Secas e crises hídricas no Sudeste do Brasil: um histórico comparativo entre os eventos de 2001, 2014 e 2021 com enfoque na bacia do rio Paraná

Autores

DOI:

https://doi.org/10.55761/abclima.v32i19.16154

Palavras-chave:

Eventos de seca, Aspectos físicos da seca, Aspectos políticos da crise hídrica, Impactos socioeconômicos ambientais

Resumo

O presente trabalho realiza um comparativo entre os três principais eventos de seca e crise hídrica ocorridos a partir do início do século XXI, nos anos 2001, 2014 e 2021. Por meio de revisão bibliográfica, realizou-se o levantamento de dados e informações que tangem aspectos físicos, políticos e socioeconômicos ambientais para cada um desses eventos no Sudeste do Brasil, com foco sobre as regiões que integram a Bacia do Rio Paraná. O aspecto físico abrange índices de precipitação, vazão e temperatura, bem como nível de intensidade da seca para cada evento; o aspecto político compreende as informações sobre políticas públicas e tomadas de decisão frente ao alerta e durante as crises; por fim, os impactos sociais, econômicos e ambientais advindos dos eventos de seca são contemplados no aspecto socioeconômico ambiental. Com base no comparativo, pôde-se concluir que a implantação ou melhoria de ferramentas auxiliares no monitoramento de seca e de seus impactos aconteceram ao longo dos anos, mas políticas de gestão dos recursos hídricos e de seus riscos, com atenção às pessoas vulnerabilizadas, ainda precisam ser efetivamente incorporadas para minimização dos efeitos de tais eventos e, maior resiliência e adaptabilidade das áreas afetadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Meiriele, Programa de Pós-Graduação em Ciência do Sistema Terrestre, Divisão de Impactos, Adaptação e Vulnerabilidades, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Graduada em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal de Viçosa (UFV) e Mestra em Ciências pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), no curso de Engenharia Aeronáutica e Mecânica, área de Propulsão e Energia. Durante a graduação, desenvolveu trabalhos com uso de técnicas de Dinâmica dos Fluidos Computacional (CFD) para avaliação da ventilação natural em ambientes construídos, como uma estratégia para economia de energia elétrica via redução de sistemas mecânicos de ventilação. No mestrado, também fez uso de CFD para análise de eficiência de conversão de energia em difusores de turbinas aeronáuticas. Atualmente, é doutoranda pelo Instituto Nacional de Pesquisa Espaciais (INPE), no curso de Ciência do Sistema Terrestre (CST), na área de Energia de Fontes Renováveis, com foco na transição energética em resposta às questões das mudanças climáticas.

Mariane, Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Uso de Recursos Renováveis, Centro de Ciências e Tecnologia para a Sustentabilidade, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Bióloga, mestra em Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente (área de concentração: Plantas Vasculares em Análises Ambientais), doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Uso de Recursos Renováveis da Universidade Federal de São Carlos. Tem experiência em Botânica, na área de ecofisiologia da germinação de sementes de espécies florestais nativas. Desenvolveu estudos com déficit hídrico e aferição de métodos de análise de germinação. Atualmente se dedica a estudos com atributos funcionais, semeadura direta, qualidade de sementes e mudanças climáticas.

Thaís, Programa de Pós-Graduação em Sensoriamento Remoto, Divisão de Observação da Terra e Geoinformática, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Graduada em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP/Rio Claro), modalidade licenciatura plena e bacharel com ênfase em Geoprocessamento e Análise Ambiental. Atualmente, é mestranda pelo Instituto Nacional de Pesquisa Espaciais (INPE) no curso de Pós-Graduação em Sensoriamento Remoto e, faz parte do TREES - TRopical Ecosystems and Environmental Sciences lab. É bolsista CAPES de mestrado, atuando nos seguintes temas: Sensoriamento Remoto, Ciências Ambientais, Monitoramento de Queimadas e Mudanças Climáticas.

