Notícias da guerra que não acabou: a Guerra do Paraguai (1864- 1870) rememorada pelos índios Kadiwéu

Giovani José da Silva

Resumo


O artigo objetiva problematizar a memória dos Kadiwéu sobre a Guerra do Paraguai (1864-1870), revelando como guerras e alianças são pensadas por estes indígenas. Os Kadiwéu habitam atualmente a Reserva Indígena Kadiwéu, no município sul-mato-grossense de Porto Murtinho, em uma área com mais de meio milhão de hectares. Contam os índios mais velhos que a Reserva, a maior do Centro-sul brasileiro na atualidade, foi conquistada graças à tenaz participação do grupo na Guerra do Paraguai. Conclui-se que a memória do conflito platino, que para muitos Kadiwéu nunca terminou, ainda hoje é celebrada de diversas formas, por um povo indígena que já foi e deseja continuar sendo destacado como cavaleiro e guerreiro.

Palavras-chave


Guerra do Paraguai. Índios Kadiwéu. Memória.

Texto completo:

PDF

Referências


BURKE, P. 2000. Variedades de história cultural. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2000.

CARNEIRO DA CUNHA, M. (Org.). 1992. Legislação indigenista no século XIX: uma compilação (1808-1889). São Paulo, Edusp/CPI-SP.

CONNERTON, P. 1999. Como as sociedades recordam. 2ª ed. Oeiras, Celta.

DICIONÁRIO da Língua Kadiwéu. Kadiwéu-Português. Português-Kadiwéu. 2002. Cuiabá, Sociedade Internacional de Lingüística (SIL).

DORATIOTO, F. 2002. Maldita guerra: nova história da Guerra do Paraguai. São Paulo: Companhia das Letras.

GUARINELLO, N. L. 1994. Memória coletiva e história científica. Revista Brasileira de História, São Paulo, 28(14):180-193.

JOSÉ DA SILVA, G. 2004. A construção física, social e simbólica da Reserva Indígena Kadiwéu (1899-1984): memória, identidade e história. Dissertação de Mestrado em História. Dourados, UFMS.

LE GOFF, J. 1992. História e memória. 2ª ed. Campinas, Unicamp.

PINA DE BARROS, E. 1989. Política indigenista, política indígena e suas relações com a política expansionista no II Império em Mato Grosso. Revista de Antropologia, São Paulo, 30-32:183-223.

PECHINCHA, M. T. S. 1994. Histórias de admirar: mito, rito e história Kadiwéu. Dissertação de Mestrado em Antropologia. Brasília, UnB.

POLLACK, M. 1992. Memória e identidade social. Estudos históricos, Rio de Janeiro, 5(10):200-215.

PREFEITURA Municipal de Porto Murtinho. 1998. Censo Kadiwéu 1998. Porto Murtinho. (Mimeografado)

RIBEIRO, D. 1980a. Kadiwéu: ensaios etnológicos sobre o saber, o azar e a beleza. Petrópolis, Vozes.

RIBEIRO, D. Uirá sai à procura de Deus: ensaios de etnologia e indigenismo. 3ª ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra.

SIQUEIRA JR., J. G. 1993. “Esse campo custou o sangue dos nossos avós”: a construção do tempo e espaço Kadiwéu. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social. São Paulo, USP.

TAUNAY, A. de E. 1931. Entre nossos índios: chanés, terenas, kinikinaus, guanás, laianas, guatós, guaycurus, caingangs. São Paulo, Melhoramentos.

VASCONCELOS, C. A. de. 1999. A questão indígena na Província de Mato Grosso: conflito, trama e continuidade. Campo Grande, UFMS.




Fronteiras: Revista de História - PPGH/FCH/UFGD
 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.