Relações de poder na sucessão da gestão na agricultura familiar: uma análise no Assentamento Santa Olga em Nova Andradina/MS

Fabiano Greter Moreira, Madalena Maria Schlindwein

Resumo


O presente artigo visa fomentar discussões sobre as relações de poder no campo da administração, em especial, na gestão dos processos sucessórios no contexto da agricultura familiar. Várias são as circunstâncias e as formas de subjetivar as pessoas, sobretudo as mulheres na condição apenas de paciente e não agente de transformação e mudanças. Ao contemplar a agricultura familiar em um assentamento, pode-se presenciar como tem sido comum o feminino à frente das atividades operacionais, antes realizadas apenas pelo masculino, além de suas responsabilidades historicamente conceituadas de provedora do lar e da família. Dessa forma, esta pesquisa objetiva evidenciar as relações de poder no que concernem à sucessão da gestão na agricultura familiar no Assentamento Santa Olga, localizado no Município de Nova Andradina – MS, polarizando a transição de poderes, resistências e responsabilidades da mulher no campo. Apresenta, como método de pesquisa, um estudo qualitativo, por meio de questionário e entrevistas. Os principais resultados apontam a mulher como propulsora de muitas famílias, e, ainda, produtora, mãe e empresária rural.

Palavras-chave


Campo. Mulher. Responsáveis.

Texto completo:

PDF


Fronteiras: Revista de História - PPGH/FCH/UFGD
 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.