Densidade mineral óssea de perus de corte vacinados e não vacinados contra coccidiose

Ibiara Correia de Lima Almeida Paz, Elisane Lenita Milbradt, Ariel Antonio Mendes, Luiz Carlos Vulcano, Márcia Regina Fernandes Boaro Martins, Cláudia Marie Komiyama, Fabiana Cavichiolo, Rodrigo Garófallo Garcia

Resumo


Resumo. Avaliou-se a densidade mineral óssea de perus de corte submetidos a vacinação contra cocidiose. Utilizou-se 420 perus de corte de um dia, divididos em 4 tratamentos com 5 repetições: T1 – dieta controle; T2 – dieta e drogas  anticoccidianas; T3 – dieta controle e vacina comercial; T4 – dieta controle e vacina recombinante. A vacinação foi realizada via ração, no oitavo dia de vida das aves, que foram alojadas com densidade recomendadas no manual da linhagem. Aos 28 dias as aves foram submetidas ao desafio de coccidiose, realizado inoculação de oocistos replicados diretamente no esôfago das aves. A qualidade óssea foi avaliada aos 21, 35, 49 e 72 dias de idade. Para isso, foram coletadas 8 aves por tratamento, em cada idade de coleta, que foram sacrificadas por deslocamento cervical. As tíbias e os fêmures foram radiografados e tomografados para avaliação da densidade óssea,  posteriormente foram avaliados os teores de matéria seca, cinzas ósseas, cálcio e de fósforo. Houve diferenças apenas entre as idades, sendo que os tratamentos não causaram alterações das características ósseas. Aos 56 dias as aves apresentaram pior qualidade óssea. Os tratamentos não influenciaram os parâmetros estudados. O que permite concluir que a vacinação contra coccidiose promove boa mineralização dos ossos.

Palavras-chave


coccidiose, peru, qualidade óssea, vacina

Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.