A câmara da Vila Real do Senhor Bom Jesus do Cuiabá: um breve panorama (1727-1800)

Nauk Maria de Jesus

Resumo


A câmara de Vila Real do Senhor Bom Jesus do Cuiabá foi criada em janeiro de 1727 e teve papel importante no cenário político da vila, já que além de intermediar os contatos dos moradores com o rei, era responsável pelo governo dos homens e dos espaços. Este artigo tem como objetivo discutir aspectos da história da câmara municipal de Vila Real do Cuiabá, no século XVIII, com destaque para o perfil dos homens que ocuparam cargos nessa instituição.

Palavras-chave


Câmara Municipal. Cuiabá Colonial. Homens da Governança.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Renata Malcher Araújo. A urbanização do Mato Grosso no século XVIII. Discurso e método. 2000. Tese (Doutorado em História da Arte) – FCSH, Universidade de Nova Lisboa, Lisboa.

BICALHO, Maria Fernanda Baptista. A cidade e o império. 1996. Tese (Doutorado em História) – PPGHS, Dep. de História, FFLCH, Universidade de São Paulo, São Paulo.

BICALHO, Maria Fernanda Baptista. As câmaras ultramarinas e o governo do Império. In: FRAGOSO, João; BICALHO, Maria Fernanda; GOUVÊA, Maria de Fátima. O Antigo Regime nos trópicos. A dinâmica imperial portuguesa (séculos XVI-XVIII).Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. p. 189-220.

BOXER, Charles. O Império marítimo português. 1415-1825. Trad. Inês Silva. Lisboa: Edições 70, 2001.

CANAVARROS, Otávio. O poder metropolitano em Cuiabá e seus objetivos geopolíticos no extremo oeste (1727-1752). 1998. Tese (Doutorado em História) – PPGHS, Dep. de História, FFLCH, Universidade de São Paulo, São Paulo.

FIGUEIREDO, Luciano Raposo de Almeida; CAMPOS, Maria Verônica (coords.). Códice Costa Matoso. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, Centro de Estudos Históricos e Culturais, 1999. (2o v., p. 108).

GOUVÊA, Maria de Fátima Silva. Redes de poder na América portuguesa - o caso dos homens bons do Rio de Janeiro, ca. 1790-1822. Revista Brasileira de História, 18 (36): 297-330, 1998.

GOUVÊA, Maria de Fátima Silva. Poder político e administração na formação do complexo atlântico português (1645-1808). In: FRAGOSO, João; BICALHO, Maria Fernanda Baptista; GOUVÊA, Maria de Fátima. O Antigo Regime nos trópicos. A dinâmica imperial portuguesa (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. p. 285-315.

HESPANHA, Antonio Manuel. Às vésperas do Leviathan. Lisboa: Almedina, 1994

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Monções. São Paulo: Brasiliense, 2000.

JESUS, Nauk Maria de. Na trama dos conflitos. A administração na fronteira oeste da América portuguesa (1719-1778). 2006. Tese (Doutorado em História) – PPGH, Dep. de História, Universidade Federal Fluminense.

JESUS, Nauk Maria de. Boatos e sugestões revoltosas: a rivalidade política entre Vila Real do Cuiabá e Vila Bela – capitania de Mato Grosso (segunda metade do século XVIII). In: COSTA, Wilma Peres; OLIVEIRA, Cecília Helena de Salles. De um império a outro. Formação do Brasil, séculos XVIII e XIX. São Paulo: Alderaldo&Rothschild, FAPESP, HUCITEC, 2007. p. 275-296.

MELLO, Evaldo Cabral de. Rubro veio. O imaginário da restauração pernambucana. Rio de Janeiro: Topbooks, 1997.

ROSA, Carlos Alberto. O comércio da conquista. Revista Universidade, Cuiabá: UFMT, ano II, n.1, 1982.

RUSSELL-WOOD, A. J. R. O governo local na América portuguesa: um estudo de divergência cultural. Revista Brasileira de História, v. LV, n. 9, ano XXVIII, p. 25-79, 1977.

SIQUEIRA, Joaquim da Costa. Crônicas de Cuiabá. Cuiabá: IHGMT, 2002.

SOUZA, Avanete Pereira. Poder local, cidade e atividades econômicas (Bahia, século XVIII). 2003. Tese (Doutorado em História) – PPGHE, Dep. de História, FFLCH, Universidade de São Paulo, São Paulo.




Fronteiras: Revista de História - PPGH/FCH/UFGD
 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.