O palácio é a casa: distinção e burocracia

Karla Gobo

Resumo


Longe de ser um aspecto arbitrário, ou produto da incorporação de elementos, técnicas, tendências e escolas incorporadas por profissionais de arquitetura, paisagismo e decoração, a edificação de casas, prédios ou instituições públicas buscam também evidenciar o habitus de seus agentes. Tendo em vista esta premissa, o objetivo deste trabalho é apresentar a relação entre o habitus diplomático e as sedes do Ministério das Relações Exteriores. Para tanto buscou-se compreender primeiro o que é e como se organiza essas disposições e como elas estão expressas nas duas edificações da diplomacia brasileira.

Recebido em: agosto/2018.

Aprovado em: fevereiro/2019.



Palavras-chave


Arquitetura. Palácio do Itamaraty. Burocracia.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Frederico Normanha Ribeiro de. (2010), A nobreza togada: as elites jurídicas e a política da justiça no Brasil. Tese do doutorado. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - USP. São Paulo, 329 p.

ALONSO, Angela. (2007), Perfis brasileiros: Joaquim Nabuco. São Paulo: Companhia das Letras. 354 p.

AMADO, André. (2013), Por dentro do Itamaraty: impressões de um diplomata. Brasília: Funag. 184 p.

AMARAL, Luis Gurgel. (1947), O meu velho Itamarati: (de amanuense a secretario de legação) 1905-1913. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional. 364 p.

AZAMBUJA, Marcos. (2011), Casa bem-assombrada: O Itamaraty antes da sua ida para Goiás. In: Revista Piauí. Edição 54.

BALBINO, Viviane Rios. (2011), Diplomata, substantivo comum de dois gêneros: um retrato da presença feminina no Itamaraty no início do século XXI. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão. 212 p.

BARBOZA, Mário Gibson. (2002), Na diplomacia o traço todo da vida. Rio de Janeiro: Francisco Alves Editora. 528 p.

BARROSO, Gustavo. (1968), História do Palácio Itamaraty. Museu Histórico Diplomático do Itamaraty: Rio de Janeiro.

BOPP, Raul. (1968), Memórias de um Embaixador. Rio de Janeiro: Gráfica Record Editora.

BOURDIEU, Pierre. (1979), La distinction: critique sociale du jugement. Paris: Les Éditions de Minuit. 672 p.

______. (2005). Razões Práticas. Campinas: Papirus. 2005. p. 13 – 33. ______. (2009). O senso prático. Rio de Janeiro: Vozes

Brasil. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Secretaria de Orçamento Federal. Orçamentos da União exercício financeiro 2018: projeto de lei orçamentária. - Brasília, 2017. Disponível em: file:///C:/Users/User/Downloads/Volume%20I.pdf

CARVALHO, José Murilo. (2012), Os bestializados. São Paulo: Companhia das Letras. 196 p.

CHEIBUB, Zairo Borges. Diplomacia e Construção Institucional: O Itamaraty em Perspectiva Histórica. Dados, Rio de Janeiro, n 28, p. 113-131. 1985.

______. Diplomacia, Diplomatas e Política externa: Aspectos do processo de institucionalização do Itamaraty. Rio de Janeiro, Dissertação de Mestrado, Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro. 1984.

CORRÊA, Luiz Felipe de Seixas. (2012), O barão do Rio Branco no centenário de sua morte: memória, inspiração, legado. Cadernos do CHDD. Ano 11. Número especial.

CUNHA, Vasco Leitão. (1994), Diplomacia em Alto mar: depoimento ao CPDOC. Rio de Janeiro: Editora FGV.

ELIAS, Norbert. (2001), A sociedade de corte. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores. 2001.

FARIA, Carlos Aurélio Pimenta De. Opinião pública e política externa: insulamento, politização e reforma na produção da política exterior do Brasil. Revista Brasileira de Política Internacional, São Paulo, vol 51, n 2, 2008. p. 80-97.

FREYRE, Gilberto. (2010) Ordem e Progresso. Rio de Janeiro: Nova Aguilar Editores.

GOUVÊA, Fernando da Cruz. (1976), Oliveira Lima: Uma biografia. Recife: Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano.

GUERREIRO, Ramiro Saraiva. (1992), Lembranças de um empregado do Itamaraty. São Paulo: Siciliano.

______. (1985), Depoimento. Rio de Janeiro: CPDOC. 1985.

LAMPREIA, Luiz Felipe. (2010), O Brasil e os ventos do mundo. Rio de Janeiro: Objetiva.

LEQUESNE, Christian. (2017). Etnographie du Quai d’Orsay. Paris : CNRS Editions.

LIMA, Oliveira. (1937), Memórias: estas minhas reminiscências. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora.

LOUREIRO, Maria Rita; ABRUCIO, Fernando Luiz; PACHECO, Regina Silvia (orgs.). Burocracia e política no Brasil: desafios para a ordem democrática no século XXI. Rio de Janeiro: Editora FGV. 2010.

MENDES, Manuel. (1995), O Cerrado de Casaca. Brasília: Editora Thesaurus.

MOURA, Cristina Patriota. (2009), O Instituto Rio Branco e a Diplomacia Brasileira: um estudo de carreira e socialização. Rio de Janeiro: FGV.

MUNDORAMA. Filhos da democracia: A descolonização da diplomacia brasileira. 2015, Disponível em: http://www.mundorama.net/2015/02/24/filhos-da-democracia-os-diplomatas-brasileiros-na-nova-republica-1985-2010-por-rogerio-de-souza-farias-e-gessica-carmo/.

ORTIZ, Renato. (2006), A moderna tradição brasileira: Cultura Brasileira e Indústria Cultural. São Paulo: Brasiliense.

PALÁCIO ITARAMATY BRASÍLIA: Brasília, Rio de Janeiro. São Paulo: Banco Safra. 1993.

PEREIRA, João Francisco. (2008), Ramiro, empregado do Brasil. Revista Juca, ano 2.

ROSSETTI, Eduardo Pierrotti. (2009), Palácio do Itamaraty: questões de história, projeto e documentação (1959-70). Revista Arquitextos. Ano 09, mar.

SANTOS, Luís Cláudio Villafañe G. (2012), O Evangelho do Barão. São Paulo: UNESP.

SCARABÔTOLO, Hélio A. (1990), O Barão do Penedo: Diplomata do Império.

SCHUWARCZ, Lilia Moritz. As barbas do Imperador: D. Pedro II, um monarca nos trópicos. São Paulo: Companhia das Letras. 2012.

TOMASS, Lea Maria. Diferença e igualdade entre os Estados: Uma etnografia da precedência nas relações diplomáticas. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília. Brasília. 2001.

VASCONCELLOS, Mario de Barros e. (s/d) O Barão do Rio Branco. Biografia. Rio de Janeiro: Ministério das Relações Exteriores.

VIANA FILHO, Luís. (2008) A vida do Barão do Rio Branco. 8. Ed. – São Paulo: Editora UNESPE; Salvador, BA: EDUFBA.

VIEIRA, Marcos Vinicios de Araújo. (2011) José Guilherme Merquior: um diplomata de 900 anos. Revista Juca, ano 5.




DOI: https://doi.org/10.30612/rmufgd.v8i15.11541

Monções: Revista de Relações Internacionais da UFGD - ISSN 2316-8323 - Dourados - MS, Brasil.

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.