Uberização, ode à crise e precarização: desempenho, cansaço e colonização do tempo

Autores

  • Agnes Cruz de Souza

DOI:

https://doi.org/10.30612/mvt.v8i14.15017

Resumo

O artigo discute perspectivas contemporâneas relacionadas ao mundo do trabalho e a intensidade das transformações práticas, teóricas e discursivas no contexto da ordem capitalista neoliberal que invocam, por um lado, a noção de liberdade, autonomia, flexibilização e incentivo ao empreendedorismo e, por outro, redimensionam o âmbito da precarização configurando uma ordem facetada por reformas trabalhistas e sociais que reduzem o espaço de direitos. Referencia-se o processo de uberização do trabalho, a noção de cansaço, colonização de tempo 24/7 e a incrustação da precarização de categorias amplas e significativas de trabalhadores. Procura-se observar de que maneira os fatores elencados associam-se à legitimação, cristalização, incentivo e acentuação da falta de limites com relação à exploração e desestabilização das condições de trabalho na atualidade. Conclui-se que a tecnologia inaugura novos padrões e processos de trabalho e estes são permeados por empregos precários, mal remunerados e instáveis afetando de forma ampla a vida dos trabalhadores uberizados, para além da esfera laboral. Os recursos metodológicos do texto perpassam por recortes teóricos das obras de Antunes (2020, 2018, 2009), Abílio (2020, 2019a, 2019b), Crary (2016) e Han (2017), além de aportes midiáticos e artísticos para referenciar a realidade das condições e experiências do trabalho na atualidade: a série Years and years (2019) produzida pela BBC e HBO, o curta-documentário Vidas Entregues (2019) de Renato Prata Bitar, o filme Você não estava aqui (2019) dirigido por Ken Loach e o quadro modernista de Goya, O sono da razão produz monstros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Agnes Cruz de Souza

Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) no Campus Boituva, agnesouzasoc@gmail.com.

Downloads

Publicado

02/08/2021

Como Citar

Souza, A. C. de. (2021). Uberização, ode à crise e precarização: desempenho, cansaço e colonização do tempo. MovimentAção, 8(14), 11–23. https://doi.org/10.30612/mvt.v8i14.15017

Edição

Seção

Dossiê: As fronteiras do trabalho em tempos de crise