Exclusão do sujeito negro e a negação de raça na produção acadêmica em Relações Internacionais no Brasil

Ananda Vilela da Silva Oliveira

Resumo


Um sistema político forjado na lógica da branquitude e o racismo à brasileira impõem classificações de superioridade e inferioridade nas hierarquias sociais. Com isso, sujeitos negros, definidos a partir de discursos científicos racistas são supostamente irracionais e desprovidos de inteligência, enquanto sujeitos brancos colhem os privilégios adquiridos por meio da exploração indébita da mão de obra escravizada. Pensar a disciplina de Relações Internacionais no Brasil é entender que esse contexto de exploração, apropriação e extermínio da população negra no país permeiam os debates acerca do internacional neste campo do saber, mesmo que silenciados por mecanismos de exclusão de produção de conhecimento na ciência moderna. Sob esta égide, este artigo busca entender como a categoria raça, e o contexto racial no Brasil atravessam a construção do campo das RI no país. Na intenção de expandir os debates historiográficos acerca da institucionalização de cursos de pós-graduação em RI no Brasil, faz-se uso de uma abordagem decolonial em perspectiva afrodiaspórica. Para tal, empreende-se um levantamento bibliográfico sobre RI no país, tangenciando categorias como colonialidade, racismo e epistemicídio como ferramentas analíticas que possibilitam a leitura da colonialidade do conhecimento no ensino e pesquisa das RI.

Recebido em: outubro/2019.

Aprovado em: março/2020.


Palavras-chave


Exclusão do negro. Produção de conhecimento. Teoria das Relações Internacionais.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. A. B. D.; SANCHEZ, L. Os negros na legislação educacional e educação formal no Brasil. Revista Eletrônica de Educação, v. 10, n. 2, p. 234-246, 2016.

BALLESTRIN, L. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 11, p. 89-117, 2013.

BENTO, M. A. S. Branqueamento e branquitude no Brasil. In: BENTO, M. A. S.; CARONE, I. Psicologia social do racismo - estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 25-28.

BENTO, M. A. D. S. Notas sobre a expressão da branquitude nas instituições. In: BENTO, M. A. D. S.; SILVEIRA, M. D. J. S.; NOGUEIRA, S. G. Identidade, branquitude e negritude: Contribuições para psicologia social no Brasil: novos ensaios. relatos de experiência e de pesquisa. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2014. p. 13-34.

CAPES. Programa San Tiago Dantas de apoio ao ensino de relações internacionais. Capes, [2001] 2008. Disponível em: . Acesso em: 30 junho 2019.

CAPES. Plataforma Sucupira, 2018. Disponível em: . Acesso em: 30 junho 2019.

CASTRO-GÓMEZ, S. Ciências Sociais, violência epistêmica e o problema da "invenção do outro". In: LANDER, E. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p. 80-87.

DUSSEL, E. Meditaciones anti-cartesianas: sobre el origen del anti-discurso filosófico de la Modernidade. Tabula Rasa, n. 9, p. 153-197, 2008.

FANON, F. Os condenados da Terra. Civilização Brasileira: Rio de Janeiro, 1979.

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDFBA, 2008.

FERNANDES, F. A integração do negro na sociedade de classes: no limiar de uma nova era. São Paulo: Globo Livros, 2008.

FERREIRA, L. Menos de 3% entre docentes da pós-graduação, doutoras negras desafiam o racismo na academia. GêneroNúmero, 2018. Disponível em: . Acesso em: 31 outubro 2019.

FERREIRA, M. A. S. V. The Rise of International Relations Programs in the Brazilian Federal Universities: Curriculum Specificities and Current Challenges. Journal of Political Science Education, v. 12, n. 3, p. 241-255, 2015.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: o nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

GOMES, A. C. D. B. Colonialidade na academia jurídica brasileira: uma leitura decolonial em perspectiva amefricana. Tese de doutorado (Doutorado em Direito) - Programa de Pós-Graduação em Direito - PUC-Rio. Rio de Janeiro. 2019.

GONZALEZ, L. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, p. 223-244, 1984.

GONZALEZ, L. A categoria político-cultural de amefricanidade. Tempo Brasileiro, v. 92, n. 93, p. 68-92, 1988.

GROSFOGUEL, R. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Revista Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, p. 25-49, 2016.

HARAWAY, D. Saberes Localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, v. 5, p. 07-41, 1995.

