A necessária diversificação da matriz energética no Piauí: uma reflexão sociojurídica e econômica à luz da regulação alemã da energia renovável

Emmanuel Rocha Reis, Sebastião Patrício Mendes da Costa

Resumo


O presente trabalho pretende contribuir com a discussão referente à expansão da energia eólica no Estado do Piauí - Brasil e o uso dessa tecnologia na matriz estadual energética, em consonância com o objetivo de desenvolvimento sustentável proposto pela Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU). A energia eólica passou a ser percebida como novo marco econômico do Estado, levando a uma interação do uso de recursos naturais, via tecnologia, e os anseios sociais das comunidades, através de possíveis diretrizes sociojurídicas e econômicas de não imposição tecnológica, em consonância com Sarlet (2012) e Molinaro (2015), mas de integração entre as instituições e os anseios sociais, utilizando a regulação Alemã como atributo comparativo quanto à normatização energética renovável. Assim, por meio de uma metodologia exploratória e descritiva, utilizando o procedimento de pesquisa documental e bibliográfica, aspira-se um resultado qualitativo na análise de protocolos de conexão entre a regulação da energia eólica no Estado do Piauí – Brasil e a implantação de tecnologia eólica na Alemanha, buscando resultados que denotem o uso da energia eólica piauiense como nicho econômico sustentável.

Palavras-chave


Energia Eólica. Tecnologia. Desenvolvimento Sustentável. Regulação alemã.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARANTE, Odilon A. Camargo; BROWER, Michael; ZACK, John; SÁ, Antônio Leite. Atlas do Potencial Eólico Brasileiro. Brasília, 2001, p. 08-09

ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito Ambiental. 7ª ed., São Paulo: Lumen Juris, 2004.

BRASIL. AGENCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Atlas de Energia Elétrica no Brasil: Energia Eólica. 3. ed. Brasília, 2008. 236 p. Disponível em: http://www2.aneel.gov.br/arquivos/PDF/atlas3ed.pdf. Acesso em: 09 jul. 2019.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal,1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 09 jul. 2019.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade - ADI 3540. Julgada em 2005. Requerente: Procurador – Geral da República. Ministro Relator Celso de Mello. 01 de setembro de 2005. Disponível em: http://portal.stf.jus.br/processos/detalhe.asp?incidente=2311268. Acesso em: 09 jul. 2019.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL : AgRg no AREsp 226534 CE 2012/0185429-6. Relator: Ministro Napoleão Nunes Maia Filho. Julgado em 09 de março de 2017. DJE 27 de março de 2017. Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/450541076/agravo-regimental-no-agravo-em-recurso-especial-agrg-no-aresp-226534-ce-2012-0185429-6/inteiro-teor-450541086. Acesso em: 15 jul. 2019.

BRASIL. Lei Federal n. 10.438 de 26 de abril de 2002. Dispõe sobre Programa de Incentivo às fontes Alternativas de Energia Elétrica – PROINFA. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10438.htm. Acesso em: 28 jun. 2019.

BRASIL. Lei Federal n. 11.943, de 28 de maio de 2009. Autoriza a União a participar de Fundo de Garantia a Empreendimentos de Energia Elétrica – FGEE. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L11943.htm. Acesso em: 30 jun. 2019.

CABRAL, Anne. Regime Jurídico da energia eólica no Brasil: uma discussão sobre autonomia tecnológica e revisão no sistema de leilões. Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, v. 269, p. 225-254, maio/ago. 2015. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rda/issue/archive. Acesso em: 15 jul. 2019.

COSTA, Sebastião Patrício Mendes; ZANIN, Fabrício Carlos. Direito, Antropologia e Pesquisa Empírica no Brasil. A pesquisa jurídica empírica e os direitos fundamentais: a primazia do caso concreto. In: BRITO, Alessandra Mizuta de; COSTA, Sebastião Patrício Mendes da (Orgs.). Porto Alegre, RS: Editora Fi, 2017.

CHINESA CGN compra 2 usinas de nova energia no Brasil. Portal China Hoje, 28 junho 2019. Disponível em: http://www.chinahoje.net/chinesa-cgn-compra-3-usinas-de-nova-energia-no-brasil/. Acesso em: 09 jul. 2019.

DUTRA, Ricardo Marques. Propostas de políticas específicas para energia eólica no Brasil após a

primeira fase do Proinfa. Tese (doutorado) — Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação

e Pesquisa em Engenharia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Balanço Energético Nacional 2018. Disponível em: http://epe.gov.br/pt/publicacoes-dados-abertos/publicacoes/balanco-energetico-nacional-2018. Acesso em 22 jun. 2019.

FENSTERSEIFER, Tiago. Direitos Fundamentais e Proteção do Ambiente: A dimensão ecológica da dignidade humana no marco jurídico-constitucional do Estado Socioambiental de Direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008.

FERREIRA, Henrique Tavares. Energia eólica: Barreiras a sua participação no setor elétrico brasileiro. 2008. Dissertação (Mestrado em Energia) - Energia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. doi:10.11606/D.86.2008.tde-10082011-163252. Acesso em: 20 jun. 2019.

FIORILLO, Celso Antônio. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. 6ª ed.São Paulo: Saraiva, 2005.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª ed. – São Paulo: Atlas, 2008.

GOMES, Carla Amado. Energias Renováveis e Sustentabilidade. In: Sustentabilidade e energia: um diálogo ibero-brasileiro / Coordenadores Anderson Schreiber, Carla Amado Gomes, Nathalie Giordano; Organizador Centro de Estudos Jurídicos da Procuradoria Geral do Estado – Rio de Janeiro: PGE-RJ, Centro de Estudos Jurídicos-CEJUR, 2018. Disponível em: https://www.pge.rj.gov.br/comum/code/MostrarArquivo.php?C=MzMxOA%2C%2C. Acesso em 30 de agosto de 2019.

