Faces da mesma moeda: imperialismo e racismo na consolidação da hegemonia dos Estados Unidos

Filipe Almeida do Prado Mendonça, Pedro Henrique de Moraes Cicero, Marisa Silva Amaral

Resumo


O artigo apresenta o diálogo necessário entre as principais teorias do imperialismo e o engajamento dos Estados Unidos na ordem internacional contemporânea, enfatizando a instrumentalização de práticas de política externa flagrantemente racistas como modus operandi para a concretização do imperialismo estadunidense ainda no século XIX. Parte-se do pressuposto de que as teorias de relações internacionais, bem como a compreensão do papel desempenhado pelos Estados Unidos no sistema internacional contemporâneo, têm muito a absorver de conceitos caros às teorias do imperialismo (clássicas e contemporâneas), destacando para isto o debate sobre: a resistência ao ahistoricismo; o papel das redes e classes transnacionais nos realinhamentos de poder contemporâneo; o diálogo profundo entre a economia internacional e a política internacional; e a preponderância do Estado e seu papel ativo na condução das relações internacionais contemporâneas.

Recebido em: outubro/2019.

Aprovado em: março/2020.


Palavras-chave


Relações internacionais. Estados Unidos. Imperialismo. Racismo.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBO, Gregory. “A velha e a nova economia do capitalismo”. In: PANITCH, Leo; LEYS, Colin (ed.). Socialist Register 2004: o novo desafio imperial. Buenos Aires: CLACSO, 2006.

AMARAL, Marisa Silva. Teorias do imperialismo e da dependência: a atualização necessária ante a financeirização do capitalismo. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Economia, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo. São Paulo: USP, 2012

BECKERT, Sven e ROCKMAN. Seth. Slavery's Capitalism: A New History of American Economic Development. University of Pennsylvania: University of Pennsylvania Press, 2017.

BLATT, Jessica. Race and the Making of American Political Science. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 2018.

BUKHARIN, Nikolai. A economia mundial e o imperialismo: esboço econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1988.

CARMO, C. Alves. Poder, Estado e Hegemonia: as interfaces entre a teoria das relações internacionais e a economia política internacional. Revista OIKOS. Volume 12, n. 1, 2013.

CARR, E. H. VINTE ANOS DE CRISE 1919 - 1939: Uma introdução ao estudo das relações internacionais. Brasília: FUNAG, 2001.

CARVALHO, B. DE; LEIRA, H.; HOBSON, J. M. The big bangs of IR: The myths that your teachers still tell you about 1648 and 1919. Millennium: Journal of International Studies, v. 39, n. 3, p. 735–758, 2011.

CASTRO-GÓMEZ, Santiago. Pensar a América Latina para além do latino-americanismo. [Entrevista concedida a] Ricardo Machado e Andriolli Costa. IHU On-line, São Leopoldo, n. 459, pp. 29-31, 17 nov. 2014.

CORRÊA, Hugo Figueira de Souza. Teorias do Imperialismo no Século XXI: (in) adequações do debate no marxismo. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Economia, Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal Fluminense. Niterói: UFF, 2012.

CRUZ, Sebastião Velasco e MENDONÇA, Filipe. O Campo das Relações Internacionais no Brasil. Situação, Desafios, Possibilidades. IN MARTINS, Carlos Benedito e LESSA, Renato (org.) Horizontes das ciências sociais no Brasil: ciência política. São Paulo, ANPOCS, 2010

DINIZ, Eugenio. Relacionamentos multilaterais na unipolaridade: uma discussão teórica realista. In: Contexto int. [online]. 2006, vol.28, no 2, pp. 505-565. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-85292006000200005.

DUNNE, T.; KURKI, M.; SMITH, S. International Relations Theories: Discipline and Diversity. [s.l.] Oxford University Press, 2007.

ELMAN, C., & ELMAN, M. F. (2008). The Role of History in International Relations. Millennium, 37(2), 357–364. https://doi.org/10.1177/0305829808097644

GALLAGHER, John e ROBINSON, Ronald. The Imperialism of Free Trade. In: The Economic History Review, Second series, Vol. VI, no 1, 1953.

GALTUNG, Johan. Pax Pacifica: Terrorism, the Pacific Hemisphere, Globalization and Peace Studies. London: Pluto Press, 2005.

GARCIA, Ana Saggioro. Hegemonia e imperialismo: caracterizações da ordem mundial capitalista após a Segunda Guerra Mundial. Contexto int. [online]. 2010, vol.32, n.1 [cited 2015-03-08], pp. 155-177. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-85292010000100005.

GILL, S. Power and Resistance in the New World Order. [s.l.] Palgrave Macmillan, 2003.

GILL, Stephen. Gramsci, historical materialism and international relations. Cambridge University Press. 1993

GUZZINI, S. Realism in International Relations and International Political Economy: The Continuing Story of a Death Foretold. [s.l.] Routledge, 1998.