JONES, B. G. International Relations, Eurocentrism, and Imperialism. In: JONES, B. G. Decolonizing International Relations. Plymouth: Rowman & Littefield Publishers, 2006. p. 1-22.

JULIÃO, T. S. A graduação em Relações Internacionais no Brasil. Monções: revista de Relações Internacionais da UFGD, v. 1, n. 1, p. 13-48, 2012.

KRISHNA, S. Race, amnesia, and the education of international relations. In: JONES, B. G. Decolonizing International Relation. Maryland: Rowman & Littlefield, 2006.

LAFER, C. O estudo das relações internacionais: necessidade e perspectivas (1982). In: LAFER, C. Relações Internacionais, política externa e diplomacia brasileira: pensamento e ação. Brasília: FUNAG, 2018. p. 327-342.

LANDER, E. ¿Conocimiento para qué? ¿Conocimiento para quién? Reflexiones sobre la universidad y la geopolítica de los saberes hegemónicos. Estudios Latinoamericanos, v. 7, n. 12-13, p. 26-46, 2000.

MALDONADO-TORRES, N. A topologia do ser e a geopolítica do conhecimento. Modernidade, império e colonialidade. Revista Crítica de Ciências Sociais, v. 80, p. 71-114, 2008.

MBEMBE, A. Crítica da Razão Negra. Lisboa: Antígona, 2014.

MIGNOLO, W. Espacios geográficos y localizaciones epistemológicas: la ratio entre la localización geográfica y la subalternización de conocimientos. GEOgraphia, v. 7, 1996.

MIGNOLO, W. Postoccidentalismo: el argumento desde América Latina. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; MENDIETA, E. Teorías sin disciplina: latinoamericanismo, poscolonialidad y globalización en debate. México: Miguel Ángel Porrúa, 1998.

MIGNOLO, W. The geopolitics of knowledge and the colonial difference. The South Atlantic Quarterly, v. 101, n. 1, p. 57-95, 2002.

MIGNOLO, W. Desobediencia epistémica: Retórica de la modernidaa, lógica de la colonialidad y gramatica de la descolonialidad. Buenos Aires: Ediciones del Signo, 2010.

MIRANDA, C. Narrativas Subalternas e Políticas de Branquidade: O Deslocamento de Afrodescendentes como Processo Subversivo e as Estratégias de Negociação na Academia. Tese de doutorado (Doutorando em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação/Proped - UERJ. Rio de Janeiro. 2006.

MIYAMOTO, S. O Estudo das Relações Internacionais no Brasil: o estado da arte. Revista de Sociologia e Política, n. 12, p. 83-98, 1999.

MIYAMOTO, S. O ensino das relações internacionais no Brasil: problemas e perspectivas. Revista de Sociologia Política, n. 20, p. 103-114, junho 2003.

NASCIMENTO, A. D. O quilombismo. Rio de Janeiro: Vozes, 1980.

NASCIMENTO, A. D. O genocídio do negro brasileiro: processo de racismo mascarado. São Paulo: Perspectiva SA, 2016.

PASSOS, J. C. D. As desigualdades na escolarização da população negra e a Educação de jovens e Adultos. ELA EM DEBATE, v. 1, n. 1, p. 137-158, 2012.

PIRES, T. R. D. O. Estruturas Intocadas: Racismo e Ditadura no Rio de Janeiro. Direito e Práxis, v. 9, n. 2, p. 1054-1079, 2018.

QUIJANO, A. Colonialidad de Poder y Clasificacion Social. Journal of World-Systems Research, v. 11, n. 2, p. 342-386, 2000.

SANDOVAL, C. Methodology of the Opressed. Minneapolis: University of Minnesota, 2000.

SANTOS, B. D. S.; MENEZES, M. P. Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SMITH, L. T. Decolonizing Methodologies: research and indigeneous people. London: Zed Books, 2012.

VIGEVANI, T.; THOMAZ, L. F.; LEITE, L. A. B. Pós-graduação em Relações Internacionais no Brasil: Anotações sobre sua institucionalização. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 31, n. 91, p. 1-31, 2016.

VITALIS, R. White world order, black power politics: The birth of American international relations. New York: Cornell University Press, 2015.




DOI: https://doi.org/10.30612/rmufgd.v8i15.11540

Monções: Revista de Relações Internacionais da UFGD - ISSN 2316-8323 - Dourados - MS, Brasil.

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.