Roteirização do recolhimento de embalagens vazias de agrotóxicos utilizando metodologias clássicas

Karina Braga Marsola, Andréa Leda Ramos de Oliveira

Resumo


A logística reversa de embalagens vazias de agrotóxicos no Brasil, possui uma taxa de retorno de 94%, o maior índice mundial. Para que a logística seja eficiente é necessário que as rotas percorridas estejam otimizadas a fim de evitar gastos desnecessários que possam prejudicar o sistema. Neste trabalho é apresentada a aplicação de duas metodologias clássicas de roteirização: Clarke & Wright e Gillett & Miller. Estas metodologias foram utilizadas com a finalidade de encontrar as rotas mais eficientes na logística reversa de embalagens vazias de agrotóxicos. As rotas são responsáveis por ligarem os quinze postos de estudo a uma única central de recebimento, todas no estado de São Paulo. A exploração do tema se deu sob forma de experimento numérico e obteve como resposta uma diferença de 4,9% entre a distância total percorrida por meio das metodologias, sendo que a solução ótima foi obtida pela metodologia de Clarke & Wright.


Palavras-chave


Clarke & Wright; Gillett & Miller; Método das economias; Método da varredura; Rotas.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTINEL, I. K.; ÖNCAN, T. A new enhancement of the Clarke and Wright savings heuristic for the capacitated vehicle routing problem. Journal of the Operational Research Society, v. 56, n. 8, p. 954–961, 2005.

BALLOU, R. H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. 5. ed. [s.l.] Bookman, 2009.

CLARKE, G.; WRIGHT, J. W. Scheduling of vehicles from a central depot to a number of delivery Points. Operations Research, v. 12, n. 4, p. 568–581, 1964.

CUNHA, C. Aspectos práticos da roteirização. Revista Anpet Transportes, v. 8, n. 2, p. 51–74, 2000.

GILLETT, B. E.; MILLER, L. R. A Heuristic algorithm for the vehicle-dispatch problem. Operations Research, v. 22, n. 2, p. 240–249, 1974.

GOOGLE. API Google. Disponível em: Acessado em: 11/10/2017.

GOMES, C. F. S.; RIBEIRO, P. C. C. Gestão da Cadeia de Suprimentos Integrada a Tecnologia da Informação. 2. ed. Brasil: Thomson, 2013.

INPEV. Relatório da Sustentabilidade. Disponível em: . Acessado em: 04/03/2018.

INPEV. Unidades de Recebimento. Disponível em: Acessado em: 10/11/2017.

NOVAES, A. G. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição. 4. ed. [s.l.] Elsevier, 2015.

OLIVEIRA, A. L. R. DE; CAMARGO, S. G. C. DE. Logística Reversa de Embalagens de Agroquímicos: Identificação dos Determinantes de Sucesso. Interciência. v. 39, n. November, p. 780–787, 2014.

OLIVEIRA, A. L. R. DE et al. Estratégia Logística do milho brasileiro e a pratica da intermodalidade: uma avaliação de rotas selecionadas. Produção & Engenharia, v. 1, p. 613–622, 2015.

SOUZA, A. W. et al. Aplicação do método de varredura na roteirização de frota em uma empresa de transporte e distribuição de cargas fracionadas. Exacta, v. 14, n. 1, 2016.




DOI: https://doi.org/10.30612/agrarian.v12i45.9214

Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.