrução do construtivismo nas Relações Internacionais

Stefano Guzzini, João Nackle Urt

Resumo


Como forma de evitar tanto abordagens teoricamente ecléticas, quanto abordagens teoricamente redundantes, este artigo propõe uma reconstrução possível e coerente do construtivismo, entendido como uma metateoria reflexiva. Esta reconstrução começa levando a sério a dupla virada sociológica e interpretivista nas ciências sociais. Baseado na “dupla hermenêutica”, o construtivismo pode ser mais bem compreendido distinguindo-se sua postura quanto ao nível da observação, quanto ao nível da ação propriamente dita e quanto à relação entre esses dois níveis. Com base nessa distinção, o artigo argumenta que o construtivismo trata, do ponto de vista epistemológico, sobre a construção social do conhecimento e, do ponto de vista ontológico, sobre a construção da realidade social. Além disso, o construtivismo demanda a combinação de uma teoria social do conhecimento com uma teoria intersubjetivista da ação, em detrimento de uma teoria individualista da ação. Finalmente, a análise do poder é central para compreender a ligação reflexiva que se estabelece entre os níveis da observação e da ação. Este argumento está inserido numa contextualização na qual o construtivismo é inspirado pela “modernidade reflexiva” e, mais diretamente, pelo fim da Guerra Fria.

Palavras-chave


construtivismo. Teoria das Relações Internacionais. metateoria. dupla hermenêutica. intersubjetividade. poder. reflexividade.

Texto completo:

PDF


Monções: Revista de Relações Internacionais da UFGD - ISSN 2316-8323 - Dourados - MS, Brasil.

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.