Gilvan, Coordenação-Geral de Ciências da Terra, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Doutor e Mestre em Meteorologia pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Bacharelado em Meteorologia pela Universidade de São Paulo. Atualmente é Coordenador-geral de Ciências da Terra do INPE. Foi Coordenador-geral do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) do INPE. Pesquisador junto à Divisão de Modelagem e Desenvolvimento (DMD) do CPTEC/INPE e do Grupo de Interações Biosfera-Atmosfera do Centro de Ciência do Sistema Terrestre (CCST) do INPE, onde pesquisa os impactos das mudanças de usos da terra e do aquecimento global no clima local, regional e global utilizando modelos de circulação geral da atmosfera, modelos do sistema terrestre e modelos de vegetação dinâmica. Coordenador da sub-rede Modelagem Climática da Rede Brasileira de Pesquisas em Mudanças Climáticas (Rede Clima) Autor de livros sobre mudanças climáticas e sobre os fenômenos El Niño e La Niña. Possui diversas publicações de artigos científicos internacionais e nacionais. Docente da Pós-Graduação em Ciência do Sistema Terrestre da DIIAV/INPE. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Meteorologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Interações Biosfera-Atmosfera, Modelagem Climática, Previsão climática, Estudos de Fenômenos Climáticos, Estudos do Clima, Mudanças Climáticas e Paleoclimatologia.

Marengo, Coordenação-Geral de Pesquisa e Desenvolvimento, Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN)

Possui graduação em Fisica y Meteorologia - Universidad Nacional Agraria (1981), mestrado em Ingenieria de Recursos de Agua y Tierra - Universidad Nacional Agraria (1987) em Lima, Peru e doutorado em Meteorologia - University of Wisconsin - Madison (1991) em EUA. Fez pós-doutorado na NASA-GISS e Columbia University em Nova York e na Florida State University na Flórida, EUA, em modelagem climática. Foi coordenador científico da previsão climática do CPTEC/INPE. Atualmente, é pesquisador titular e Coordenador Geral de Pesquisa e Desenvolvimento no CEMADEN (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais), ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), onde trabalha com eventos extremos, desastres naturais e redução de risco aos desastres. É professor na pós-graduação do INPE. É membro de vários painéis internacionais das Nações Unidas ( IPCC, WMO) e é membro de grupos de trabalho no Brasil e no exterior sobre mudanças de clima, e mudanças globais. É consultor na área de estudos ambientais de mudanças globais, impactos, vulnerabilidade e adaptação às mudanças climáticas e parecerista de diversas revistas científicas e de agências financiadoras nacionais e internacionais. É autor de mais de 250 artigos, capítulos de livros, livros, relatórios técnicos e trabalhos de congressos. Participa atualmente de vários projetos de pesquisa, com instituições brasileiras, inglesas, francesas e americanas, e têm intensificado atividades de docência e orientação de pesquisa, além de ser membro ativo em vários conselhos participativos de clima e hidrologia, mudanças climáticas e globais. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Meteorologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Amazônia, clima, mudança de clima, e modelagem de clima. É coordenador de projetos de pesquisa nacionais e internacionais, e tem ocupado cargos administrativos no INPE, onde foi Coordenador Geral do Centro de Ciência do Sistema Terrestre (CCST) de 2011-2014. Atualmente é membro do Comitê Científico do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas, CLA y RE dos Relatórios do IPCC AR5 GT1 e 2, e é Membro Titular da Academia Brasileira de Ciências, da Academia de Ciências do Estado de São Paulo, e da The World Academy of Sciences (TWAS). Foi e membro do Comitê Assessor de Ciências Ambientais do CNPq, e atualmente é editor associado do International Journal of Climatology e dos Annais da Academia Brasileira de Ciências.

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS E SANEAMENTO BÁSICO (ANA). Conjuntura dos recursos hídricos no Brasil: regiões hidrográficas brasileiras – Edição Especial. Brasília, DF: ANA, 2015. 163 p.

