Asfixia mecânica versus centralidade do trabalho: a pandemia que desmascara a retórica capitalista

Igor Souza de Abreu, Marlene Souza dos Santos

Resumo


Os debates provocados pelo cenário pandêmico que se instaurou no país e no mundo, tem demonstrado muitos dos conflitos de interesses sobrepostos entre a dualidade saúde pública versus economia. A nível mundial, diferentes estratégias foram sendo adotadas por governos de modo a conter a letalidade do vírus e concomitantemente manter as atividades econômicas ativas. No Brasil, ao contrário de outras nações que privilegiaram desde o início as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) quanto ao isolamento e distanciamento social, privilegiou-se o funcionamento da economia, o que acarretou o agravamento da crise sanitária no país, que até a presente data já possui taxa de letalidade superior a 300 mil mortos. A cartilha pelo qual tem se orientado o governo Bolsonaro, não trouxe consequências apenas para área da saúde, como também o agravamento das já precárias condições de vida e trabalho da classe trabalhadora brasileira.  Tendo como norte que o trabalho desempenha papel central na vida dos trabalhadores e na manutenção do capital, objetiva-se no presente artigo discutir como a pandemia do coronavírus tem enfraquecido ainda mais as condições de trabalho dos profissionais do país ao passo que a precarização sucedida tem sido vantajosa para a máxima capitalista de expropriação de valor do trabalho.

 


Palavras-chave


Capitalismo. Pandemia. Expropriação. Trabalho.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Igor Souza de; ABREU, Ivan Souza de; SANTOS, Marlene Souza dos. O poder do discurso hegemônico: a influência da narrativa bolsonarista no combate à pandemia da covid-19 no brasil. In: anais do 9º Congresso Internacional Interdisciplinar em Sociais e Humanidades, Campos dos Goytacazes (Rj) Uenf, 2020. Disponível em:. Acesso em: 29 mar. 2021.

ANTUNES, Ricardo. O Privilégio da Servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

_____. Desenhando a nova morfologia do trabalho no Brasil. Estudos Avançados, v. 28, n. 81, p. 39-53, 2014.

_____.; DRUCK, Graça. A terceirização sem limites: a precarização do trabalho como regra. O Social em Questão, v. 18, n. 33, p. 19-40, 2015.

_____. O VILIPÊNDIO DA COVID-19 E O IMPERATIVO DE REINVENTAR O MUNDO. O Social em Questão, v. 1, n. 49, 2021

_____. A classe-que-vive-do-trabalho: a forma de ser do trabalhador hoje. In: Os sentidos do trabalho: ensaio sobre afirmação e negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 1999.

BOUDREAUX, Donald. Poderiam ao menos ter a decência de parar com as justificativas bizarras para o lockdown Mises Brasil. 23 mar 2021. Disponível em https://www.mises.org.br/article/3335/poderiam-ao-menos-ter-a-decencia-de-parar-com-as-justificativas-bizarras-para-o-lockdown

BRAGA, Ruy; SANTANA, Marco Aurélio. #BrequeDosApps: enfrentando o uberismo. 2020.Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/2020/07/25/brequedosapps-enfrentando-o-uberismo/. Acesso em: 27 mar. 2021.

CHAVES, Andréa Bittencourt Pires. Da Planta taylorista/fordista ao capitalismo de plataforma: as engrenagens da exploração do trabalho. Research, Society and Development, v.9, n.6, p. e01963473- e01963473, 2020.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM (COFEN). Brasil representa um terço das mortes de profissionais de Enfermagem por covid-19. 08 jan 2021.Disponível em :http://www.cofen.gov.br/brasil-responde-por-um-terco-das-mortes-de-profissionais-de-enfermagem-por-covid-19_84357.html. Acesso em: 20 mar 2021.

_____.A difícil realidade dos enfermeiros diante à pandemia. 23 mar 2021. Disponível em : http://www.cofen.gov.br/a-dificil-realidade-dos-enfermeiros-diante-a-pandemia_85957.html. Acesso em : 24 mar 2021.

_____.Covid-19: Estudo avalia condições de trabalho na Saúde. 22 mar 2021. Disponível em :http://www.cofen.gov.br/covid-19-estudo-avalia-condicoes-de-trabalho-na-saude_85928.htm Acesso em 24 mar 2021.

IAMAMOTO, Marilda V. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. São Paulo. Cortez, 2007.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). CORSEUIL, Carlos Henrique et al. Comportamento do mercado de trabalho brasileiro em duas recessões: análise do período 2015-2017 e da pandemia de Covid-19. Nota técnica 92. Ipea. 2021.

LESSA, Sérgio. Mundo dos homens: trabalho e ser social. São Paulo: Instituto Lukács, 2012.

Relatório Parcial de Pesquisa. ABÍLIO, Ludmila. C.; ALMEIDA, Paula. F.; AMORIM, Henrique; CARDOSO, Ana. C. M.; FONSECA, Vanessa. P.; KALIL, Renan. B.; MACHADO, Sidnei. Condições de trabalho em empresas de plataforma digital: os entregadores por aplicativo durante a Covid-19. São Paulo: REMIR, 2020. 11 p

MARX, Karl. Contribuição à crítica da economia política. 2 ed. – São Paulo: Expressão Popular. 2008

_____. O capital: Crítica da economia política. Livro I: O processo de produção do capital. Trad. de Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2013.

MOTA, Ana Elizabete. Sobre as expropriações contemporâneas: hipótese é reflexões.p. 1a 12. Disponível em http://www.niepmarx.blog.br/MM2017/anais2017/MC44/mc444.pdf. Acesso em 02 fev 2021.

PRAUN, Luci. A Espiral da Destruição: legado neoliberal, pandemia e precarização do trabalho. Trabalho, Educação e Saúde, v. 18, n. 3, 2020.

TUCKER, Jeffrey. Lockdown: a nova ideologia totalitária. Mises Brasil. 26, fev, 2021. Disponível em : https://mises.org.br/article/3298/lockdown-a-nova-ideologia-totalitaria

SANTOS, Boaventura Sousa. Vírus: tudo que é sólido se desfaz no ar. Público. 18, mar 2019. Disponível em http://www.boaventuradesousasantos.pt/media/V%C3%ADrus%20-%20Tudo%20o%20que%20%C3%A9%20s%C3%B3lido%20se%20desfaz%20no%20ar_18Mar20.pdf




DOI: https://doi.org/10.30612/mvt.v8i14.14462

ISSN Eletrônico: 2358-9205

 

Indexadores:

 

          

   

 

    

 

oasisbr

   

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.