AVALIAÇÃO DO USO DE FOSFITO NO CONTROLE DA ANTRACNOSE EM FEIJOEIRO COMUM

Marcia Holanda Nozaki, Odir ANDRÉ KLIEMANN

Resumo


O feijão é amplamente cultivado em todo o território brasileiro, tendo o estado do Paraná como maior produtor. A incidência de doenças é um dos principais fatores que acarretam produtividades baixas na cultura. A antracnose, causada pelo fungo Colletotrichum lindemuthianum, é uma das doenças mais importantes do feijoeiro, ocorrendo com freqüência em regiões com alta umidade e temperaturas moderadas, sendo, que sob condições favoráveis pode apresentar alta severidade reduzindo significativamente o rendimento da cultura. O presente trabalho foi realizado em área experimental da Agrogranja Kliemann, localizada no município de Toledo, Paraná, com objetivo de analisar o efeito do fosfito no controle da antracnose em feijoeiro comum cv BRS Pérola. Os tratamentos foram: T1 - Testemunha; T2 – Fosfito (00-30-20) na dose de 0,4 L ha-1; T3 – Fungicida Azoxistrobina (200 g L-1)+Ciproconazol (80 g L-1) na dose de 0,3L ha-1; T4 – Fungicida Azoxistrobina (200 g L-1)+Ciproconazol (80 g L-1) + Fosfito (00-30-20) na dose de 0,3L + 0,4L ha-1, com 5 repetições cada. Foram realizadas avaliações de incidência e severidade da doença em diferentes estádios fenológicos, germinação de plantas, numero de vagens por planta, numero de grãos por planta, massa de mil grãos, e produtividade. Os resultados indicam que o tratamento Fungicida associado ao Fosfito apresentou melhor eficácia no controle da antracnose, comparado aos demais tratamentos avaliados devido ao seu espectro de ação sobre as doenças. Entretanto, o fosfito mostrou resultados positivos tanto solteiro quanto na associação ao fungicida para o controle da doença e ainda proporcionou incremento na produtividade final.


Palavras-chave


Indutor de resistência, Colletotrichum lindemuthianum, Phaseolus vulgaris L

Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.