Feminismo(s) e cidadania feminina: o pensamento feminista como referência teórico-política à cidadania de mulheres em sua pluralidade

Silvana Marinho

Resumo


Este artigo refletirá sobre a  contribuição dos feminismos como lente de leitura da realidade e como estratégia de luta emancipadora à cidadania de mulheres na sua pluralidade: cis, trans, lésbicas, negras, ameríndias, latinas, jovens, adultas, idosas, etc. A cidadania feminina será pensada a partir de diferentes matizes e matrizes teóricas do feminismo, do clássico ao contemporâneo: o pensamento feminista sufragista, protagonizado principalmente pelas francesas; o pensamento feminista russo, em especial o socialista, que põe em evidência as demandas das mulheres trabalhadoras; o feminismo interseccional e o feminismo descolonial, que inserem também a raça/etnia, a sexualidade e a origem territorial geopolítica norte/sul no centro do debate feminista, interpelando uma suposta universalidade feminina (branca, eurocentrada, heteronormativa).


Palavras-chave


Feminismos. Cidadania feminina. Modernidade colonial. Pluralidade de mulheres.

Texto completo:

PDF

Referências


BRAH, A. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu 26, 2006

COUTINHO, Carlos Nelson. A dualidade dos poderes. São Paulo: Brasiliense, 2ª ed., 1987.

COUTINHO, Carlos Nelson. Pluralismo: dimensões teóricas e políticas. Caderno ABESS. nº 4. São Paulo: Cortez, 1991.

COUTINHO, Carlos Nelson. Notas sobre Cidadania e Modernidade. Praia Vermelha. Estudos de Política e Teoria Social. Vo1. nº1. Rio de Janeiro: UFRJ, ESS, set/1997

CRENSHAW, K. Documento para o Encontro de Especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, ano 10, 1º semestre 2002, p.171-188.

DUMARESQ, Leila. O cisgênero existe. Transliteração [site]. Dez/2014.Disponível em: http://transliteracao.com.br/leiladumaresq/2014/12/o-cisgenero-existe/. Acesso em janeiro/2019.

GRUPPI, Luciano. Tudo Começou com Maquiavel. As Concepções de Estado em Marx, Engels, Lênin e Gramsci. 16ª edição. Porto Alegre: L&PM, 2001.

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça: Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo Social - Revista de Sociologia USP, v. 26, n. 1, junho 2014.

HIRATA, Helena. Entrevista. Ideias. Vol. 7, n. 1. Os trabalhos das mulheres. Unicamp, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ideias/article/view/8649521. Acesso em: janeiro/2019.

KERGOAT, Danièle. Dinâmica e consubstancialidade das relações sociais. Novos Estudos CEBRAP, n. 86, março 2010, pp. 93-103

LOSURDO, D. Liberalismo e escravidão racial: um singular parto gêmeo. Contra-história do liberalismo. São Paulo: Ideias e Letras, 2006.

LUGONES, María. Colonialidad y género. In: Munoz, K.; Correal, D.; Miñoso, Y. Tejiendo de outro modo: Feminismo, epistemología y apuestas descoloniales em Abya Yala. Editorial Universidad del Cauca, 2014.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas. Florianópolis, 22(3), setembro-dezembro/2014.

MACKLINNTOCK, A. Imperial leather, race, gender and sexuality in the colonial contest. Routledge, 1995

MAQUIAVEL, Nicolau. O Príncipe: Escritos políticos. São Paulo: Nova Cultural Ltda., 1999.

MENDOZA, Breny. La epistemologia del sur, la colonialidad del género y el feminismo latino-americano. In: In: Munoz, K.; Correal, D.; Miñoso, Y. Tejiendo de outro modo: Feminismo, epistemología y apuestas descoloniales em Abya Yala. Editorial Universidad del Cauca, 2014.

NOGUEIRA, Conceição. Como "captar" a complexidade da interseccionalidade?. In: ______. Interseccionalidade e Psicologia Feminista. Editora Devires, 2017. pp. 154-170.

O`DONNELL, Guilhermo. Democracia, agência e estado. Teoria com intenção comparativa. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

PISCITELLI, Adriana. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura, v.11, n.2, jul./dez. 2008, pp. 263-274.

REIS, Elisa. Sobre a cidadania; O Estado-nação como Ideologia. In: REIS, Elisa. Processos e Escolhas: Estudos de sociologia política. Rio de Janeiro: ContraCapa, 1998.

SAFFIOTI, H. I.B. Movimentos sociais: a face feminina. In: CARVALHO, N. V. de (Org.). A condição feminina. São Paulo: Vértice, 1988. p. 29-55.

SAFFIOTI, H. I.B. Violência de gênero: o lugar da práxis na construção da subjetividade. Lutas Sociais. São Paulo, v.2., 1.sem (p. 59-79), 1997.

SAFFIOTI, H. I.B. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Perseu Abramo, 2004.

SCHNEIDER, Graziela (org.). A revolução das mulheres: emancipação feminina na Rússia soviética. São Paulo: Boitempo, 2017.

SCHWARCZ, Lilia Moritz; BOTELHO, André. Introdução – Cidadania e direitos: aproximações e relações. In: ______; ______(Orgs.). Cidadania, um projeto em construção. Minorias, justiça e direitos. 1ª ed. São Paulo: Claro Enigma, 2012.

SCOTT, Joan Wallach. A Cidadã Paradoxal: as feministas francesas e os direitos do homem. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2002, 312p.

SEGATO, Rita. Colonialidad y patriarcado moderno: expansion del frente statal, modernizacion, y la vida de las mujeres. In: Munoz, K.; Correal, D.; Miñoso, Y. Tejiendo de outro modo: Feminismo, epistemología y apuestas descoloniales em Abya Yala. Editorial Universidad del Cauca, 2014.

SEGATO, Rita. Patriarcado: del borde al centro. Disciplinamiento, terriotorialidad y crueldade em la fase apocalíptica del capital. In: ______. La guerra contra las mujeres. Madrid: Traficantes de Suenos, 2016

VERGUEIRO, Viviane. Colonialidade e cis-normatividade. In: Ramírez, B. Colonialidade e cis-normatividade. Conversando com Viviane Vergueiro. Iberoamérica Social: revista-red de estudios sociales (III), p. 15 – 21, 2014. Recuperado de http://iberoamericasocial.com/colonialidade-e-cis-normatividade-conversando-com-viviane-vergueiro. Acesso em janeiro/2019.

WOLLSTONECRAFT, Mary. Reivindicação dos direitos da mulher. São Paulo: Boitempo, 2016.




DOI: https://doi.org/10.30612/rehr.v14i28.12330

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.