Estudo do campo higrométrico em situação sazonal de verão: o caso do distrito de Carapina-Serra/ES.

Wemerson Diascanio Oliveira

Resumo


O crescimento da malha urbana das cidades, modifica a variabilidade espaço-temporal dos elementos climáticos. Todavia, a umidade do ar não está entre as mais analisadas, muito embora, a umidade do ar seja importante, na medida em que é um agente que transfere energia de um lugar para outro na superfície da Terra. Como também, junto com as nuvens, influencia na transmissão de radiação como determina o estado do conforto fisiológico humano. Nesse sentido, a pesquisa se propôs a analisar a distribuição da umidade, no distrito de Carapina, situado no município de Serra, no Espírito Santo em situação sazonal de verão. Para isso, utilizou-se transect móvel (10h00min; 16h00min e 20h00min), com 42 pontos de observação e seis pontos fixos. Dentre os resultados, pode-se destacar que campo hígrico do distrito de Carapina, em uma situação de atuação da ASAS, os resultados apontaram que nas coletas matutinas e vespertinas os pontos de coleta com maiores valores médios de umidade relativa do ar estiveram dispostos ao longo da faixa litorânea. Na coleta noturna este padrão se modificou, e os maiores registros médios de umidade se estenderam por toda a porção norte do distrito de Carapina, especialmente na porção interiorana.

Palavras-chave


Transect. Umidade relativa do ar. Distrito de Carapina. Umidade urbana.

Texto completo:

PDF

Referências


BOSCAGLIA, F. Dinâmica populacional e consumo de água a Serra-ES: panorama atual e cenário futuro. (Dissertação de Mestrado), p. 173. Programa de Pós Gradação em Geografia – PPGG, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2013.

COLLISCHONN, E.; FERREIRA, C. V. O. O fator de visão do céu e sua influência sobre as características térmico-higrométricas intraurbanas em Pelotas/RS, Brasil. Geographia Meridonalis, Pelotas-RS, v 1, p.160-178, 2015.

CORREA, W. de S. C. Campo térmico e higrométrico da Regional Praia do Canto no município de Vitória – ES. Dissertação (Mestrado em Geografia) 165f. Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Humanas e Naturais, Vitória, 2014.

CPTEC/INPE – Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climatológicos. Disponível em: https://www.cptec.inpe.br/

DI RIENZO, J. A., CASANOVES, F., BALZARINI, M. G., GONZALEZ, L., TABLADA, M., ROBLEDO, C. W. InfoStat versión 2012. Grupo InfoStat, FCA, Universidad Nacional de Córdoba, Argentina. 2012.

FERREIRA, G. R. Estudo do campo térmico e sua relação com o Sky View Factor em situação sazonal de verão no centro urbano de Viçosa-MG. Monografia (Bacharel em Geografia) 70 f. Departamento de Geografia. Universidade Federal de Viçosa, 2015.

FERREIRA, G. R.; FIALHO, E. S. Campo térmico x fator de visão do céu: estudo da área central do município de Viçosa - MG em episódios de Outono e inverno/2014. Boletim Gaúcho de Geografia, Porto Alegre, v. 43, n.1, p. 247-271, 2016.

FIALHO, E. S. Análise têmporo-espacial na Ilha do Governador-RJ em situações sazonais de verão e inverno. Dissertação (Doutorado em Geografia), Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza-CCMN, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2002. 164f.

FIALHO, E. S. Estudos climáticos em sítios urbanos e rurais. In: FIALHO, E.S.; SILVA, C. A. (Org.). Concepções e Ensaios da Climatologia Geográfica. Dourados: UFGD, 2012, v. 1, pp. 83-114.

FIALHO, E. S. - Ilha de calor em cidade de pequeno porte: um caso de Viçosa, na Zona da Mata Mineira. Tese (Doutorado em Geografia Física), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade Estadual de São Paulo, São Paulo, 2009. 248f.

FIALHO, E. S. Ilhas de Calor: reflexões acerca de um conceito. ACTA Geográfica, Boa Vista, Edição Especial, Climatologia Geográfica, p.61-76, 2012.

