Protagonismo feminino e a ditadura militar no Brasil: o caso Araguaia

Ary Albuquerque Cavalcanti Junior

Resumo


O presente artigo, realizado com apoio da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS/MEC – Brasil, é resultado dos estudos acerca da participação feminina em diferentes frentes de luta contra a ditadura civil-militar brasileira (1964-1985). Ao longo das últimas décadas, importantes contribuições para se pensar o protagonismo feminino durante a ditadura passaram a ser produzidas, permitindo o surgimento de novas perspectivas e abordagens de análise. Assim, ao pensarmos a história das mulheres no referido período, devemos observar os códigos de conduta que as cerceavam e as práticas de resistência que rompiam tanto no cenário político, público, quanto cultural, patriarcal. Assim, o objetivo deste trabalho é discutir a participação e a resistência feminina na Guerrilha do Araguaia.


Palavras-chave


Mulheres. História. Guerrilha. Ditadura. Araguaia.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Maria Helena Moreira. Estado e Oposição no Brasil (1964-1984) Bauru. SP: Edusc, 2005.

ARAÚJO, Maria Paula Nascimento. A utopia fragmentada: as novas esquerdas no Brasil e no mundo na década de 1970. Rio de Janeiro: FGV, 2001.

ARAUJO, Maria Paula Nascimento. Lembranças do golpe-1964. Topoi (Rio de Janeiro), v. 15, n. 28, p. 8-21, 2014.

BERCHT, Verônica. Coração vermelho: a vida de Elza Monnerat. Anita Garibaldi, 2002.

BUTLER, Judith P. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2003.

CARVALHO, L.M. Mulheres que foram à luta armada. São Paulo: Globo, 1998

CAVALCANTI JUNIOR, Ary Albuquerque. Três mulheres e uma história de luta pela democracia e pela liberdade. São Paulo: Pimenta Cultural, 2019.

COLLING, Ana Maria. A resistência da mulher à ditadura militar no Brasil. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1997.

COLLING, Ana Maria; CAVALCANTI JUNIOR, Ary A. Militantes e guerrilheiras. Revista Espacialidades, v. 15, n. 01, p. 47-61, 6 nov. 2019.

CONRADI, Carla Cristina N. “Memórias do sótão”: vozes de mulheres na militância política contra a ditadura no Paraná (1964-1985). 2015. 267 fl. Tese (Doutorado em História) – Programa de pós-graduação em História. Universidade Federal do Paraná, 2015.

COSTA, Albertina de Oliveira et al. Memórias das mulheres no exílio. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

CODATO, Adriano Nervo. Uma história política da transição brasileira: da ditadura militar à democracia. Revista de sociologia e política, n. 25, p. 83-106, 2005.

COSTA, Ana Alice A.; SANTANA, Ediane Lopes; SOBRAL, Rebeca. As mulheres e as marchas da Família com Deus pela democracia e pela liberdade na Bahia. In: MOTTA, Alda Britto da; AZEVEDO, Eulália Lima; GOMES, Márcia Queiroz de Carvalho. Reparando a falta: dinâmica de gênero em perspectiva geracional. Salvador: NEIM/UFBA, 2005. p. 135-151.

FERREIRA, Elizabeth F. Xavier. Mulheres, militância e memória. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1996.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad. RAMALHETE, Raquel. Petrópolis, RJ: Editora: Vozes, 2014.

GORENDER, Jacob. Combate nas trevas. A esquerda brasileira: das ilusões perdidas à luta armada. São Paulo: Ática, 1987.

GUERRA, Fabiana de Paula. Araguaia: desvelando silêncio (atuação das mulheres da Guerrilha). 84p. Monografia (Bacharelado) –Universidade Federal de Uberlândia, Curso de Graduação em História, UFU, Uberlândia, 2006.

JOFFILY, Olivia. O corpo como campo de batalha. In: PEDRO, Joana Maria; WOLFF, Cristina Sheibe. Gênero, feminismos e ditaduras no Cone Sul. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2010. pp. 225-245

LIMA, Gilneide de Oliveira Padre. Do corpo insepulto à luta por memória, verdade e justiça: um estudo do caso Dinaelza Coqueiro. 238f. Tese (doutorado) –Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Programa de Pós-Graduação em Memória: Linguagem e Sociedade, Vitória da Conquista, 2019.

MAIA, Iano Flávio de Souza. Guerrilheiras do Araguaia: os caminhos de quatro jovens militantes. (Orgs) MAIA, Iano Flávio de Souza; SIQUEIRA, Renata Coimbra e Dantas; SAVIGNANO, Verónica María. Campinas: Puc-Campinas, 2004.

MECHI, Patrícia Sposito. Os protagonistas do Araguaia: trajetórias, representações e práticas de camponeses, militantes e militares na guerrilha. Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, 2015.

MERLINO, Tatiana e OJEDA, Igor (Orgs). Direito à memória e à verdade: luta substantivo feminino. São Paulo: Editora Caros Amigos, 2010.

MORAIS, Taís. SILVA, Eumano. Operação Araguaia: Os arquivos secretos da guerrilha. São Paulo: Editora Geração. 2005

MOURA, Mariluce. A revolta das vísceras. Rio de Janeiro: Codreci, Coleções Edições do Pasquim; v. 125, 1982.

PERROT, Michelle. Escrever uma história das mulheres: relato de uma experiência. In: cadernos Pagu (4) 1995.

OLIVEIRA, Eder Renato de. Entre a Reforma e a Revolução: O PCB e a Revolução Brasileira. 157 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Filosofia e Ciências, 2017.

RAGO, Margareth. A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2013.

RIBEIRO, Bruno. Helenira Rezende e a Guerrilha do Araguaia. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

RIBEIRO, Maria Cláudia B. Mulheres na luta armada: protagonismo feminino na ALN (Ação Libertadora Nacional). São Paulo: Alameda, 2018.

RIDENTI, Marcelo Siqueira. As mulheres na política brasileira: os anos de chumbo. Tempo social, v. 2, n. 2, p. 113-128, 1990.

ROSA, Susel Oliveira da. Mulheres, ditaduras e memórias: “Não imagine que precise ser triste para ser militante”. São Paulo: Intermeios; Fapesp, 2013.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & realidade, v. 20, n. 2, 1995.

SOIHET, Rachel; PEDRO, Joana Maria. A emergência da pesquisa da história das mulheres e das relações de gênero. Revista brasileira de história, São Paulo, V. 27, nº 54, 2017, p. 281-33.

MORAIS, Taís. SILVA, Eumano. Operação Araguaia: Os arquivos secretos da guerrilha. São Paulo: Editora Geração. 2005

TEDESCHI, Losandro Antônio. As mulheres e a história: uma introdução teórico metodológica. Dourados, MS: Ed. UFGD, 2012.

TELES, Maria Amélia de Almeida. Lembranças de um tempo sem sol...In: PEDRO, Joana Maria; WOLFF, Cristina Sheibe. Gênero, feminismos e ditaduras no Cone Sul. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2010. pp. 284-292.

TELES, Maria Amélia de Almeida. Breve história do feminismo no Brasil e outros ensaios. Alameda Casa Editorial, 2017.

VILLA, Marco Antônio. Ditadura à brasileira: 1964-1985: a democracia golpeada à esquerda e à direita. São Paulo: LeYa, 2014.




DOI: https://doi.org/10.30612/rehr.v14i28.12090

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.