O significado histórico e sociológico do uso da mentira na vida cotidiana

Márcio Alexandre Barbosa Lima

Resumo


O autor analisa a mentira numa perspectiva sociológica. Para isso, faz um levantamento histórico de seu uso em diferentes sociedades e a considera como forma de resistência e ao mesmo tempo de adaptação a situações de dominação política e religiosa. É possível pensar a mentira como expressão de uma consciência social incapaz de transformar as condições sociais contra as quais os indivíduos que dela se utilizam, lutam.

Palavras-chave


Sociologia. Religião. Política.

Texto completo:

PDF

Referências


BECKER, Howard S. 1977. Uma teoria da ação coletiva. Rio de Janeiro, Zahar.

BOURDIEU, Pierre. 2000. O Poder Simbólico. 3º edição, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil.

COLLODI, Carlo. 2002. As aventuras de Pinóquio. São Paulo, Companhia das Letras.

DA MATTA, Roberto.1997. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. 6ª edição, Rio de Janeiro, Rocco.

DURKHEIM, Emile. 1983. Lições de sociologia: a moral, o direito e o Estado. São Paulo, T. A. Queiroz.

GIDDENS, Anthony. 1991. As conseqüências da modernidade. São Paulo. Editora Unesp.

HELLER, Agnes. 1985. The Power of Shame. London, Routledge & Kegan Paul.

HELLER, Agnes. 2000. O cotidiano e a história. 6ª edição, São Pulo, Paz e Terra.

LEFEBVRE. Henri. 1991. A vida cotidiana no mundo moderno. São Paulo, Ática.

MERTON, Robert. 1970. Sociologia, teoria e Estrutura. Chicago, Mestre Jou.

PIAGET, Jean. 1932. Le jugement moral chez l’enfant. Paris, Felix Lacan.

SIMMEL, Georg. 1986. Sociologia 1: estudios sobre las formas de socialización. Madrid, Alianza Editorial.

TEDESCO, João Carlos. 1999. Paradigmas do Cotidiano: introdução à constituição de um campo de análise social. Santa Cruz do Sul, EDUNISC.

VELHO, Gilberto. 1999. Desvio e Divergência: uma crítica da patologia social. 7º edição, Rio de Janeiro, Zahar.

WEBER, Max. 1964. Economía y sociedad: esbozo de sociología comprensiva. México, Fondo de Cultura Economíca.

ZAGORIN, Peres. 1996. “The Historical Significance of Lying and Dissimulation”, Social Research, 3(63):870-907.




Fronteiras: Revista de História - PPGH/FCH/UFGD
 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.