Construindo liberdade: lutas antiescravistas e abolicionistas por mulheres negras no Brasil do século XIX

Clarissa Pires

Resumo


Ao longo do século XIX, do norte ao sul do Brasil, as mulheres negras -livres, forras e cativas –atuaram de diferentes maneiras no processo que desencadeou a Lei Áurea em 1888. Neste sentido, o presente artigo tem por intenção lançar luz sobre a participação das mulheres negras nas lutas cotidianas e populares, individuais e coletivas, travadas contra a instituição da escravidão, a desigualdade de gênero e a discriminação socioracial no país, considerando a interseccionalidade entre o gênero, a raça e a classe social na dialética da dominação escravista. O desafio proposto consiste em revelar as contribuições do materialismo histórico à escrita da história das mulheres negras e observar trajetórias ímpares pautadas na busca pela liberdade.


Palavras-chave


Mulheres Negras. Ensino de História. Abolicionismo. Antiescravismo.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Martha; XAVIER, Giovana; MONTEIRO, Lívia; BRASIL, Eric. Cultura negra. Vol. 1. Festas, carnavais e patrimônios negros. Niterói: Eduff, 2018.

AZEVEDO, Célia Maria Marinho de. Etíope resgatado: abolicionismo e suas conexões internacionais. São Paulo: Annablume, 2016.

BARROS, José Costa D’Assunção. Teoria da história – os paradigmas revolucionários. Vol 3. Rio de Janeiro: Vozes, 2011.

BORGES, Rosane. Feminismos negros e marxismo: quem serve a quem? Margem Esquerda Revista da Boitempo, n.27,2º sem, 2016

CARDOSO, Ciro Flamarion. Escravidão e Abolição no Brasil: novas perspectivas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1988.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos Avançados, São Paulo, v.17, n.19, 2003.

CHALHOUB, Sidney. Cidade febril: cortiços e epidemias na corte imperial. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

CHALHOUB, Sidney. Visões de liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

CONRAD, Robert. Os últimos anos da escravatura no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1975.

COSTA, Emília Viotti da. Da senzala à colônia. 5ª ed. São Paulo: Editora Unesp, 2010.

COWLING, Camillia. Concebendo a liberdade: mulheres de cor, gênero e abolição da escravidão nas cidades de Havana e Rio de Janeiro. São Paulo: Editora da Unicamp, 2018.

DAVIS, David Brion. O problema da escravidão na cultura ocidental. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Quotidiano e poder em São Paulo no século XIX. São Paulo: Brasiliense, 1984.

DOMINGUES, Petrônio. Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos históricos. Revista Tempo, Rio de Janeiro, n.23, jan/jul, 2007.

ENGELS, Friedrich. A origem da família, da propriedade privada e do Estado. São Paulo: Boitempo, 2014.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. 2ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Tradução Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

FERNANDES, Florestan. Significado do protesto negro. São Paulo: Cortez; Autores Associados, 1989.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Mulherio, São Paulo, ano II, n. 7, mai/jun., 1982.

GRAHAM, Sandra Lauderdale. Caetana diz não: histórias de mulheres da sociedade escravista brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

GRINBERG, Keila. Liberata – a lei da ambiguidade: as ações de liberdade da Corte de Apelação do Rio de Janeiro no século XIX. 2ª ed. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994.

HOOKS, Bell. Mulheres negras: moldando a teoria feminista. Revista Brasileira de Ciências Política, São Paulo, n.16, 2015.

HOUFBAUER, Andreas. Uma história de branqueamento ou o negro em questão. São Paulo: Editora UNESP, 2006.

LARA, Silvia Humbold. Campos da violência: escravos e senhores na capitania do Rio de Janeiro, 1750-1808. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

LENIN, Vladimir Ilich. Imperialismo – fase superior do capitalismo. São Paulo: Global Editora, 1979.

MACHADO, Maria Helena Pereira Toledo. Corpo, gênero e identidade no limiar da abolição: a história de Benedicta Maria Albina da Ilha ou Ovídia, escrava (Sudeste, 1880). Revista Afro-Ásia, Salvador, n.42, p.157-193, 2010.

MACHEL, Samora. “Os fundamentos da alienação da mulher”. In: MANOEL, Jones; FAZZIO, Gabriel Landi. Revolução africana: uma antologia do pensamento marxista. São Paulo: Autonomia Literária, 2019.

MALERBA, Jurandir (org.). Lições de história: o caminho da ciência no longo século XIX. Rio de Janeiro: Editora FGV; Porto Alegre: Edipucrs, 2010.

MARQUESE, Rafael Bivar; SALLES, Ricardo (orgs). Escravidão e capitalismo histórico no século XIX. Cuba, Brasil e Estados Unidos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

MATOS, Maria Izilda de. Da invisibilidade ao gênero: percursos e possibilidades nas Ciências Sociais contemporâneas. Revista Margem, São Paulo, n.15, 2002.

MATTOS, Hebe Maria. Escravidão e cidadania no Brasil monárquico. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.

MOTT, Maria Lucia de Barros. Submissão e resistência. A mulher na luta contra a escravidão. 2ª ed. São Paulo: Contexto, 1991.

MOURA, Clóvis (org). Escravismo, colonialismo, imperialismo e racismo. Revista Afro-Ásia, São Paulo, n. 14, 1983.

MOURA, Clóvis. O racismo como arma ideológica de dominação. Edição 24, ago/set/out, 1994.

MOURA, Clóvis . Dicionário da escravidão negra no Brasil. São Paulo: EDUSP, 2004.

NEPOMUCENO, Bebel. “Mulheres Negras – Protagonismo Ignorado”. In: PINSKY, Carla Bassenezi; PEDRO, Joana Maria (Org.). Nova História das Mulheres. São Paulo: Editora Contexto, 2013.

PERROT, Michele. As mulheres ou os silêncios da história. São Paulo: Edusc, 2005.

SALLES, Ricardo. Abolição no Brasil: resistência escrava, intelectuais e política (1870-1888). Revista de Indias, v. LXXI, n.251, 2011.

SANTOS, Joel Rufino dos. Culturas negras, civilização brasileira. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, v.25, 1997.

SCOTT, Joan. Gênero, uma categoria útil de análise histórica. Revista Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, jul – dez, 1995.

SEIXAS, Jacy Alves de (org). Razão e paixão na política. Brasília: EdUnB, 2002.

TELLES, Norma. “Escritoras, escritas, escrituras”. In: DEL PRIORE, Mary (org). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2009.

THOMPSON, Edward Palmer. “La sociedad inglesa del siglo XVIII: ¿Lucha de clases sin clases?”. In:__. Tradición, revuelta y consciencia de clase: estudios sobre la crisis de la sociedad preindustrial. Barcelona, Crítica, 1989.

THOMPSON, Edward Palmer. As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. Campinas: Editora da Unicamp, 2001.

TOLEDO, Cecília. Mulheres: o gênero nos une, a classe nos divide. 2ª ed. São Paulo: José Luís e Rosa Sundermann, 2003.

XAVIER, Giovana [et al]. Mulheres negras no Brasil escravista e do pós emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2012.




DOI: https://doi.org/10.30612/rehr.v14i28.12254

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.