Desenvolvimento do amarílis sob efeito de doses de nitrogênio

Francimar Perez Matheus da Silva, Graziane Maria Giacon, Yara Brito Chaim Jardim Rosa, Jackeline Schultz Soares, Dione Aparecido Manfré Zeviane, Derek Brito Chaim Jardim Rosa, José Carlos Sorgato, Edgard Jardim Rosa Junior

Resumo


O interesse por flores oriundas de bulbos ornamentais tem crescido significativamente e, como consequência, a área de cultivo dessas plantas tem aumentado em muitos países nos últimos anos, principalmente a cultura de amarílis. Porém, as informações à respeito da nutrição mineral e adubação são ainda pouco frequentes para essa espécie. Assim, objetivou-se com este trabalho avaliar o efeito de diferentes doses de nitrogênio no seu crescimento e desenvolvimento. O experimento foi conduzido na área de Jardinocultura da Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS. O delineamento experimental utilizado foi em blocos casualizados, com quatro repetições, sendo que, a unidade experimental foi composta por uma planta de amarílis (Hippeastrum hybridum) variedade Intokasie, cultivada em vaso com capacidade para 1 litro. Os tratamentos foram oito doses de nitrogênio, 0; 60; 120; 180, 240; 300; 360; 420 kg ha-1, sendo utilizada a ureia (45% de N) como fonte. As variáveis analisadas foram: diâmetro, altura, massa fresca do bulbo, massa fresca das plantas, das folhas e das raízes sendo calculadas as relações entre a massa fresca do bulbo, das raízes e das folhas em relação à massa fresca das plantas. A aplicação de doses de nitrogênio incrementou a relação entre massa fresca dos bulbos e da planta, entretanto os bulbos produzidos não alcançaram o diâmetro mínimo comercial.


Palavras-chave


Bulbos, herbáceas perenes, Hippeastrum hybridum, nitrogênio

Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.