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS E SANEAMENTO BÁSICO (ANA). Conjuntura dos recursos hídricos no Brasil 2020: informe anual. Brasília, DF: ANA, 2020. 118 p.

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS E SANEAMENTO BÁSICO (ANA). Plano de contingência para a recuperação de reservatórios do Sistema Interligado Nacional: dezembro/2021 a abril/2022. Brasília, DF: ANA, 2021a. 11 p.

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS E SANEAMENTO BÁSICO (ANA). Atlas Águas: segurança hídrica do abastecimento urbano. Brasília, DF: ANA, 2021b. 332p.

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS E SANEAMENTO BÁSICO (ANA). Boletim Mensal de Monitoramento do Reservatório de Furnas - Outubro/2021. Brasília, DF: ANA. 2021c. 8p.

ALMEIDA, F. F. M. Fundamentos geológicos do relevo paulista. Revista do Instituto Geológico, São Paulo, v. 39, n. 3, p. 9-75, 2018.

ARAGÃO, L. E. O. C.; ET AL. ARAGÃO, L. E. O. C.; ANDERSON, L. O.; FONSECA, M. G.; ROSAN, T. M.; VEDOVATO, L. B.; WAGNER, F. H.; SILVA JUNIOR, C. V. J.; SILVA, C. H. L.; ARAI, E.; AGUIAR, A. P.; BARLOW, J.; BERENGUER, E.; DEETER, M. N.; DOMINGUES, L. G.; GATTU, L.; GLOOR, M.; MALHI, Y.; MARENGO, J. A.; MILLER, J. B.; PHILLIPS, O. L.; SAATCHI, S. 21st Century drought-related fires counteract the decline of Amazon deforestation carbon emissions. Nature Communications, United Kingdom, vol. 9, n. 1, p. 536-547, 2018.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Portaria n. 339, de 15 de agosto de 2018. Estabelece diretrizes para a importação de energia elétrica interruptível proveniente da República Argentina e da República Oriental do Uruguai. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 159, p. 60, 17 ago. 2018. Disponível em: https://www.in.gov.br/web/guest/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/37211389/do1-2018-08-17-portaria-n-339-de-15-de-agosto-de-2018-37211296. Acesso em: 19 out. 2021.

BRASIL. Medida Provisória n. 1.055, de 28 de junho de 2021. Institui a Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética com o objetivo de estabelecer medidas emergenciais para a otimização do uso dos recursos hidroenergéticos e para o enfrentamento da atual situação de escassez hídrica, a fim de garantir a continuidade e a segurança do suprimento eletroenergético no País. Diário Oficial da União: seção 1 - Extra A, Brasília, DF, n. 119 - A, 28 ago. 2021. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/medida-provisoria-n-1.055-de-28-de-junho-de-2021-328509026. Acesso em: 19 out. 2021.

BRAGA, B.; KELMAN, J. Facing the challenge of extreme climate: the case of Metropolitan São Paulo. Water Policy, London, v. 18, n. S2, p. 52–69, 2016.

CARRÃO, H.; NAUMANN, G.; BARBOSA, P. Mapping global patterns of drought risk: an empirical framework based on sub-national estimates of hazard, exposure and vulnerability. Global Environmental Change, United Kingdom, v. 39, p. 108-124, 2016.

CAVALCANTI, I. F. A.; KOUSKY, V. E. Drought in Brazil during summer and fall 2001 and associated atmospheric circulation features. Revista Climanálise, São Paulo, v. 02, n. 01, p. 1-10, 2001.

CENTRO DE PREVISÃO DE TEMPO E ESTUDOS CLIMÁTICOS/INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (CPTEC/INPE). Índice de Precipitação Padronizado (SPI). Disponível em: http://clima1.cptec.inpe.br/spi/pt. Acesso em: 29 out. 2021.

CENTRO NACIONAL DE MONITORAMENTO E ALERTAS DE DESASTRES NATURAIS (CEMADEN). Nota Técnica 31/Maio/2021: situação atual e previsão hidrometeorológica para a Bacia do Rio Paraná. São José dos Campos, 2021a. 8 p.

