Enraizamento de estacas de aceroleira: efeitos de recipientes e substratos

Edilson Costa, Priscilla Nátaly de Lima Silva, Antônio Flávio Arruda Ferreira, Anne Caroline da Rocha Silva, Viviane do Amaral Gomes

Resumo


Métodos de propagação vegetativa da aceroleira são importantes na uniformização de pomares, desta forma, foram avaliados diferentes recipientes e substratos no enraizamento de estacas, entre os meses de fevereiro a maio de 2009. As estacas foram acomodadas em sacolas de polietileno nas dimensões de 8,0 x 14 cm (R1), 12,0 x 16,0 cm (R2) e 15,0 x 21,5 cm (R3), preenchidas com seis substratos: (S1) 100% de composto orgânico; (S2) 86% Vermiculita e 14% de composto orgânico; (S3) 86% de solo e 14% de composto orgânico; (S4) 86% Fibra de coco chips® e 14% de composto orgânico; (S5) 86% Fibra de coco e 14% de composto orgânico e (S6) 86% Plantimax® e 14% de composto orgânico. Utilizou-se o delineamento inteiramente casualizado, no esquema de parcelas subdivididas, com três repetições, onde cada repetição foi um conjunto de cinco estacas. As parcelas foram os recipientes (R) e as subparcelas foram às composições dos substratos (S). Concluiu-se que o enraizamento de estacas de aceroleira é influenciado pelo substrato utilizado. Os substratos vermiculita, composto orgânico e solo apresentaram melhores resultados. O tamanho do recipiente não influenciou no enraizamento das estacas de aceroleira.


Palavras-chave


Malpighia glabra; estaquia; propagação vegetativa

Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.