Amostragem da relação hipsométrica de Cerrado sensu stricto utilizando subparcelas

Mayronne Joaquim Fonseca dos Santos, Valdir Carlos Lima de Andrade

Resumo


A relação hipsométrica (RH) é de fundamental uso em inventários florestais porque reduz o tempo na coleta de dados e também o seu custo. Apesar de ser muito estudada em plantios florestais, a relação hipsométrica ainda carece de estudos em florestas nativas brasileiras, principalmente, em como amostrá-la. Por isso, este trabalho teve como objetivo avaliar diferentes sistemas de amostragem de dados de RH de mata nativa. Nesse caso, foram utilizados cinco parcelas de 1000 m² (20x50m) cada uma em um fragmento de Cerrado sensu stricto. Para definir o melhor ajuste da RH, foram avaliados quatro modelos hipsométricos com dados obtidos em cinco sistemas de amostragem com área relativa a área total da parcela de 1000 m2 . Nessa avaliação, além da análise de distribuição dos resíduos, foram adotados os critérios estatísticos de erro padrão residual, coeficiente de determinação, desvio médio absoluto, desvio padrão das diferenças, soma dos quadrados dos resíduos relativos, resíduo percentual, raiz quadrada do erro médio, desvio padrão das diferenças absolutas, desvio médio e correlação linear múltipla. Concluiu-se que a relação funcional hipsométrica: Ln(h)=f[Ln(N/d);Ln(dq/d);1/d;ln(G)] foi a melhor opção para se caracterizar a RH na área inventariada de Cerrado sensu stricto, em que os dados para o seu ajuste, devem ser obtidos de uma subparcela que represente 40 % da área total da parcela.


Palavras-chave


Análise de regressão; Inventário florestal; Mata nativa.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, V.C.L.; MARTINS, S.V.; CALEGARIO, N.; CHICHORRO, J.F. Influência de três sistemas de amostragem na estimativa da relação hipsométrica e do volume de árvores em um fragmento de Mata Atlântica. Scientia Forestalis, n.70, p.31-37, 2006.

ANDRADE, V.C.L.; KROETZ, E.A.; NICOLA, A.; SOUZA, P.B.; NOHAMA, F.K.; LEITE, H.G.; BINOTI, D.H.B; BINOTI, M.L.M.S. Amostragem e agrupamento de dados de relação hipsométrica em inventários florestais de Cerrado Tocantinense. Pesquisa florestal brasileira, v.35, n.83, p.227-238, 2015.

ATLAS DO TOCANTINS: subsídios ao planejamento à gestão territorial. 6. ed. rev. atu. Palmas: Secretaria do Planejamento e Meio Ambiente, 2012. 18-21p.

BATISTA, J.L, F; COUTO, H.T. Z; MARQUESINI, M. Desempenho de modelos de relação hipsométricas: estudo em três florestas. Scientia Forestalis. n.60, p.149-163, 2001.

COSTA, M. P.; PEREIRA, J. A. A.; BENICIO, M. H. M.; SOUZA, H.; FONTES, M. A. L.; GARCIA, P. O. Alometria e arquitetura de Copaifera langsdorffii (desf.) kuntze (fabaceae) em fitofisionomias neotropicais no sul de Minas Gerais. Ciência Florestal v.22, n.2, p.223-240, 2012.

DURLO, M. A.; DENARDI, L. Morfometria de Cabralea canjerana, em mata secundaria nativa do Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, v.8, n.1, p.55-66, 1998.

FERREIRA, R.Q.S.; CAMARGO, M.O.; SOUZA, P.B.; ANDRADE, V.C.L. Fitossociologia e estrutura diamétrica de um cerrado sensu stricto, Gurupi – TO. Revista Verde, v.10, n.1, p.229-235, 2015.

FIDELIS, A. T.; GODOY, S. A. P. Estrutura de um cerrado stricto sensu na gleba cerrado Pé-De-Gigante, Santa Rita do Passa Quatro, SP. Acta Botânica Brasilica, v.17, n.4, p.531-539, 2003.

HESS, A. F.; BRZ, E.M.; THAINES, T.; MATOS, P. P. Ajuste de relação hipsométrica para espécies da Floresta Amazônica. Ambiência - Revista do Setor de Ciências Agrárias e Ambientais, v.10, n.1, 2014.

SANQUETA, C. R.; DALLA CORTE, A. P.; ROGLIN, A.; PIMENTEL, A. Relações diâmetro-altura para espécies lenhosas em um fragmento de Floresta Ombrófila Mista no Sul do Paraná. Iheringia: Série Botânica, v.68, n.1, p.103-114, 2013.

SANTOS, M. J. F.; ANDRADE, V. C. L.; SOUZA, P.B. Amostragem relativa de dados da relação hipsométrica de cerrado tocantinense. Revista Brasileira de Biometria, v.34, n.4, p.633-645, 2016.

SANTOS, M. J. F.; ANDRADE, V.C.L.; FREITAS, B.C.; FERREIRA, R.Q.S.; BANDEIRA, S.B.; SOUZA, P.B. Fitossociologia e estrutura diamétrica de um fragmento de cerrado sensu stricto, sul do Tocantins. Scientia Agraria Paranaensis, v.16, n.3, p.328-334, 2017.

SCOLFORO, J. R. Mensuração Florestal: Relações quantitativas em volume, peso e a relação hipsométrica. Lavras: UFLA/FAEPE, 1993. 292p.

SILVA NETO, V. L.; OLIVEIRA, A. L.; FERREIRA, R. Q. S.; SOUZA, P. B.; VIOLA, M. R. Fitossociologia em distribuição diamétrica de uma área de cerrado sensu stricto, Dueré-TO. Revista de Ciências Ambientais (UniLASALLE), v.10, p.91-106, 2016.

TOCANTINS (Estado). Secretaria do Planejamento e Meio Ambiente. Atlas Do Tocantins: subsídios ao planejamento à gestão territorial. 6. ed. rev. atu. Palmas: Secretaria do Planejamento e Meio Ambiente, 2012. 18-21p.

VIBRANS, A. C.; MOSER, P.; OLIVEIRA, L. Z.; MAÇANEIRO, J. P. Height-diameter models for three subtropical forest types in southern Brazil. Ciência e Agrotecnologia, v.39, n.3, p.205-215, 2015.




DOI: https://doi.org/10.30612/agrarian.v12i45.8241

Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.