Composição da riqueza em grandes propriedades do Sudeste escravista, Minas Gerais século XIX

Jonis Freire

Resumo


O presente artigo tem como objetivo analisar a composição da riqueza de três grandes famílias possuidoras de um grande contingente de cativos, terras e prestígio social, da Vila de Santo Antonio do Juiz de Fora, grande plantation cafeeira, localizada na Zona da Mata Mineira, durante o século XIX e que são representativas dos grandes fortunas daquela região. Notamos que as ditas famílias utilizaram-se de estratégias de casamento endogâmicos, objetivando, dentre outras, coisas a manutenção/ ampliação de suas posses, riqueza e poder. Da mesma forma, pudemos notar que a maior parte de suas fortunas concentrava-se em escravos, terras, dívidas ativas. Apesar do prestígio e fortuna, alguns dos indivíduos pertencentes àquelas famílias sofreram um revés financeiro sem volta.

Palavras-chave


Famílias senhoriais. Riqueza. Minas Gerais – Século.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMICO, Rita de Cássia. Fortunas em movimento: um estudo sobre as transformações na riqueza pessoal em Juiz de Fora, 1870/1914. 2001. Dissertação (Mestrado em História Econômica) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP.

ANDRADE, Marcos Ferreira de. Família, fortuna e poder no Império do Brasil – Minas Gerais – Campanha da Princesa (1799-1850). 2005. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ.

ANDRADE, Rômulo. Limites impostos pela escravidão à comunidade escrava e seus vínculos de parentesco: Zona da Mata de Minas Gerais, século XIX. 1995. 2v. Tese (Doutorado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo.

ANDRADE, Rômulo. Escravidão e cafeicultura em Minas Gerais: o caso da Zona da Mata. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 11, n. 22, mar./ago. 1991.

ANDRADE, Rômulo. Família escrava e estrutura agrária na Minas Gerais oitocentista. População e família, São Paulo, v. 1, n. 1, jan./jun. 1998.

ANDRADE, Rômulo. Ampliando estudos sobre famílias escravas no século XIX (crianças cativas em Minas Gerais: legitimidade, alforria e estabilidade familial). Revista Universidade Rural – Série Ciências Humanas, Rio de Janeiro: Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, v. 24, n. 01-02, 2002.

BACELLAR, Carlos de Almeida Prado. Família, herança e poder em São Paulo: 1765-1855. Estudos Cedhal, São Paulo: Cedhal, n. 7, 1991.

BACELLAR, Carlos de Almeida Prado. Os senhores da terra: família e sistema sucessório entre os senhores de engenho do Oeste Paulista 1765-1855. Campinas, SP: CMU/Unicamp, 1997.

BASTOS, Wilson de Lima. Do Caminho Novo dos campos gerais a estrada de rodagem União e Indústria e a Estrada de Ferro D. Pedro II. In: BASTOS, Wilson de Lima et. al. História econômica de Juiz de Fora: subsídios. Juiz de Fora: Instituto Histórico e Geográfico de Juiz de Fora, 1987.

BASTOS, Wilson de Lima. Caminho Novo: espinha dorsal de Minas. Juiz de Fora-MG: FUNALFA Edições, 2004.

BRUGGER, Silvia Maria Jardim. Minas patriarcal – família e sociedade (São João Del Rei, séculos XVIII e XIX). 2002. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ.

CANABRAVA, Alice P. Uma economia em decadência: os níveis de riqueza na Capitania de São Paulo, 1765-67. Revista Brasileira de História, v. 26, n. 4, out./dez. 1972.

COSTA, Dora Isabel Paiva da. Herança e ciclo de vida: um estudo sobre família e população em Campinas, São Paulo, 1765-1850. Niterói-RJ: Universidade Federal Fluminense, 1997.

ESTEVES, Albino. Álbum de Juiz de Fora. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1915. p. 505.

FARIA, Sheila de Castro. Fortuna e família em Bananal no século XIX. In: MATTOS DE CASTRO; Hebe; SCHNOOR, Eduardo et al. (orgs.). Resgate: uma janela para o oitocentos. Rio de Janeiro: Topbooks, 1995.

FRAGOSO, João Luís Ribeiro. Sistemas agrários em Paraíba do Sul (1850-1920): um estudo de relações não-capitalistas de produção. 1983. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho Franco. Homens livres na ordem escravocrata. São Paulo: Ática, 1974.

GARAVAZO, Juliana. Riqueza e escravidão no Nordeste Paulista: Batatais, 1851-1887. 2006. Dissertação (Mestrado em História Econômica) – FFLCH – Universidade de São Paulo, São Paulo.