HOCKENOS, Paul. Clean Energy Wire. The history of the Energiewende. 2015. Disponível em : https://www.cleanenergywire.org/dossiers/history-energiewende. Acesso em: 31 agosto 2019.

HOFFMANN-RIEM, Wolfgang. Direito, Tecnologia e Inovação. In: GILMAR FERREIRA MENDES; INGO WOLFGANG SARLET; ALEXANDRE Z. P. COELHO. (Org.). Série Direito Inovação e Tecnologia. São Paulo: Saraiva. Edição do Kindle, 2015, v. 1, Locais do Kindle 266.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Síntese de Indicadores Sociais. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pi/pesquisa/45/77295. Acesso em: 09 jul. 2019.

LOPEZ, Ricardo Aldabó. Energia eólica. 2. ed. São Paulo: Artliber, 2012.

MELO, Elbia. Fonte eólica de energia, aspectos de inserção, tecnologia e competitividade.

Estudos Avançados, São Paulo, v. 27, n. 77, p. 126, jan./abr. 2013. ISSN 0103-4014.

MOLINARO, Carlos; SARLET, Ingo. Apontamentos sobre Direito Ciência e Tecnologia na perspectiva de políticas públicas sobre regulação em Direito e Tecnologia. In: GILMAR FERREIRA MENDES; INGO WOLFGANG SARLET; ALEXANDRE Z. P. COELHO. (Org.). Série Direito Inovação e Tecnologia. São Paulo: Saraiva, 2015, v. 1, p. 85-122.

PEREIRA NETO, Aloísio Pereira. A energia eólica no direito ambiental brasileiro. Rio de Janeiro: Synergia Editora, 2014.

NORTH, D. C. Institutions, institutinal change and economic performance. New York:

Cambrisge University Press, 2007.

OBJETIVOS de Desenvolvimento Sustentável – n. 7 – Energia Acessível e Limpa: Assegurar o acesso confiável, sustentável, moderno e a preço acessível à energia para todos. Agenda 2030. Disponível em: http://www.agenda2030.com.br/ods/7/. Acesso em: 09 jul. 2019.

PIAUÍ (Estado). Lei Estadual n. 6.901/2016, de 28 de novembro de 2016. Disponível em: http://servleg.al.pi.gov.br:9080/ALEPI/consultas/norma_juridica/norma_juridica_mostrar_proc?cod_norma=4039. Acesso em: 09 jun. 2019.

PIAUÍ é a nova fronteira para o mercado de energia eólica no Brasil. CERNE, Rio Grande do Norte, 05 janeiro 2019. Disponível em: http://cerne.org.br/piaui-e-a-nova-fronteira-para-o-mercado-de-energia-eolica-no-brasil/. Acesso em: 09 jul. 2019.

RISSI, Rosmar. Teoria do Mínimo Existencial à luz de pressupostos democráticos. Dissertação (Mestrado em Direito) – Programa de Pós Graduação em Direito Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Orientação [por] Maria Eugenia Bunchaft. São Leopoldo: UNISINOS, 2014.

SARLET, Ingo Wolfgang. Os Direitos Fundamentais Sociais Na Constituição de 1988. Revista Diálogo Jurídico, Salvador, CAJ - Centro de Atualização Jurídica, v. 1, nº. 1, 2001. P 1-46. Disponível em: http://files.camolinaro.net/200000611-9669597622/OS%20DIREITOS%20FUNDAMENTAIS%20SOCIAIS%20NA%20CONST_1988.pdf. Acesso em: 20 jun. 2019.

SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais: uma teoria geral dos direitos fundamentais na perspectiva constitucional. 11° ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012.

SARLET, Ingo Wolfgang. Estado Socioambiental e Direitos Fundamentais. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2010.

SARMENTO, Daniel. O Mínimo Existencial. Revista de Direito da Cidade, vol. 08, nº 4. ISSN 2317-7721 pp. 1644- 1689 1644, 2016. Disponível em https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/rdc/article/download/26034/19156. Acesso em 25 jun. 2019.

SÁTIRO, Guadalupe Souza; MARQUES, Verônica Teixeira; OLIVEIRA, Liziane Paixão Silva. O RECONHECIMENTO JURÍDICO DO DIREITO AO DESENVOLVIMENTO SOB A PERSPECTIVA EMANCIPATÓRIA DOS DIREITOS HUMANOS. Revista Arquivo Jurídico – ISSN 2317-918X – Teresina-PI – v. 2 – n. 2 – p. 2-22 Jul./Dez. de 2015. Disponível em http://www.ojs.ufpi.br/index.php/raj/article/view/4669/2692. Acesso em 31 de agosto 2019.

SIMAS, Moana; PACCA, Sergio. Energia eólica, geração de empregos e desenvolvimento sustentável. Estud. av. São Paulo, v. 27, n. 77, p. 99-116, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142013000100008&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 25 jun. de 2019.

SOUZA, Washington Peluso Albino de. Primeiras Linhas de Direito Econômico. 6ª ed. São Paulo: LTr, 2005.

STEINDORFER, Fabricio. Energias renováveis: meio ambiente e regulação. Curitiba: Juruá, 2018.

VEIGA, José Eli. Energia eólica. São Paulo: SENAC, 2012.

WOLKMER, Antônio Carlos. Pluralismo Jurídico, direitos humanos e interculturalidade. Revista Sequência, Florianópolis, n. 54, p. 113-128, dez. 2006.




DOI: https://doi.org/10.30612/videre.v11i22.10328

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/

 
 
 
Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.