Silêncios da memória: o apagamento do protagonismo indígena em Goiás

Patrícia Emanuelle Nascimento

Resumo


O objetivo deste artigo é apresentar um determinado conjunto de representações presente na documentação oficial de Goiás entre os séculos XVIII e XIX que é responsável pelo apagamento do protagonismo indígena nessa região. Essas representações passam pela óptica do projeto colonizador o qual não considera a alteridade em seus próprios pressupostos. A alteridade, pelo contrário, é vista como inadequação aos preceitos da cultura ocidental prevista pelas políticas indigenistas que tinham aspectos econômicos, mas também ideológicos que confrontavam e não admitiam a alteridade. Nesse sentido, as estratégias e políticas indígenas são interpretadas etnocentricamente pelo discurso colonizador que esvazia sua relevância e promove uma narrativa que nega a alteridade e silencia a memória do protagonismo indígena em Goiás. O texto procura enfatizar alguns fatores que são constituídos e constitutivos dessas representações. Três foram selecionados para essa discussão: (1) espaço, gestão do território e políticas indigenistas no XVIII e XIX; (2) a ideia do medo como fenômeno histórico e (3) as construções míticas em Goiás que não levam em consideração figuras indígenas.

Palavras-chave


Memória. Protagonismo indígena. Goiás.

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCASTRE, José Martins Pereira de. Annaes da Província de Goyaz (1863). Brasília: Sudeco, 1979.

ALMEIDA, Maria Regina Celestino. Metamorfoses indígenas: identidade e cultura nas aldeias coloniais do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.

ANDRADE, Karylleila dos Santos. A toponímia indígena, o etnocentrismo e a exoticalização de Saint-Hilaire, Pohl, Gardner e Castelnau. In: Círculo Fluminnse de Estudos Filsóficos e Linguísticos. Rio de Janeiro: Cifefil, cadernos do CNLF, VOL. XII, Nº 09, p. 57- 67, 2009.

APOLINÁRIO, Juciene Ricarte. Os Akroá e outros povos indígenas nas Fronteiras do Sertão: as práticas das políticas indígena e indigenista no norte da Capitania de Goiás - século XVIII. 2005. 269f. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2005.

BOAVENTURA, Deusa Maria Rodrigues. Urbanização em Goiás no século XVIII. 2007, 279 f. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo – FAU- USP, São Paulo, 2007.

BRASIL, Americano do. Súmula de história de Goiás. Goiás, Imprensa Oficial, 1932.

BORGES, Luiz Carlos; MEDINA, Manuela Brêtas; MONTEIRO, Lívia Nascimento. Ciência, Imaginário e Civilização em Couto de Magalhães. In: Revista Brasileira de História e Ciência. Rio de janeiro, v.5, n. 2, p. 250 – 266, jul/dez 2012.

CAVALCANTE, Thiago Leandro V. Etno-história e história indígena: questões sobre conceitos, métodos e relevância da pesquisa. História, São Paulo, v. 30, n. 1, p. 349- 371, jan.-jun. 2011.

CHAIM, Marivone Matos. Aldeamentos indígenas: Goiás, 1749-1811. 2.ª ed. SãoPaulo: Editora Nobel, 1983.

CHAUL, Nars Nagib Fayad. Caminhos de Goiás. 2ª Ed. Goiânia: Editora UFG, 1997.

CRESCENCIO, Isabel Escobar. Representações dos indígenas de Goiás: Investigando a Revista do Instituto Histórico Geográfico Brasileiro (1838-1839). Cadernos de História, v. 02, p. 1, 2012.

CUNHA, Manuela Carneiro da. Introdução a uma história indígena. In: CUNHA, Manuela Carneiro da. (Org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: FAPESP/SMC/Companhia das Letras, 1992. p. 9-24.

CUNHA, Manuela Carneiro da. Por um história indígena e do indigenismo. In: CUNHA, Manuela Carneiro da. Cultura com Aspas. São Paulo: Cosac Naify, 2009, p. 125-131.

CUNHA, Manuela Carneiro da. Pensar os índios: apontamentos sobre José Bonifácio. In: Antropologia do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1987.

DOLES, Dalísia E.; NUNES, Heliane P. Memória da ocupação de Goiás na primeira metade do século XIX: uma visão dos viajantes europeus. In: Ciências Humanas em Revista – História, Goiânia: Ed. da UFG, v. 3, n.½, jan. / dez. 1992.

DIAS, Thiago Cancelier. Contatos e desacatos: os línguas na fronteira entre sociedade colonizadora e indígenas (1740 A 1889) – Goiás. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 7, n. 2, p. 205-226, jul./dez. 2013.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: Morfologia e História. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

GIRALDIN, Odair. Renascendo das cinzas: um histórico da presença dos Cayapó-panara em Goiás e no triângulo mineiro. Sociedade e Cultura, Goiânia, v. 3, n. 1, p. 161-184, jan./dez. 2000.