FIALHO, E. S.; QUINA, R. R.; ALVES; MIRANDA, J. D. E.C. O campo térmico em situação sazonal de verão, no município de Viçosa-MG. Revista Geografias, Belo Horizonte, Edição Especial SEGEO III, p. 80-98, 2015.

FIALHO, E. S. Unidades climáticas urbanas: O caso da Ilha do Governador. Revista do Centro de Ciências Humanas, Viçosa, v. 10, n. 1, p.26-46, 2010.

FIALHO, E. S.; QUINA, R. R. Análise das diferenças térmicas entre o campo e a cidade em situação sazonal de verão, Em 2014, no município de Viçosa (MG). Revista Entre-Lugar, Dourados, MS, v. 7, n. 14, 2016.

FIALHO, E. S.; CELESTINO, E. J.; QUINA, R. R. O campo térmico em situação episódica de primavera em uma cidade de pequeno porte, na zona da mata mineira: um estudo de caso em Cajuri-MG. Revista de Geografia, Recife-PE, v. 33, n. 4, p. 299-318, 2016.

FIORETTI, A. Indústria, conjuntos habitacionais e assentamentos precários: o Distrito de Carapina, município da Serra (ES) De 1966 A 1995. Dissertação (Mestrado) 213 p. Universidade Federal do Espírito Santo, Programa de Pós Gradação em Geografia – PPGG/ UFES. Vitória, 2014.

GIGUÈRE, M. Mesures de lutte aux îlots de chaleur urbains. Institut national de santé publique du Québec, Direction des risques biologiques, environnementaux et occupationnels, 95 p. 2009. Disponível em: www.inspq.qc.ca

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro, IBGE. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/resultados.html. Acesso em: 06/08/2018.

INSTITUTO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS (IEMA): Relatório Anual da Qualidade do Ar RMGV 2013. Disponível em: https://iema.es.gov.br/Media/iema/Downloads/RAMQAR/Relat%C3%B3rio_Anual_de_Qualidade_do ar. 2013.

LANDSBERG, H. E. O clima das cidades. Revista do Departamento de Gegorafia, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 95-111, 2006.

MARINHA DO BRASIL – Diretoria de Hidrografia e Navegação (DNH). Disponível em: https://www.marinha.mil.br/chm/dados-do-smm-cartas-sinoticas/cartas-sinoticas. 2018.

MONTEIRO, C. A. F. Teoria e Clima Urbano. In: MONTEIRO, C. A. F.; MENDONÇA F. de A. (ORG). Clima urbano, 2. ed., 2° reimpressão. São Paulo: Contexto, 2015, p 9 – 68.

OLIVEIRA, W. D. O campo térmico do distrito de Carapina – Serra/ES: estudo de caso em áreas litorâneas. Dissertação (Mestrado) 200 p. Universidade Federal do Espírito Santo, Programa de Pós Gradação em Geografia – PPGG/ UFES. Vitória, 2018.

ONU – Organização das Nações Unidas. World Urbanization Prospects: The 2018 Revision, 2018. Disponível em: https://esa.un.org/unpd/wup/. Acesso em: 06/08/2018.

PARDO, J. A. S. Estudio de la isla de calor de la ciudad de Ibiza. Investigaciones Geográficas, Madrid, n. 44, p. 55-73, 2007.

PREFEITURA MUNICIPAL DA SERRA: Lei nº. 3.820, de 11 de janeiro de 2012.

ROCHA, V. M.; FIALHO, E. S. Uso da terra e suas implicações na variação termo-higrométrica ao longo de um transeto campo-cidade no município de Viçosa-MG. Revista de Ciências Humanas. Revista de Ciências Humanas, Viçosa-MG, v. 10. n. 1, p. 64-77, 2010.

SANT’ ANNA NETO, J. L. Decálogo da climatologia do sudeste brasileiro. Revista Brasileira de Climatologia. Presidente Prudente, v. 1, n.1, p. 43-60, Dez. 2005.

UNITED STATES GEOLOGICAL SURVEY – (USGS), 2018. Disponível em: https://earthexplorer.usgs.gov/ Acesso em: 06/08/2018.




DOI: https://doi.org/10.30612/el.v10i19.9733

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.