CENTRO NACIONAL DE MONITORAMENTO E ALERTAS DE DESASTRES NATURAIS (CEMADEN). Boletim Setembro/2021: monitoramento de Secas e Impactos no Brasil. São José dos Campos, ano 05, n. 40, 2021b. 11 p.

CENTRO NACIONAL DE MONITORAMENTO E ALERTAS DE DESASTRES NATURAIS (CEMADEN). [2022]. Disponível em: https://www.gov.br/cemaden/pt-br. Acesso em: 09 nov. 2022.

COELHO, C. A. S.; CARDOSO, D. H. F.; FIRPO, M. A. F. Precipitation diagnostics of an exceptionally dry event in São Paulo, Brazil. Theoretical and Applied Climatology, Germany, v. 125, n. 3, p. 769–784, 2016.

COHEN, D. A. The rationed city: the politics of water, housing, and land use in drought-parched São Paulo. Public Culture, United States, v. 28, n. 2, p. 261–289, 2016.

CÔRTES, P. L.; TORRENTE, M.; PINTO, A. P. A.; RUIZ, M. S.; DIAS, A. J. G.; RODRIGUES, R. Crise de abastecimento de água em São Paulo e falta de planejamento estratégico. Estudos Avançados, São Paulo, v. 29, n. 84, p. 7-26, 2015.

CUARTAS, L. A; CUNHA, A. P. M. A.; ALVES, J. A.; PARRA, L. M. P.; DEUSDARÁ-LEAL, K.; COSTA, L. C. O.; MOLINA, R. D.; AMORE, D.; BROEDEL, E.; SELUCHI, M. E.; CUNNINGHAM, C.; ALVALÁ, R. C. S.; MARENGO, J. A. Recent hydrological droughts in Brazil and their impact on hydropower generation. Water, Switzerland, v. 14, n. 4, 601, 2022.

CUNHA, A. P. M. A.; ZERI, M.; LEAL, K. D.; COSTA, L.; CUARTAS, L. A.; MARENGO, J. A.; TOMASELLA, J.; VIEIRA, R. M.; BARBOSA, A. A.; CUNNINGHAM, C.; GARCIA, J. V. C.; BROEDEL, E.; ALVALÁ, R.; RIBEIRO-NETO, G. Extreme drought events over Brazil from 2011 to 2019. Atmosphere, Switzerland, v. 10, n. 11, p. 642-662, 2019.

DE JESUS, E. T.; AMORIM, J. DA S.; JUNQUEIRA, R.; VIOLA, M. R.; DE MELLO, C. R. Meteorological and hydrological drought from 1987 to 2017 in Doce River Basin, Southeastern Brazil. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, Porto Alegre, v. 25, e29, p. 1-10, 2020.

DIAMOND, J. Colapso: como as sociedades escolhem o fracasso ou o sucesso. Rio de Janeiro: Record, 2005. 724 p.

ELETROBRÁS FURNAS. Sistema FURNAS: Usina de Furnas - 1.216 MW. Disponível em: https://www.furnas.com.br/furnas/?culture=pt. Acesso em: 29 nov. 2021.

EMPINOTTI, V. L.; BUDDS, J.; AVERSA, M. Governance and water security: the role of the water institutional framework in the 2013-15 water crisis in São Paulo, Brazil. Geoforum, United Kingdom, v. 98, p. 46-54, 2019.

GEIRINHAS, J. L.; RUSSO, A.; LIBONATI, R.; SOUSA, P. M.; MIRALLES, D. G.; TRIGO, R. M. Recent increasing frequency of compound summer drought and heatwaves in Southeast Brazil. Environmental Research Letters, United Kingdom, v. 16, n. 3, 034036, 2021.

GLOBAL PRECIPITATION CLIMATOLOGY CENTRE (GPCC). National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA). Disponível em: https://psl.noaa.gov/data/gridded/data.gpcc.html. Acesso em: 08 jul. 2022.

