Sertão, território e fronteira: expansão territorial de Minas Gerais na direção do litoral

Haruf Salmen Espindola

Resumo


Na primeira metade do século XIX era denominado sertão do rio Doce o espaço coberto pela floresta tropical que se estendia entre as áreas povoadas da região mineradora central de Minas Gerais e o litoral do Espírito Santo, Rio de Janeiro e Bahia. Nosso objetivo é identificar as linhas de força que atuaram no processo de ocupação e configuração territorial desse espaço. O trabalho está dividido em três partes. A primeira inicia-se com a situação da região durante o auge da mineração do ouro, no século XVIII, para em seguida discutir as ações dos governadores da capitania de Minas Gerais, depois de 1764, quando a arrecadação do quinto do ouro começa a cair. A segunda aborda a tentativa da Coroa de promover a ocupação do rio Doce a partir do litoral, em 1800. Finalmente, é analisado o processo de ocupação do espaço coberto pela floresta tropical, conduzido pelas Divisões Militares do Rio Doce, criadas pela Carta Régia de 13 de maio de 1808.

Palavras-chave


Minas Gerais. Rio Doce. Sertão. Floresta Tropical. Expansão Territorial.

Texto completo:

PDF

Referências


BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Autoridade e conflito no Brasil colonial: o governo do Morgado de Mateus em São Paulo (1765-1775). São Paulo: Conselho Estadual de Arte e Ciências Humanas, 1879.

CAMBRAIA, Ricardo de Bastos. A colonização dos sertões do leste mineiro: políticas de ocupação territorial num regime escravista (1780-1836). Revista do Departamento de História, Belo Horizonte, v. 6, p. 137-150, jul. 1988.

CHAGAS, Paulo Pinheiro. Teófilo Ottoni. Belo Horizonte: Itatiaia; Brasília: INL, 1978.

CORRÊA, Dora Shellard. Paisagens sobrepostas. Índios, posseiros e fazendeiros nas matas de Itapeva (1723-1930). 1997. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo.

CUNHA, Manuela C. da. (Org.). Legislação indigenista no século XIX. São Paulo: Edusp; Comissão Pró-Índio de São Paulo, 1992.

DAEMON, Basílio C. Província do Espírito Santo: sua descoberta, história chronológica, synopsis e estatística. Vitória: Typ. do Espírito Santo, 1879.

DEAN, W. A ferro e fogo. História e a devastação da Mata Atlântica brasileira. São Paulo: Cia. das Letras, 1996.

DEMONER, Sonia Maria. Presença de missionários capuchinhos no Espírito Santo: século XIX. 1981. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo, São Paulo.

ESPINDOLA, Haruf Salmen. Sertão do rio Doce. Bauru: Edusc, 2005.

ESPINDOLA, Haruf Salmen. Populações nativas do rio Doce. Arkeos: Perspectivas em Diálogo, Tomar (Portugal), n. 16, p. 153-170, 2006.

ESPINDOLA, Haruf Salmen. A história de uma formação sócio-econômica urbana: Governador Valadares. Varia História. Belo Horizonte, v. 19, p. 148-63, nov. 1998.

ESPINDOLA, Haruf Salmen. Associação Comercial: sessenta anos de história. Governador Valadares: ACGV, 1999.

ESPINDOLA, Haruf Salmen. Práticas econômicas e meio ambiente na ocupação do sertão do rio Doce. Caderno de Filosofia e Ciências Humanas, Belo Horizonte, ano VIII, n. 14, abr. 2000.

FRAGOSO, João Luis R. Homens de grossa aventura: acumulação e hierarquia na praça mercantil do Rio de Janeiro (1790-1830). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1992.

HAESBAERT, R. Territórios alternativos. Niterói: Eduff; São Paulo: Contexto, 2002.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Caminhos e fronteiras. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Monções. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1990.

JOSÉ, Oilian. Marlière, o civilizador. Esboço biográfico. Belo Horizonte: Itatiaia, 1958.

LIBBY, Douglas Cole. Transformação e trabalho em uma economia escravista: Minas Gerais no século XIX. São Paulo: Brasiliense, 1988.

MERCADANTE, Paulo. Os sertões do leste – estudo de uma região: a mata mineira. Rio de. Janeiro: Zahar, 1973.

MINAS GERAIS. Economia Mineira – 1989; diagnóstico e perspectiva. Belo Horizonte, BDMG – Banco de Desenvolvimento Econômico, 1989.

OLIVEIRA, José T. de. História do Estado do Espírito Santo. 2. ed. Vitória: IBGE, 1975. (1. ed. 1951).

PALLAZOLA, Jacinto de. Nas selvas do Vale do Mucuri e do Rio Doce. Como surgiu a cidade de Itambacury. 3. ed. São Paulo: Rev. Nacional, 1973.

PARAÍSO, Maria Hilda B. Os botocudos e sua trajetória histórica. In: CUNHA, Manuela Carneiro da. História dos índios do Brasil. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. p. 413-430.

PIMENTA, Demerval José. Caminhos de Minas Gerais. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1971.

PINTO, Bernardo Xavier. Memória histórica da província de Minas Gerais (Publicado entre 1849 e 1851). Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, v. 13, p. 523-639, 1908.

PINHEIRO, P. Teófilo Ottoni. Ministro do povo. 3. ed. Belo Horizonte: Itatiaia; Brasília: INL, 1978. p. 160-171.

PRADO JR., Caio. Formação do Brasil contemporâneo. 23. ed. São Paulo: Brasiliense, 1995.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

ROSA, Léa Brígida R. de A. Companhia Estrada de Ferro de Vitória a Minas: 1890-1940. 1976. Dissertação (Mestrado) – USP, São Paulo.

SACK, R. D. Human territoriality: Its theory and history. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Viagem ao Espírito Santo e rio Doce. Belo Horizonte Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1974.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Viagem pelas províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1975.

SENNA, Nélson. Bacia do rio Doce – terceiros dos relatórios apresentado ao governo do Estado de MG. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1906.

SILVA, Fábio Carlos da. Barões do ouro e aventureiros britânicos no Brasil. A companhia inglesa de Macaúbas e Cocais. 1828-1912. 1997. 150 p. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo.

SILVA, Tarcício Glauco da. De área proibida à fronteira em expansão. Disponível em: http://www.cchn.ufes.br/anpuhes/anais5/Documentos/Mesas%20Redondas/PDF/Tarc%EDsio%20Glauco%20da%20Silv.pdf. Acesso em: 10 abr. 2008.

STRAUCH, Ney (org.). A bacia do rio Doce. Estudo Geográfico. Rio de Janeiro: IBGE, 1955.

SOUZA, Laura de Mello e. Desclassificados do ouro. A pobreza mineira no século XVIII. 3. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1990.

VASCONCELOS, Diogo de. História média de Minas Gerais. 3. ed. Belo Horizonte: Itatiaia; Brasília: INL, 1974.




Fronteiras: Revista de História - PPGH/FCH/UFGD
 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.