A geografia importa: análise da dimensão espacial de duas políticas educacionais no estado de São Paulo

Eduardo Donizeti Girotto, João Victor Pavesi de Oliveira, Felipe Garcia Passos, Larissa de Campos, Jaqueline Marinho de Oliveira Souza

Resumo


Este artigo apresenta resultados do projeto Atlas da Rede Estadual de Educação de São Paulo, discutindo a importância da análise espacial nas/das políticas educacionais. Para tanto, analisamos duas políticas educacionais implementadas pela Secretaria Estadual de Educação de São Paulo (SEE-SP), baseadas no princípio da Nova Gestão Pública. Trata-se do Programa de Ensino Integral (PEI), iniciado em 2012, e do Projeto de Reorganização Escolar, de 2015. Nesta análise, elaboramos uma série de mapas, espacializando as duas políticas no município de São Paulo, recorte investigativo desta pesquisa, que demonstram como estas têm ampliado as desigualdades espaciais e educacionais, na contramão da efetivação do direito à educação. Utilizando dados públicos, concluímos que, no caso da Reorganização Escolar, o argumento defendido pelo governo de decréscimo demográfico para o fechamento de escolas não se sustenta, uma vez que tal fenômeno não se converte automaticamente em diminuição de matrículas. Já sobre o Programa de Ensino Integral, reconhecemos que se baseia numa lógica insularizante, produzindo unidades escolares privilegiadas destinadas a alunos que moram nas regiões com as melhores condições estruturais da cidade. De forma geral, as análises apresentadas revelam a lógica de racionalização gerencial dos recursos da rede estadual de educação, que pouco dialoga com a desigualdade espacial da escola pública e do território paulistano. Nesse sentido, nota-se a permanência do abstracionismo pedagógico como norteadora das políticas educacionais no estado de São Paulo, sob a lógica da Nova Gestão Pública, em que as condições de desigualdade socioespacial encontradas na referida rede são pouco problematizadas pelas políticas educacionais propostas.


Palavras-chave


desigualdade espacial, reorganização escolar, programa de ensino integral, estado de São Paulo.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, D. Nova Gestão Pública e Governos Democráticos-Populares: contradições entre a busca da eficiência e a ampliação do direito à educação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 36, nº 132, 2015.

ANTUNES, R. Produção liofilizada e a precarização estrutural do trabalho. LOURENCO, E. et al . O avesso do trabalho II: trabalho, precarização e saúde do trabalhador. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

AZANHA, J. M. P. Uma ideia de pesquisa educacional. São Paulo: Edusp, 2011.

GROSBAUM, M. W.; FLSARELLA, A. M. Ensino Médio, educação profissional e desigualdades socioespaciais no estado de São Paulo. Cadernos CENPEC, São Paulo, v.6, nº2, jul. – dez. 2016.

HARVEY, D. Cidades rebeldes. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

INEP. Relatório do 1º ciclo de monitoramento das metas do PNE. Brasília: INEP, 2016.

LAVAL, C. A escola não é uma empresa. Londrina, PR: Planta, 2004.

LECLERC, G. de F. E.; MOLL, J. Educação em jornada diária ampliada: universalidade e obrigatoriedade? Em aberto, Brasília, v.25, nº 88, jul. – dez., 2012.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo: Documentos,1969.

LIBÂNEO, J. C. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os riscos, escola de acolhimento social para os pobres. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 38, 2012.

MASSEY, D. Pelo espaço. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

SANTOS, M. O espaço do cidadão. 4ª ed. São Paulo: Nobel, 1998.

SÃO PAULO (Estado). Diretrizes do Programa de Ensino Integral. São Paulo: SEE-SP, 2012.

SÃO PAULO (Estado). Mudar para melhor: uma escola para criança e outra para o adolescente – reorganização das escolas da rede estadual. São Paulo: SEE, 1995.

SÃO PAULO (Estado). Relatório de fiscalização de natureza operacional sobre os modelos de educação em período integral existentes na rede pública estadual de ensino. São Paulo: Tribunal de Contas do Estado (TCE), 2016.




DOI: https://doi.org/10.5418/RA2018.1423.0006

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

 

 

 

 


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.