GUZZINI, S.; LEANDER, A. Constructivism and International Relations: Alexander Wendt and His Critics. [s.l.] Taylor & Francis, 2005.

HARDT, Michael e NEGRI, Antonio. Império. Rio de Janeiro: Record, 2002.

HILFERDING, Rudolf. O capital financeiro. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

HILFRICH, Fabian. Debating American Exceptionalism. New York: Palgrave Macmillan, 2012.

HOBSBAWM, Eric J. A era dos impérios: 1875-1914. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2010.

HOBSON, John Atkinson. Imperialism: a study. Nova Iorque: Cosimo, 2005. Disponível em: http://books.google.com.br/books?id=qULaZH2FEAgC.

HOFFMANN, Stanley. An American Social Science: International Relations. Daedalus, v. 106, n. 3, p. 41–60, 1977.

JACKSON, R. et al. Introdução às relações internacionais -- 3a edição revista e ampliada: Teorias e abordagens. [s.l.] Zahar, 2018.

KANT, Immanuel. Das diferentes raças humanas. Tradução: Alexandre Hahn. Kant e-prints. Série 2, v. 5, n. 5, número especial, jul.-dez., 2010

KAUTSKY, Karl. O imperialismo. In: TEIXEIRA, Aloísio (Org.). Utópicos, heréticos e malditos: os precursores do pensamento social de nossa época. Rio de Janeiro: Record, 2009.

KIDD, Ian James, MEDINA, José e POHLHAUS Jr., Gaile. The routledge handbook of epistemic injustice. Milton Park: Taylor and Francis, 2017.

KREEN, Michael L. Race and U.S. foreign policy from 1900 through World War II. New York: Garland Publishing, 1998.

LAKE, D. A. Theory is dead, long live theory: The end of the Great Debates and the rise of eclecticism in International Relations. European Journal of International Relations, v. 19, n. 3, p. 567–587, 2013.

LEITE, Leonardo de Magalhães. O capital no mundo e o mundo do capital: uma reinterpretação o imperialismo a partir da Teoria do Valor de Marx. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Economia, Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal Fluminense. Niterói: UFF, 2017

LENIN, Vladimir. I. Imperialismo, Fase Superior do Capitalismo. São Paulo: Centauro, 2009. Disponível em: http://www.marxists.org/portugues/lenin/1916/imperialismo/index.htm.

LUXEMBURGO, Rosa. A acumulação de capital. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

MORTON, Adam. Unravelling Gramsci: hegemony and passive revolution in the global political economy. Pluto Pr, 2007.

OSORIO, Luiz Felipe Brandão. Imperialismo, Estado e Relações Internacionais. 1. ed. São Paulo: Ideias e Letras, 2018.

PANITCH, Leo e GINDIN, Sam. Capitalismo global e império norte-americano. In: PANITCH, Leo; LEYS, Colin (ed.). Socialist Register 2004: o novo desafio imperial. Buenos Aires: CLACSO, 2006.

QUIJANO, Aníbal. A Colonialidade do Poder: Eurocentrismo e América Latina. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade, poder, globalização e democracia. Novos Rumos. Ano 17. Nº 37, 2002 (p. 04-29).

RAMOS, Leonardo. Hegemonia, revolução passiva e globalização: o sistema G7/8. PUC Minas. 384pp, 2013

SARAIVA, José Flávio Sombra. Relações internacionais: entre a preponderância europeia e a emergência americano-soviética (1815-1947). Volume 1. Coleção Relações Internacionais. Brasília: IBRI, 2001.

SHEPHERD, George W. e LeMELLE, Tilden J. Race Among Nations: A Conceptual Approach. Lexington, Mass.: Heath Lexington, 1970.

SMITH, Steve. Introduction: Diversity and Disciplinarity in International Relations Theory. IN DUNNE, T.; KURKI, M.; SMITH, S. International Relations Theories: Discipline and Diversity. [s.l.] Oxford University Press, 2007.

VITALIS, Robert. White World Order, Black Power Politics: the Birth of American International Relations. Nova Iorque: Cornell University Press, 2015.

WEAVER, Ole, “The Sociology of a Not So International Discipline: american and European Developments in International Relations”, International Organization, 52, 4, 1998, pp. 687-727.

WESTON, Rubin Francis. Racism in U.S. Imperialism: The Influence of Racial Assumptions on American Foreign Policy, 1893-1946. The Journal of Negro History, Vol. 58, No. 2, 1973.

WOHLFORTH, William. The Stability of a Unipolar World. In: International Security, vol. 24, nº 1, pp. 5-41, 1999.

ZAHRAN, G. LIBERAL INTERNATIONAL RELATIONS: INTERPRETATIONS OF US FOREIGN POLICY DURING THE REMAKING OF THE INTERNATIONAL ORDER. [s.l.] University of Cambridge, 2016.




DOI: https://doi.org/10.30612/rmufgd.v8i15.11542

Monções: Revista de Relações Internacionais da UFGD - ISSN 2316-8323 - Dourados - MS, Brasil.

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.