GOLDENBERG, J.; PRADO, L. T. S. Reforma e crise do setor elétrico no período FHC. Tempo Social, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 219-235, 2003.

GOMES, A. C. C.; BERNARDO, N.; ALCÂNTARA, E. Accessing the southeastern Brazil 2014 drought severity on the vegetation health by satellite image. Natural Hazards, Netherlands, v. 89, p. 1401-1420, 2017.

GONÇALVES, S. T. N.; VASCONCELOS JUNIOR, F. DAS C.; SAKAMOTO, M. S.; SILVEIRA, C. DA S.; MARTINS, E. S. P. R. Índices e Metodologias de Monitoramento de Secas: Uma Revisão. Revista Brasileira de Meteorologia, Rio de Janeiro, v. 36, n. 3 (suplemento), p. 495-511, 2021.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Bacias e divisões hidrográficas do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2021. 160 p. (Relatórios Metodológicos, ISSN 0101-2843; v. 48).

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET). Clima. Disponível em: https://clima.inmet.gov.br/. Acesso em: 29 out. 2021.

JACOBI, P. R.; CIBIM, J.; LEÃO, R. de S. Crise hídrica na Macrometrópole Paulista e respostas da sociedade civil. Estudos Avançados, São Paulo, v. 29, n. 84, p. 27-42, 2015.

JARDIM, C. H. A “crise hídrica” no sudeste do Brasil: aspectos climáticos e repercussões ambientais. Revista Tamoios, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 67-83, 2015.

LEME, A. A.O setor elétrico brasileiro entre as transformações contemporâneas: O caso da crise elétrica em 2001. Crítica e Sociedade, Uberlândia, v. 8, n. 1, p. 4-34, 2018.

MARENGO, J. A.; NOBRE, C. A.; SELUCHI, M. E.; CUARTAS, A.; ALVES, L. M.; MENDIONDO, E. A.; OBREGÓN, G.; SAMPAIO, G. A seca e a crise hídrica de 2014-2015 em São Paulo. Revista USP, São Paulo, n. 106, p. 31-44, 2015.

MARENGO, J. A.; ALVES, L. M. Crise hídrica em São Paulo em 2014: seca e desmatamento. Geousp – Espaço e Tempo, São Paulo, v. 19, n. 3, p. 485-494, 2015.

MEIRELES, S. Setor elétrico em choque. In: Cadernos do Terceiro Mundo. Rio de Janeiro: TerceiroMilênio, ano 25, n. 212, set. 1999. 80 p.

MELO, D. C. D.; SCANLON, B. R.; ZHANG, Z.; WENDLAND, E.; YIN, L. Reservoir storage and hydrologic responses to droughts in the Paraná River basin, south-eastern Brazil. Hydrologyand Earth System Sciences, Germany, v. 20, p. 4673-4688, 2016.

MILANI, E. J. Comentários sobre a origem e a evolução tectônica da Bacia do Paraná. In: MANTESSO-NETO, V.; BARTORELLI, A.; CARNEIRO, C. D. R.; BRITO-NEVES, B. B. (org.). Geologia do Continente Sul-Americano: evolução da obra de Fernando Flávio Marques de Almeida. São Paulo: Beca, 2004. cap. 16, p. 265-279.

MILLINGTON, N. Producing water scarcity in São Paulo, Brazil: the 2014-2015 water crisis and the binding politics of infrastructure. Political Geography, United Kingdom, v. 65, p. 26–34, 2018.

NOBRE, C. A.; MARENGO, J. A.; SELUCHI, M. E.; CUARTAS, A.; ALVES, L. M. Some characteristics and impacts of the drought and water crisis in Southeastern Brazil during 2014 and 2015. Journal of Water Resource and Protection, United States, v. 8, p. 252-262, 2016.

OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO (ONS). Avaliação das condições de atendimento eletroenergético do Sistema Interligado Nacional – estudo prospectivo julho a novembro de 2021. Rio de Janeiro: ONS, 2021. 50 p.

