De "comunidade" para "sociedade": memória social e luta por autonomia nos 50 anos da Revolta dos Colonos no Sudoeste do Paraná

Walter Marschner

Resumo


O presente artigo faz uma análise da Revolta dos Colonos, ocorrida no Sudoeste do Paraná em 1957, relacionando o fato histórico com a posterior consolidação de movimentos camponeses e estruturas de representação política na região. O artigo destaca o papel da memória social e da tradição em processos de mudanças de sociedades camponesas. A análise da Revolta e de seus desdobramentos quer mostrar como a memória social permite a identidade camponesa de se recriar no tempo e espaço, possibilitando formular um projeto de desenvolvimento de relativa autonomia dentro das complexas relações do capitalismo globalizado.

Palavras-chave


Movimentos sociais do campo, Memória social, Tradição, Desenvolvimento sustentável

Texto completo:

PDF

Referências


ASSESOAR. História e memória – 1957 a 2007. Revista Cambota, Francisco Beltrão, v. 259, ano XXXIII, 2007.

ASSMANN, Jan. Das kulturelle Gedächtnis: Schrift, Erinnerung und politische Identität in frühen Hochkulturen. 3. Aufl., München, Beck Verlag, 2000.

ABRAMOVAY, Ricardo. Transformações na vida camponesa: o sudoeste paranaense. 1981. Tese (Mestrado) – Universidade de São Paulo, São Paulo.

ABRAMOVAY, Ricardo. A agricultura familiar entre setor e o território. São Paulo, 2005. Disponível em: http://www.econ.fea.usp.br/abramovay/outros_trabalhos/2005/. Acesso em: jun. 2006.

ANDRADE, Manuel C. A. A questão do território no Brasil. São Paulo: Hucitec, 1995.

BATTISTI, Elir. As disputas pela terra no sudoeste do Paraná: os conflitos fundiários dos anos 50 e 80 do século XX. In: CAMPO-TERRITÓRIO – Revista de Geografia Agrária, v. 1, n. 2, p. 65-91, ago. 2006.

BECK, Ulrich et al. Reflexive modernisierung: eine Kontroverse. Frankfurt/M.: Suhrkamp, 1996.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas lingüísticas: o que falar quer dizer. São Paulo: EDUSP, 1996.

BONETTI, Lindomar W. A exclusão social dos caboclos do sudoeste do Paraná. Francisco Beltrão: ASSESOAR, 1997. (Manuscrito não publicado).

CARVALHO, Horácio M. (Org.). O campesinato no século XXI: possibilidades e condicionantes do desenvolvimento do campesinato no Brasil. Curitiba, 2004. mimeo.

FERES, João B. Propriedade da terra: opressão e miséria: o meio rural na história social do Brasil. Amsterdam: CEDLA, 1990.

GIDDENS, Anthony. As consequências da Modernidade. 3.ed. São Paulo: Unesp, 1991.

GIDDENS, Anthony. Die Konstitution der Gesellschaft. Grundzüge einer Theorie der Strukturierung. 3. ed. Frankfurt/M.: Campus Verlag, 1997.

GRAZIANO DA SILVA, José. A modernização dolorosa: Estrutura agrária, fronteira agrícola e trabalhadores rurais no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981.

GOMES, Iria Zanoni. 1957. A revolta dos posseiros. São Paulo: Criar, 1986.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2004.

LAGRAVE, Rose-Marier. Le village romane. Le Paradou: Editions Actes Sud, 1980.

LAZIER, Hermógenes. Análise histórica da posse de terra no Sudoeste Paranaense. 3. ed. Francisco Beltrão: Grafit, 1998.

LEFEBVRE, Henri. Kritik des Alltagslebens: Grundrisse einer Soziologie der Alltäglichkeit. Frankfurt/M.: Fischer Taschenbuch-Verlag, 1987.

MARSCHNER, Walter R. Die Kämpfe um MutterErde. Eine empirisch-qualitative Untersuchung über soziale Konflikte landloser Campesinos in Südbrasilien unter besonderer Berücksichtigung raum- und Handlungssoziologischer Kategorien. Disponível em: http://www.sub.uni-hamburg.de/opus/volltexte/2005/2606/. Acesso em: jun. 2007.

MARTINS, José de Souza. Os camponeses e a política no Brasil: as lutas sociais no campo e seu lugar no processo político. Petrópolis: Vozes, 1981.

MARTINS, José de Souza. A sociabilidade do homem simples: cotidiano e história na modernidade anômala. São Paulo: Hucitec, 2000.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Referências para uma estratégia de desenvolvimento rural sustentável no Brasil. Brasília: Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável/NEAD, 2005.

MOSCOVICI, Serge. The phenomenon of social representations. In: FARR, Robert und; MOSCOVICI, Serge. Social Representations. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

MUSUMECI, Leonarda. O mito da terra liberta. São Paulo: Vértice/ANPOCS, 1988.

PUTNAM, R. Comunidade e democracia; a experiência da Itália Moderna. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1996.

SCHNEIDER, Sergio. Da Crise da sociologia rural à emergência da sociologia da agricultura: reflexões a partir da sociologia norte-americana. In: Cadernos de Ciência e Tecnologia, Brasilia: UNB, Bd. 14, n. 2, 225f, 1997.

TÖNNIES, Ferdinand. Gemeinschaft und Gesellschaft: Grundbegriffe der reinen Soziologie. 3. ed. Darmstadt: Wissenschaftliche Buchgesellschaft, 1991.

VILELLA, Sergio L. Globalização e emergência de múltiplas ruralidades: reprodução social de agricultores via produtos para nichos de mercado. 1999. Tese (Doutorado) – Unicamp, Campinas.

WACHOWICZ, Ruy C. Paraná, Sudoeste: ocupação e colonização. 2. Aufl. Curitiba: Vicentina, 1987.

WANDERLEY, Maria N. B. Raízes históricas do campesinato brasileiro. In: CARVALHO, Horácio Martins de (Org.). Campesinato no Século XXI. Petrópolis: Vozes, 2005.

WAIBEL, Leo. Leo Waibel als Forscher und Planer in Brasilien: vier Beiträge aus der Forschungstätigkeit 1947 - 1950. Stuttgart: Steiner, 1984.

WOORTMANN, Klaas. “Com parente não se neguceia”: O campesinato como ordem moral. In.: Anuário Antropológico, Rio de Janeiro, n. 87, 1990.

WOORTMANN, Ellen F.; WOORTMANN, Klaas. O trabalho da terra: a lógica e a simbólica da lavoura camponesa. Brasília: UnB, 1997.




Fronteiras: Revista de História - PPGH/FCH/UFGD
 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.