Proteína bruta na dieta de alevinos de quinguio (Carassius auratus)

Júnior Dasoler Luchesi, Dacley Hertes Neu, Juliana Mara Costa, Edionei Maico Fries, Wilson Rogério Boscolo, Aldi Feiden

Resumo


O objetivo deste estudo foi determinar o melhor nível de inclusão de proteína bruta para alevinos de quinguios e determinar a exigência desse nutriente. O experimento foi realizado na estufa experimental do Grupo de Estudos de Manejo na Aquicultura – GEMAq, em delineamento inteiramente casualizado com quatro tratamentos e quatro repetições, utilizando 192 alevinos com peso inicial de 1,64±0,20 gramas, durante 63 dias. As dietas foram formuladas visando conter 28; 32; 36 e 40% de proteína bruta. Ao final do período experimental foram avaliados o ganho de peso, comprimento padrão e total, conversão alimentar e sobrevivência. Os peixes que receberam 32% de proteína na dieta apresentaram os maiores valores de ganho de peso, não diferindo dos peixes que receberam dietas com teores de 36% e 40%. O menor ganho de peso foi obtido para os alevinos alimentados com 28% de proteína bruta. Os comprimentos padrão e total, conversão alimentar e sobrevivência não foram influenciados pela dieta. Para alevinos dessa espécie, a exigência de proteína bruta para o máximo ganho de peso é de 34,55%.


Palavras-chave


Desempenho zootécnico, peixe ornamental, quinguio

Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.