Asfixia mecânica versus centralidade do trabalho: a pandemia que desmascara a retórica capitalista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/mvt.v8i14.14462

Palavras-chave:

Capitalismo. Pandemia. Expropriação. Trabalho.

Resumo

Os debates provocados pelo cenário pandêmico que se instaurou no país e no mundo, tem demonstrado muitos dos conflitos de interesses sobrepostos entre a dualidade saúde pública versus economia. A nível mundial, diferentes estratégias foram sendo adotadas por governos de modo a conter a letalidade do vírus e concomitantemente manter as atividades econômicas ativas. No Brasil, ao contrário de outras nações que privilegiaram desde o início as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) quanto ao isolamento e distanciamento social, privilegiou-se o funcionamento da economia, o que acarretou o agravamento da crise sanitária no país, que até a presente data já possui taxa de letalidade superior a 300 mil mortos. A cartilha pelo qual tem se orientado o governo Bolsonaro, não trouxe consequências apenas para área da saúde, como também o agravamento das já precárias condições de vida e trabalho da classe trabalhadora brasileira.  Tendo como norte que o trabalho desempenha papel central na vida dos trabalhadores e na manutenção do capital, objetiva-se no presente artigo discutir como a pandemia do coronavírus tem enfraquecido ainda mais as condições de trabalho dos profissionais do país ao passo que a precarização sucedida tem sido vantajosa para a máxima capitalista de expropriação de valor do trabalho.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Igor Souza de Abreu, UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENCE DARCY RIBEIRO. Mestrando no Programa de Pós Graduação em Sociologia Política

Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Mestrando no Programa de Pós Graduação em Sociologia Política da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

Marlene Souza dos Santos, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Mestranda no Programa de Pós Graduação em Sociologia Política.

Bacharel em Serviço Social pela Universidade Federal Fluminense. Mestranda no Programa de Pós Graduação em Sociologia Política da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

Referências

ABREU, Igor Souza de; ABREU, Ivan Souza de; SANTOS, Marlene Souza dos. O poder do discurso hegemônico: a influência da narrativa bolsonarista no combate à pandemia da covid-19 no brasil. In: anais do 9º Congresso Internacional Interdisciplinar em Sociais e Humanidades, Campos dos Goytacazes (Rj) Uenf, 2020. Disponível em:. Acesso em: 29 mar. 2021.

ANTUNES, Ricardo. O Privilégio da Servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

_____. Desenhando a nova morfologia do trabalho no Brasil. Estudos Avançados, v. 28, n. 81, p. 39-53, 2014.

_____.; DRUCK, Graça. A terceirização sem limites: a precarização do trabalho como regra. O Social em Questão, v. 18, n. 33, p. 19-40, 2015.

_____. O VILIPÊNDIO DA COVID-19 E O IMPERATIVO DE REINVENTAR O MUNDO. O Social em Questão, v. 1, n. 49, 2021

_____. A classe-que-vive-do-trabalho: a forma de ser do trabalhador hoje. In: Os sentidos do trabalho: ensaio sobre afirmação e negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 1999.

BOUDREAUX, Donald. Poderiam ao menos ter a decência de parar com as justificativas bizarras para o lockdown Mises Brasil. 23 mar 2021. Disponível em https://www.mises.org.br/article/3335/poderiam-ao-menos-ter-a-decencia-de-parar-com-as-justificativas-bizarras-para-o-lockdown

BRAGA, Ruy; SANTANA, Marco Aurélio. #BrequeDosApps: enfrentando o uberismo. 2020.Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/2020/07/25/brequedosapps-enfrentando-o-uberismo/. Acesso em: 27 mar. 2021.

CHAVES, Andréa Bittencourt Pires. Da Planta taylorista/fordista ao capitalismo de plataforma: as engrenagens da exploração do trabalho. Research, Society and Development, v.9, n.6, p. e01963473- e01963473, 2020.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM (COFEN). Brasil representa um terço das mortes de profissionais de Enfermagem por covid-19. 08 jan 2021.Disponível em :http://www.cofen.gov.br/brasil-responde-por-um-terco-das-mortes-de-profissionais-de-enfermagem-por-covid-19_84357.html. Acesso em: 20 mar 2021.

_____.A difícil realidade dos enfermeiros diante à pandemia. 23 mar 2021. Disponível em : http://www.cofen.gov.br/a-dificil-realidade-dos-enfermeiros-diante-a-pandemia_85957.html. Acesso em : 24 mar 2021.

_____.Covid-19: Estudo avalia condições de trabalho na Saúde. 22 mar 2021. Disponível em :http://www.cofen.gov.br/covid-19-estudo-avalia-condicoes-de-trabalho-na-saude_85928.htm Acesso em 24 mar 2021.

IAMAMOTO, Marilda V. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. São Paulo. Cortez, 2007.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). CORSEUIL, Carlos Henrique et al. Comportamento do mercado de trabalho brasileiro em duas recessões: análise do período 2015-2017 e da pandemia de Covid-19. Nota técnica 92. Ipea. 2021.

LESSA, Sérgio. Mundo dos homens: trabalho e ser social. São Paulo: Instituto Lukács, 2012.

Relatório Parcial de Pesquisa. ABÍLIO, Ludmila. C.; ALMEIDA, Paula. F.; AMORIM, Henrique; CARDOSO, Ana. C. M.; FONSECA, Vanessa. P.; KALIL, Renan. B.; MACHADO, Sidnei. Condições de trabalho em empresas de plataforma digital: os entregadores por aplicativo durante a Covid-19. São Paulo: REMIR, 2020. 11 p

MARX, Karl. Contribuição à crítica da economia política. 2 ed. – São Paulo: Expressão Popular. 2008

_____. O capital: Crítica da economia política. Livro I: O processo de produção do capital. Trad. de Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2013.

MOTA, Ana Elizabete. Sobre as expropriações contemporâneas: hipótese é reflexões.p. 1a 12. Disponível em http://www.niepmarx.blog.br/MM2017/anais2017/MC44/mc444.pdf. Acesso em 02 fev 2021.

PRAUN, Luci. A Espiral da Destruição: legado neoliberal, pandemia e precarização do trabalho. Trabalho, Educação e Saúde, v. 18, n. 3, 2020.

TUCKER, Jeffrey. Lockdown: a nova ideologia totalitária. Mises Brasil. 26, fev, 2021. Disponível em : https://mises.org.br/article/3298/lockdown-a-nova-ideologia-totalitaria

SANTOS, Boaventura Sousa. Vírus: tudo que é sólido se desfaz no ar. Público. 18, mar 2019. Disponível em http://www.boaventuradesousasantos.pt/media/V%C3%ADrus%20-%20Tudo%20o%20que%20%C3%A9%20s%C3%B3lido%20se%20desfaz%20no%20ar_18Mar20.pdf

Downloads

Publicado

02/08/2021

Como Citar

Abreu, I. S. de, & Santos, M. S. dos. (2021). Asfixia mecânica versus centralidade do trabalho: a pandemia que desmascara a retórica capitalista. MovimentAção, 8(14), 176–188. https://doi.org/10.30612/mvt.v8i14.14462

Edição

Seção

Dossiê: As fronteiras do trabalho em tempos de crise