Ureia de liberação lenta em dietas à base de cana-de-açúcar para vacas mestiças Holandês-Zebu

Daniel Carneiro de Abreu, Rogério de Paula Lana, André Soares de Oliveira, Ricardo Marostegan de Paula, João Paulo Pacheco Rodrigues, Caren Paludo Ghedini, Felipe Leite de Andrade, Mozart Alves Fonseca

Resumo


Objetivou-se determinar a inclusão do melhor nível de ureia de liberação lenta (ULL; 0,04; 0,08; 0,16 e 0,32 kg vaca-1 dia-1) em dietas à base de cana-de-açúcar, avaliando o desempenho produtivo de vacas leiteiras mestiças. Utilizaram-se oito vacas multíparas, com peso corporal médio inicial de 448 ± 74 kg. Os animais foram distribuídos em dois quadrados latinos 4x4, com quatro períodos de 14 dias cada (sete dias de adaptação e sete dias de coleta de amostras). Não houve efeito do nível de ureia de liberação lenta (ULL) sobre o consumo de matéria seca, fibra em detergente neutro e extrato etéreo. Porém, o consumo de proteína bruta aumentou linearmente com o fornecimento de ULL. A produção de leite aumentou 0,396 kg de leite para cada 0,1 kg de ULL (3,96 g de leite 1,0 g-1 de ULL). A produção de leite corrigida para 3,5% de gordura e os teores de gordura, proteína, lactose e extrato seco total e desengordurado do leite não foram influenciados pelos níveis de ULL. Recomenda-se fornecer 320 g de ULL vaca-1 dia-1 em dietas à base de cana-de-açúcar e fubá de milho para vacas leiteiras. 


Palavras-chave


composição do leite, nitrogênio não proteico, produção de leite

Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.