A Base Nacional Comum Curricular e suas implicações na proposta curricular de ciências naturais do estado do Acre

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/hre.v8i15.10684

Palavras-chave:

BNCC. Ensino de Ciências. Orientação Curricular do Acre.

Resumo

Desde a homologação da Base Nacional Comum Curricular, em 2017, as redes e sistemas de ensino têm se mobilizado na (re) elaboração de seus currículos para levar esse documento para as salas de aula. Assim, considerando a trajetória de cada estado, o presente artigo tem por objetivo tecer algumas considerações sobre a BNCC e suas implicações no processo de (re) formulação da Proposta Curricular de Ciências Naturais do estado do Acre, buscando discutir as divergências, os limites e possibilidades que a definição de uma BNCC apresenta para o ensino de Ciências , com vistas a contribuir com o debate em curso. Metodologicamente esse estudo caracteriza-se como uma pesquisa qualitativa e utiliza a combinação das pesquisas bibliográfica e documental para dar destaque ao ensino de Ciências na BNCC - 3ª versão (BRASIL, 2017) e nos atuais cadernos de Orientação Curricular do estado do Acre (2009, 2010). As reflexões construídas ao longo da investigação revelaram que o Referencial Curricular do Acre foi (re)elaborado com a finalidade de se alinhar a BNCC, mas incorpora na sua estrutura itens que se propõem a favorecer uma compreensão mais precisa do que é pretendido; e na definição de conteúdo acrescenta aqueles que aprofundam a identidade acreana, buscando, assim, promover o conhecimento de aspectos importantes para a cultura e a história do Estado, ou seja, busca aprimorar o currículo, cuidando para que as características culturais, socioambientais e econômicas da sociedade acreana estejam contempladas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Ramos dos Santos, Universidade Federal do Acre (UFAC)

Docente do Centro de Educação, Letras e Artes da Universidade Federal do Acre . Doutora em Educação (UFPR). Professora do curso de Pedagogia, cursos de Licenciatura e da Pós-graduação. Desenvolve estudos e pesquisas nas linhas: ensino de Ciências, formação e prática docente

Letícia Mendonça Lopes Ribeiro, Universidade Federal do Acre (UFAC)

Professora assistente Centro de Educação, Letras e Artes da Universidade Federal do Acre. Seus estudos e pesquisas têm ênfase em Educação Básica e Superior, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação do Campo; Formação e Profissão Docente; Trabalho Docente; Educação Inclusiva.

Referências

ACRE. Secretaria de Estado de Educação. Série Cadernos de orientação curricular:

Orientações Curriculares para o Ciclo Inicial do Ensino Fundamental, Volumes 1, 2, 3, 4 e 5, Rio Branco, AC. SEE, 2009.

ACRE. Secretaria de Estado de Educação. Série Cadernos de orientação curricular:

Orientações Curriculares para o Ensino Fundamental – Caderno 1 – Ciências Naturais, Rio Branco, AC. SEE, 2010.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2017.

BRASIL. Congresso Nacional. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Imprensa Oficial, 1988. Disponível em: www.planalto.gov.br. Acesso em: 10 nov. 2019.

BRASIL. Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9394 de 1996. Brasília, 1996. Disponível em: www.planalto.gov.br. Acesso em: 10 nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 10 volumes, 1998.

BRASIL. Plano Nacional de Educação. Lei n° 13.005 de 2014. Disponível em: http://pne.mec.gov.br/18-planos-subnacionais-de-educacao/543-plano-nacional-de-educacao-lei-n-13-005-2014. Acesso em: 10 nov. 2019.

CURY, C.R.J.; REIS M.; ZANARDI, T.A.C. Base Nacional Comum Curricular: dilemas e perspectivas. São Paulo: Cortez, 2018.

CURY, C.R.J. Sistema nacional de educação: desafio para uma educação igualitária e federativa. Educ. Soc., v. 29, n. 105, p. 1187-1209, dec. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br. Acesso em: 10 nov. 2019.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

LOPES, A.C. Apostando na produção contextual do Currículo. In: AGUIAR, M.A.S.; DOURADO, L.F. (Orgs.) A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. [Livro Eletrônico]. Recife: ANPAE, 2018. Disponível em: http://www.anpae.org.br/BibliotecaVirtual/4-Publicacoes/BNCC-VERSAO-FINAL.pdf. Acesso em: 10 nov. 2019.

LÜDKE, M. e ANDRÉ, M.E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MACEDO, E. Base Nacional Comum para Currículos: direitos de aprendizagem e desenvolvimento para quem? Educ. Soc., Campinas, v. 36, nº. 133, p. 891-908, out.-dez., 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v36n133/1678-4626-es-36-133-00891.pdf. Acesso em: 10 nov. 2019.

OLIVEIRA, I.B. Políticas curriculares no contexto do golpe de 2016: debates atuais, embates e resistências. In: AGUIAR, M.A.S.; DOURADO, L.F. (Orgs.) A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. [Livro Eletrônico]. Recife: ANPAE, 2018. Disponível em: http://www.anpae.org.br/BibliotecaVirtual/4-Publicacoes/BNCC-VERSAO-FINAL.pdf. Acesso em: 10 nov. 2019.

Downloads

Publicado

01/07/2020

Como Citar

Santos, A. R. dos, & Ribeiro, L. M. L. (2020). A Base Nacional Comum Curricular e suas implicações na proposta curricular de ciências naturais do estado do Acre. Horizontes - Revista De Educação, 8(15), 81–97. https://doi.org/10.30612/hre.v8i15.10684

Edição

Seção

A BNCC e o Ensino de Ciências no Brasil: fundamentos, práticas e desafios