PIRES, J. C. L. O processo de reformas do setor elétrico brasileiro. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v. 6, n. 12, p. 137-167, 1999.

PIVELLO, V. R.; VIEIRA, I.; CHRISTIANINI, A. V; RIBEIRO, D. B.; MENEZES, L. S.; BERLINCK, C. N.; MELO, F. P. L.; MARENGO, J. A.; TORNQUIST, C. G.; TOMAS, W. M.; OVERBECK, G. E. Understanding Brazil's catastrophic fires: causes, consequences and policy needed to prevent future tragedies. Perspectives in ecology and conservation, Rio de Janeiro, v. 19, p. 233-255, 2021.

RICHTER, R. M.; JACOBI, P. R. Conflitos na macrometrópole paulista pela perspectiva da crise hídrica. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, Belo Horizonte, v. 20, n. 3, p. 556-569, 2018.

ROSA, L. P.; LOMARDO, L. L. B. The Brazilian energy crisis and a study to support building efficiency legislation. Energy and Buildings, Netherlands, v. 36, n. 2, p. 89–95, 2004.

ROSA, L. P. A crise energética: uma reputação empírica do modelo econômico neoliberal. In: LESSA. C. (org.). O Brasil à luz do apagão. Rio de Janeiro: Palavra e Imagem, 2001. 320 p.

SILVA JUNIOR, C. H. L.; ARAGÃO, L. E. O. C.; FONSECA, M. G.; ALMEIDA, C. T.; VEDOVATO, L. B.; ANDERSON, L. O. Deforestation-induced fragmentation increases forest fire occurrence in Central Brazilian Amazonia. Forests, Switzerland, v. 9, n. 305, p. 1-16, 2018.

SOUSA JÚNIOR, M. A. S.; LACRUZ, M. S. P. Sensoriamento remoto para seca/estiagem. In: SAUSEN, T. M.; LACRUZ, M. S. P. (org.). Sensoriamento Remoto para desastres. São Paulo: Oficina de Textos, 2015. cap. 6, p. 149-169.

UNITED NATIONS OFFICE FOR DISASTER RISK REDUCTION (UNDRR). GAR Special Report on Drought 2021. Geneva, 2021. 208 p.

WILHITE, D. A.; GLANTZ, M. H. Understanding the Drought Phenomenon: the Role of Definitions. Water International, United Kingdom, v. 10, n. 3, p. 111-120, 1985.

WILHITE, D. A.; SIVAKUMAR, M. V. K.; PULWARTY, R. Managing drought risk in a changing climate: the role of national drought policy. Weather and Climate Extremes, Netherlands, v. 3, p. 4-13, 2014.

WORLD METEOROLOGICAL ORGANIZATION (WMO). Drought monitoring and early warning: concepts, progress and future challenges. Weather and climate information for sustainable agricultural development. WMO, n. 1006, 2006. 24 p.

WORLD METEOROLOGICAL ORGANIZATION (WMO); GLOBAL WATER PARTNERSHIP (GWP). National drought management policy guidelines: a template for action. Integrated Drought Management Programme (IDMP) Tools and Guidelines Series 1. Suiça: WMO, Suécia: GWP, 2014. 40 p.

WORLD METEOROLOGICAL ORGANIZATION (WMO). State of the Climate in Latin America and the Caribbean 2021. WMO, n. 1295, 2022. 44 p.

Downloads

Publicado

10-01-2023

Como Citar

Alvarenga Cumplido, M., Inocente, M. C., Pereira de Medeiros, T., Sampaio de Oliveira, G., & Marengo, J. A. (2023). Secas e crises hídricas no Sudeste do Brasil: um histórico comparativo entre os eventos de 2001, 2014 e 2021 com enfoque na bacia do rio Paraná. Revista Brasileira De Climatologia, 32(19), 129–153. https://doi.org/10.55761/abclima.v32i19.16154

Edição

Seção

Artigos