GENOVEZ, Patrícia Falco. Câmara dos Compadres: relações familiares na Câmara Municipal de Juiz de Fora (1853-1889). Lócus: revista de história, Juiz de Fora, v. 2, n. 2, 1996.

GOODWIN Jr., James William. A modernidade como projeto Conservador: a atuação da Câmara Municipal de Juiz de Fora, 1850-1888. Locus: revista de história, Juiz de Fora, v. 3, n.1, 1997.

GRAHAM, Sandra Lauderdale. Caetana diz não: histórias de mulheres da sociedade escravista brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

GUIMARÃES, Elione. Violência entre parceiros de cativeiro: Juiz de Fora, segunda metade do século XIX. São Paulo: Fapeb (Fundo de Apoio à Pesquisa na Educação Básica)/Annablume, 2006.

KLEIN, Herbert; LUNA, Francisco Vidal. Evolução da sociedade e economia escravistas de São Paulo, de 1750 a 1850. Trad. Laura Teixeira Motta. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2005.

LACERDA, Antonio Henrique Duarte. Os padrões de alforrias em um município cafeeiro em expansão: Juiz de Fora, Zona da Mata de Minas Gerais, 1844-1888. São Paulo: Fapeb/Annablume, 2006.

LANNA, Ana Lucia Duarte. A transformação do trabalho: a passagem para o trabalho livre na Zona da Mata Mineira 1870-1920. Campinas-SP: Editora da Unicamp, 1989.

LEWIN, Linda. Surprise heirs. Stanford: Stanford University Press, 2003.

LIBBY, Douglas C. Transformação e trabalho em uma economia escravista – Minas Gerais no século XIX. São Paulo: Brasiliense, 1988.

MARCONDES, Renato Leite. A arte de acumular na economia cafeeira: Vale do Paraíba, século XIX. Lorena-SP: Stiliano, 1998.

MARTINS, Roberto. Minas Gerais, século XIX: tráfico e apego a escravidão numa economia não-exportadora. Estudos Econômicos, 13 (1): 181-209, jan./abr. 1983.

MATTOSO, Kátia. Ser escravo no Brasil. 3 ed. São Paulo: Brasiliense, 1990.

MELLO, Zélia Cardoso de. Metamorfoses da riqueza: São Paulo, 1845-1895. São Paulo: Hucitec/Prefeitura do Município de São Paulo/Secretaria Municipal de Cultura, 1985.

METCALF, Alida. Fathers and sons: the politics of inheritance in a Colonial Brazilian Township. ispanic American Historical Review, v. 66, n. 03, 1986.

NAZZARI, Muriel. Disappearance of the Dowry. Women, families, and social change in São Paulo, Brazil, 1600-1900. Stanford: Stanford University Press, 1991.

OLIVEIRA, Flávia Arlanch Martins de. Famílias proprietárias e estratégias de poder local no século passado. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 9, n. 17, set. 88/fev. 89.

OLIVEIRA, Lélio Luiz de. Economia e história em Franca: século XIX. Franca-SP: UNESP-FHDSS/Amazonas Prod. Calçados, 1997.

OLIVEIRA, Mônica Ribeiro de. Negócios de famílias: mercado, terra e poder na formação da cafeicultura mineira, 1780-1870. Bauru-SP: Edusc; Juiz de Fora-MG: FUNALFA, 2005.

PIRES, Anderson José. Capital agrário, investimento e crise na cafeicultura de Juiz de Fora (1870-1930). 1993. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ.

RODRIGUES. André Figueiredo. Um potentado na Mantiqueira:José Aires Gomes e a ocupação da terra na Borda do Campo. 2002. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da. Sistema de casamento no Brasil Colonial. São Paulo: T.A. Queiroz/EDUSP, 1984.

SLENES, Robert. Os múltiplos de porcos e diamantes: a economia escrava de Minas gerais no século XIX. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 18, n. 03, 1988.

SOUZA, Elza Coelho de. Distribuição das propriedades rurais no Estado de Minas Gerais. Revista Brasileira de Geografia, 13(1), p. 52-3, jan./mar. 1951.

SOUZA, Sonia Maria de. Além dos cafezais: produção de alimentos e mercado interno em uma região de economia agroexportadora - Juiz de Fora na segunda metade do século XIX. 1999. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ.

SOUZA, Sonia Maria de. Terra, família, solidariedade...: estratégias de sobrevivência camponesa no período da transição - Juiz de Fora (1870-1920). 1. ed. Bauru: EDUSC, 2007.

STEIN, Stanley. Grandeza e decadência do café no Vale do Paraíba, com referência especial ao município de Vassouras. São Paulo: Brasiliense, 1961.




Fronteiras: Revista de História - PPGH/FCH/UFGD
 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.