Desempenho agronômico da soja em sucessão ao consórcio de milho com forrageiras no cerrado

Veridiana Zocoler de Mendonça, Luiz Malcolm Mano de Mello, Francisco Cezar Belchor Lages Pereira, André Luiz Cesarin, Élcio Hiroyoshi Yano

Resumo


A soja tem sido apontada como cultura de destaque nos sistemas de integração lavoura-pecuária, pois além das vantagens econômicas é excelente fixadora de nitrogênio e permite a rotação de culturas. Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito da palhada de forrageiras consorciadas com milho para silagem, sobre o desempenho agronômico da soja em plantio direto. Em área experimental da Unesp de Ilha Solteira,  os tratamentos foram constituídos pela palhada oriunda do consórcio de milho com quatro forrageiras (Urochloa brizantha, U. ruziziensis, Panicum maximum cv. Tanzânia e P. maximum cv. Áries) semeadas em três modalidades (na linha de semeadura do milho misturada ao adubo, a lanço simultânea a semeadura do milho e a lanço no estádio V4) e uma testemunha (milho sem consorciação), em delineamento de blocos casualizados com esquema fatorial (4x3+1) e quatro repetições. As características morfológicas de altura de plantas e de inserção da primeira vagem foram condizentes com a colheita mecanizada, 0,82 m e 0,18 m, sem que houvesse perdas de produção. A palhada das forrageiras consorciadas com milho não interferiu na produtividade da soja em sucessão, comparado ao milho exclusivo, com produtividade de grãos de 3.897 kg ha-1.


Palavras-chave


Fitomassa, integração lavoura-pecuária, plantio direto, produção de grãos, sucessão de culturas

Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.