JULIO, Suelen Siqueira. Relações em espaços fronteiriços: indígenas e sociedade envolvente na capitania de Goiás – Anais do XVI Encontro Regional de História – Saberes e Práticas Científicas, ANPUH – 2014. Disponível em: http://www.encontro2014.rj.anpuh.org/site/anaiscomplementares. Acesso em: 10 de maio de 2015.

JULIO, Suelen Siqueira. Damiana da Cunha: uma índia entre a "sombra da cruz" e os caiapós do sertão. 2015. 171 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Departamento de história. Rio de Janeiro, 2015.

KARASH, Mary. Catequese e cativeiro: política indigenista em Goiás, 1780-1889. In: CUNHA, Manuela Carneiro da (Org). História dos índios do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

MAIA, João Marcelo Ehlert. Governadores de ruínas:os relatos de viagem de Couto de Magalhães e Leite Moraes. In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, nº 40, julho-dezembro de 2007, p. 3-23.

MARCONDES, Javã Isvi Pinheiro (2011). O problema da defesa do território na Capitania de Goiás no século XVIII. (Dissertação de Mestrado) Universidade Federal de Goiás, GoiâniaGO, 2011.

MARIN, Joel O. Bevilaqua. A formação de trabalhadores brasileiros: a experiência do Colégio Isabel. História Unisinos, São Leopoldo, v. 13, n. 2, p. 154-167, maio/ago. 2009.

MONTEIRO, John Manuel. Armas e armadilhas: história e resistência dos índios. In: NOVAES, Adauto (Org.). A outra margem do Ocidente. São Paulo: Companhia das letras, 1999.

MOTA, Lúcio Tadeu. O Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e as propostas de integração das comunidades indígenas no estado nacional. Diálogos, DHI/UEM, v. 2, p. 149-175, 1998.

OLIVEIRA, Eliézer Cardoso de. As representações do medo e das catástrofes em Goiás. 2006. 359f. Tese (Doutorado) – Departamento de Sociologia – Universidade de Brasília, Brasília-DF, 2006.

PALACIN, Luis. A Ausência do Índio na Memória Goiana. Ciências Humanas em Revista, 3 (1/2) 59-70, jan./dez. 1992.

PEDROSO, Dulce Madalena Rios. Documentação Histórica na Reconstituição da História Regional de Goiás, 2007. Disponível em:

www.proec.ufg.br/revista_ufg/agosto2007/.../memoriaedocumentacao. Acesso em: 08 de abril de 2014.

PEREIRA, Eliane M.C.M. A Construção de Nação e Região em Goiás, 1830-1945. Ciências Humanas em Revista, 6(2): 65:77, jul./dez.1995.

PINHEIRO, Antônio César Caldas. Os tempos míticos das cidades-goianas. Mitos de origem e invenção de tradição. Dissertação, Universidade Federal de Goiás /PPGH, Goiânia – GO, 2003.

PORTELA, Cristiane de Assis. Nem ressurgidos, nem emergentes: A resistência histórica dos Karajá de Buridina em Aruanã (1980-2006). (Dissertação de Mestrado), Universidade Federal de Goiás, Goiânia – GO, 2006.

RAVAGNANI, Oswaldo Martins. A agropecuária e os aldeamentos indígenas goianos. In: Revista de Ciências Sociais. UNESP. Perspectivas. São Paulo, vol. 9/10 (1986/1987).

RICOEUR, Paul. Tempo e Narrativa (tomo I). Campinas: Papirus, 1994.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: UNICAMP, 2010.

ROCHA, Leandro Mendes (org). Atlas histórico: Goiás pré-colonial. Goiânia: CECAB, 2001.

SANDES, N. F. A invenção de Goiás. In: Freitas, Lena Castelo Branco Ferreira; Aires, Aidenor; Caldeira, Elizabeth. (Org.). A formação de Goiás Contemporâneo.Goiânia: Kelps, 2012, v. 1, p. 53-69.

SANDES, Noé Freire; ARRAIS Cristiano Alencar. História e memória em Goiás no século XIX. Uma consciência da mágoa e da esperança. In: Varia. vol. 29 no.51, Belo Horizonte Sept./Dec. 2013.

SANTOS, Milton. Metamorfoses do Espaço Habitado. São Paulo, 5º edição, Editora Hucitec, 1997.

SILVA, Rogério Chaves da (2006). O Jesuíta e o Historiador: A produção historiográfica de Luis Palacín sob o prisma da Matriz Disciplinar de Jörn Rüsen. (Dissertação de Mestrado) Universidade Federal de Goiás, 2006.

SOUZA, Laura de Mello e. O diabo e a Terra de Santa Cruz: feitiçaria e religiosidade popular no Brasil colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

SUSSEKIND, Flora. Brasil não e longe daqui: o narrador, a viagem, O. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

WYLER, Lia. Línguas, poetas e bacharéis: uma crônica da tradução no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco, 2003.




Fronteiras: Revista de História - PPGH/FCH/UFGD
 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.