Visão dos professores de ciências da rede municipal de Barra Mansa, diante dos desafios da Base Nacional Comum Curricular (BNCC)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/hre.v8i15.10456

Palavras-chave:

Base Nacional Comum Curricular. Professores de Ciências. Educação Básica.

Resumo

Este trabalho apresenta os resultados de uma pesquisa realizada durante uma formação continuada com os professores de Ciências da rede Municipal de Barra Mansa (RJ). Objetivouse investigar e analisar a opinião de 25 professores frente os desafios que a nova organização curricular que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), a ser implementada até 2020, propõe no Ensino de Ciências da Educação Básica. A metodologia utilizada nessa investigação é qualitativa e a coleta de dados foi feita através de um questionário que buscou realizar uma sondagem inicial, e uma roda de conversa que buscou analisar comparativamente as mudanças no currículo do Ensino de Ciências e iniciar as proposições para a reformulação do currículo no nível municipal, na busca da identidade que a prática pedagógica dos docentes da cidade precisa ter. Como resultado da pesquisa, destaca-se que os professores possuem um conhecimento intermediário da BNCC e que sua implantação trará pontos positivos, há também relatos de desafios e preocupações, sobre como os conteúdos de Ciências serão desenvolvidos pelos professores do município de Barra Mansa, nas 3 unidades temáticas (Matéria e Energia, Terra e Universo e Vida e Evolução), os quais destacam-se as seguintes temáticas não trabalhadas: materiais sintéticos (6º ano); Radiações e aplicações na saúde e Vida humana fora da Terra (9º ano)Salienta-se que somente após a efetiva implantação da BNCC serão vistos resultados mais contundentes mas os desafios já foram colocados para serem superados pelo professor que está em sala de aula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Peres Guimarães, Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ)

Articulador de Ciências da Prefeitura Municipal de Barra Mansa
Discente do Doutorado em Ensino de Ciências do IFRJ

Referências

BRASIL. Resolução CEB Nº 2, de 7 de abril de 1998. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental. Brasília: MEC, 1998a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rceb02_98.pdf. Acesso em:12 set. 2019.

BRASIL. Resolução CEB Nº 3, de 26 de junho de 1998. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília: MEC, 1998b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rceb03_98.pdf. Acesso em:12 set. 2019.

BRASIL. Resolução nº 4, de 13 de julho de 2010. Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Disponível em http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_10.pdf. Acesso em: 12 set 2019.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: terceira versão. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf. Acesso em: 8 jun. 2017.

CÓSSIO, M. F. Base Comum Nacional: Uma Discussão Para Além Do Currículo Revista eCurriculum, São Paulo, v. 12, n. 03 p. 1570 - 1590 out./dez. 2014.

PERRENOUD, P. Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artmed, 1999.

RODRIGUES, G. dos S.; GROENWALD, C.L.O. Base Nacional Comum Curricular: concepção de professores de matemática dos anos finais do ensino fundamental do município de Canoas. REMATEC, Ano 13 - n. 28 - mai./ago. 2018.

Downloads

Publicado

01/07/2020

Como Citar

Guimarães, L. P., & Castro, D. L. de. (2020). Visão dos professores de ciências da rede municipal de Barra Mansa, diante dos desafios da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Horizontes - Revista De Educação, 8(15), 6–19. https://doi.org/10.30612/hre.v8i15.10456

Edição

Seção

A BNCC e o Ensino de Ciências no Brasil: fundamentos, práticas e desafios